Estudo da Lancet: pessoas assintomáticas raramente transmitem COVID-19

A transmissão silenciosa é a ideia de que aqueles que estão infectados com a COVID-19, mas não apresentam sintomas


Estudo da Lancet: pessoas assintomáticas raramente transmitem COVID-19

Em um golpe contra a narrativa do “contagio silencioso” da COVID-19, que foi usada para promover o uso de máscaras generalizado, inclusive de maneira controversa entre crianças em idade escolar, um estudo recente publicado na revista The Lancet sugere que pessoas assintomáticas raramente têm a capacidade de infectar outras pessoas.

A transmissão silenciosa é a ideia de que aqueles que estão infectados com a COVID-19, mas não apresentam sintomas, ainda podem transmitir o vírus para outras pessoas.

Embora todos os estudos relevantes mostrem que os “propagadores silenciosos” pré-sintomáticos e assintomáticos representam alguma proporção das infecções em outras pessoas, o grau de transmissão silenciosa é menos claro.

Vários estudos iniciais – em alguns casos afetados por limitações que podem ter inflado “artificialmente” sua proporção de transmissão pré-sintomática – sugeriram que a transmissão silenciosa representava cerca de metade das infecções secundárias, ou até mais.

Os estudos iniciais levaram as autoridades de saúde pública a argumentar que todos deveriam usar máscaras o tempo todo quando estivessem em público ou em lugares lotados. Isso, por sua vez, ajudou a impulsionar políticas draconianas de uso de máscaras, incluindo em escolas, na tentativa de reduzir a disseminação da COVID-19.

Por exemplo, o Dr. Anthony Fauci, ex-diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (NIAID), inicialmente desencorajou o uso generalizado de máscaras no início da pandemia, mas depois mudou de opinião. (Veja: BOMBA: transmissão assintomática de COVID-19 não ocorreu, revela estudo com 10 milhões de pessoas)

Inicialmente, “não percebemos a extensão da propagação assintomática”, disse o Dr. Fauci em julho de 2020, acrescentando que mais tarde, “percebemos completamente que há muitas pessoas assintomáticas que estão espalhando a infecção”. “Então ficou claro que absolutamente deveríamos estar usando máscaras consistentemente”, disse o Dr. Fauci na época.

No entanto, novas pesquisas questionam a importância da ameaça da transmissão silenciosa, o que acontece enquanto os casos de COVID-19 estão aumentando nos Estados Unidos, levando a que alguns chamem de “histeria” uma renovada pandemia e pedidos por uma nova rodada de restrições, incluindo mandatos de uso de máscaras.

“Muito poucas emissões” antes do início dos sintomas

O novo estudo, publicado na edição de agosto da revista Microbe da The Lancet, mostra que as pessoas que estão doentes com COVID-19, mas não apresentam quaisquer sintomas, têm uma capacidade limitada de espalhar o vírus a outras pessoas.

Os participantes do estudo britânico, realizado por pesquisadores do Imperial College London, eram adultos saudáveis ​​não vacinados com idades entre 18 e 30 anos que foram intencionalmente infectados com a COVID-19.

Os sujeitos foram monitorados em circunstâncias controladas enquanto relatavam sintomas três vezes ao dia, e os pesquisadores coletaram amostras de nariz e garganta deles diariamente, verificando a presença do vírus.

Os pesquisadores também testaram o interior das máscaras usadas pelos participantes, verificaram as mãos deles e examinaram o ar e as superfícies das salas onde os sujeitos ficaram por um mínimo de 14 dias.

No final, os pesquisadores descobriram que menos de 10% das emissões virais dos participantes infectados ocorreram antes do surgimento dos primeiros sintomas.

“Muito poucas emissões ocorreram antes do primeiro sintoma relatado (7%) e quase nenhuma antes do primeiro teste de antígeno de fluxo lateral positivo (2%)”, escreveram os autores do estudo.

O novo estudo, que assume a forma de um rigoroso “estudo de desafio” controlado em vez dos estudos anteriores baseados em modelos que dependiam de entradas subjetivas e suposições dos pesquisadores, contradiz pesquisas anteriores que estabeleceram o tom para grande parte da narrativa predominante. Essas pesquisas iniciais parecem ter inflado a ameaça percebida da transmissão pré-sintomática.

O estudo mais recente, que sugere que a transmissão silenciosa é muito menos significativa, vem em meio a um crescente alarme com o aumento de casos, hospitalizações e mortes por COVID-19 – juntamente com pedidos em alguns círculos para recomeçar restrições.

Por outro lado, muitos estão pedindo que a calma prevaleça ou estão instando a desobediência civil se lockdowns ou outras medidas forem reimpostos.

“Inflado artificialmente”?

Alguns estudos iniciais, como um publicado em agosto de 2020 intitulado “Dinâmica Temporal na Liberação Viral e Transmissibilidade do COVID-19”, sugeriam que pessoas presintomáticas ou assintomáticas respondiam por uma grande proporção de infecções secundárias. Este estudo em particular estimou que 44% dos casos secundários foram infectados durante a fase presintomática, enquanto concluía que “as medidas de controle da doença deveriam ser ajustadas para considerar a transmissão presintomática provavelmente substancial”.

Os autores do estudo admitiram, no entanto, que ele tinha várias limitações, incluindo o potencial “viés de recordação” que poderia tender para um atraso na identificação dos primeiros sintomas.

“O período de incubação teria sido superestimado e, portanto, a proporção de transmissão presintomática artificialmente inflada”, o que significa que o estudo pode ter exagerado a proporção de pessoas que espalham o vírus antes de apresentar sintomas, disseram eles.

Outro estudo de julho de 2020, intitulado “As Implicações da Transmissão Silenciosa para o Controle de Surtos de COVID-19”, foi ainda mais longe, sugerindo que as pessoas eram mais infecciosas durante a fase presintomática e concluindo que a transmissão silenciosa era o “principal fator de surtos de COVID-19 e enfatiza a necessidade de estratégias de mitigação, como o rastreamento de contatos, que detectam e isolam indivíduos infecciosos antes do início dos sintomas.”

Este estudo se baseou em uma série de suposições e modelos, com diferentes taxas de transmissão presintomática, assintomática e sintomática calculadas com base em um modelo matemático complexo de outro estudo.

Os resultados de estudos anteriores, como os citados acima, levaram os funcionários de saúde pública a argumentar que os propagadores silenciosos eram um grande fator na transmissão da COVID-19 e, portanto, a recomendar que todos deveriam usar máscaras. - Referência: Epoch Times
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Suplemento Multivitamínico

Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.