Coletividade Evolutiva , O que significa o G20? "Contrapeso", "Nova Ordem Mundial", "Arquitetura Econômica Global"... , Brasil , Governo , Mundo , Nova ordem mundial ,

O que significa o G20? "Contrapeso", "Nova Ordem Mundial", "Arquitetura Econômica Global"...

Os líderes do G20 também estão tomando medidas para mostrar seu nível de compromisso com as nações em desenvolvimento


O que significa o G20? "Contrapeso", "Nova Ordem Mundial", "Arquitetura Econômica Global"...

Na 18ª cúpula de líderes do G20 em Nova Délhi, na Índia (9 e 10 de setembro), certamente haveria uma exibição de palavras e frases palatáveis, como contrapeso, nova ordem mundial emergente e a nova superpotência mundial, etc. Seria assim, principalmente para mostrar as profundas tensões geopolíticas globais e, em grande medida, a aparente arquitetura econômica global.

Dentro do contexto das mudanças atuais, os líderes têm tentado estabelecer a relação entre o sul global e o norte global. Os líderes do G20 também estão tomando medidas para mostrar seu nível de compromisso com as nações em desenvolvimento e as nações em desenvolvimento estão engatinhando no caminho com aspirações de desenvolvimento. Esses são desafios que o mundo enfrenta, enquanto a questão básica ainda permanece extremamente controversa sobre o padrão de bem-estar da maioria da população mundial.

"O mundo olha para o G20 para aliviar os desafios de crescimento, desenvolvimento, resiliência econômica, resiliência a desastres, estabilidade financeira, crime transnacional, corrupção, terrorismo e segurança alimentar e energética", disse o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, em fevereiro. Índia, atualmente exercendo sua presidência, que se reveza anualmente entre os membros.

Controvérsias à parte, o primeiro-ministro Modi também indicou que o papel da Índia como anfitrião do G20 em setembro de 2023 se concentraria em destacar as preocupações do mundo em desenvolvimento, e propôs ainda que a União Africana (UA) garanta um assento permanente no G20. Com motivos positivos, isso se tornará significativo para a União Africana, que foi criada em maio de 1963 e reúne 54 Estados africanos.

Na verdade, a UA tem um impulso para fazer uma transição histórica notável para o grupo, mas ainda não se sabe o possível impacto e o grau de influência que teria na África. Num primeiro momento, já existe um certo grau de euforia decorrente de um facto fundamental: se as ideias e a voz da União Africana sobre questões globais relacionadas com as queixas de desenvolvimento de África seriam ouvidas, analisadas e tidas em consideração.

No entanto, não faltam discussões sobre a marginalização da África em relação aos processos de desenvolvimento global que, por vezes, são atribuídos à abordagem ocidental e europeia do continente. Os líderes africanos são normalmente desculpados pelos erros primários por falta de boa governação e falta de esforços sistémicos para o seu próprio desenvolvimento. O bem-estar da população é relegado a segundo plano, devido ao egoísmo político, ao autocentrismo e, pior, aos persistentes conflitos étnicos.

Para os líderes africanos, só está na moda sentar-se em cimeiras e conferências de alto nível. O objetivo é mostrar perfis pessoais, representar em prol da representação cerimonial. A África é a África, muitas vezes descrita como um continente rico, mas vista apenas fazendo poucos progressos no sentido de acelerar o desenvolvimento, abordagem de setores críticos repletos de corrupção profunda e má gestão. As oportunidades econômicas são extremamente subutilizadas.

Para muitas nações em desenvolvimento, há pelo menos três áreas essenciais como diretrizes: priorizar as necessidades de desenvolvimento e desenhar medidas para superar os desafios; conectar as soluções transparentes de regulação e governança; e ampliar os esforços em direção ao financiamento sustentável, a fim de alcançar resultados e crescimento. Soluções viáveis também são necessárias a partir de fontes externas, transformando ideias em ações e forjando parcerias transformadoras, especialmente sendo membros de organizações internacionais.

O presidente do Quênia, William Ruto, que presidiu o Comitê de Chefes de Estado sobre Mudanças Climáticas, no início de setembro, por exemplo, argumentou que a África enfrenta desvantagens únicas, desproporcionais e estruturais que podem ajudá-los a alcançar a prosperidade. A África comprometeu-se a avançar rapidamente para desenvolver os instrumentos e instituições necessários.

"Fomos perfilados negativamente, o continente da doença, da guerra e da pobreza, mas estamos a sair para dizer que África é o lar de 60% dos ativos de energia renovável do mundo importantes para fazer o crescimento de desenvolvimento necessário", disse.

Hoje, os líderes africanos gritam mais alto de não interferência em seus assuntos internos, levantam preocupações sobre o neocolonialismo e continuam soluçando com um alto nível de interesse por se juntarem a organizações como os BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China, África do Sul).

Sua visão do mundo de hoje é que a África deve fazer parte da multipolaridade, ao mesmo tempo em que falha em colocar sua casa em uma ordem completa. Os líderes africanos não podem simplesmente ser persuadidos a se envolver na limpeza doméstica controlada internamente. Dentro da África, por exemplo, os blocos regionais pouco têm feito em relação ao desenvolvimento sustentável.

E, no entanto, os líderes globais têm demonstrado um apoio inabalável à África, que a União Africana desempenha um papel mais eficaz na cena internacional. De acordo com fontes autênticas, as autoridades europeias planejam realizar uma série de reuniões paralelas com seus colegas africanos porque "o bloco de 27 nações europeias pretende mostrar que leva a sério a redefinição de sua parceria com a África, apesar do legado conturbado do colonialismo".

Fontes dizem que a UE procura garantir à União Africana a plena adesão ao G20, e não apenas o estatuto de convidado permanente. As partes discutirão o conflito ucraniano e suas consequências para a segurança alimentar global, bem como a reforma da arquitetura financeira global, a melhoria das condições para o investimento privado, a realização de projetos de infraestrutura no continente africano e a situação na região do Sahel.

Durante os últimos meses, os Estados Unidos, a Rússia e a China e muitos outros Estados estrangeiros expressaram apoio à ascensão da União Africana ao G20. Também foi amplamente divulgado que os presidentes russo, Vladimir Putin, e chinês, Xi Jinping, pulariam a cúpula do G20 em Nova Délhi.

Apesar do fato de que Delhi se sente decepcionado com sua ausência, é claro, tem implicações óbvias e interpretações diferentes. O ministro das Relações Exteriores, Sergey Lavrov, e a delegação chinesa chefiada pelo primeiro-ministro do Conselho de Estado, Li Qiang, devem representar a Rússia e a China.

Aconteceu de forma semelhante anteriormente, e isso foi durante os Brics de Joanesburgo, Putin faltou à cúpula presencial devido ao mandado de prisão do Tribunal Penal Internacional (TPI) emitido contra ele. Xi faltou a um evento-chave nos Brics, onde estava programado um discurso. O ministro do Comércio, Wang Wentao, fez o discurso em seu nome.

O Ministério das Relações Exteriores disse que a China, no entanto, espera que a reunião do G20 se concentre nas discussões para a recuperação da economia mundial.

"A pressão descendente sobre a economia mundial está aumentando e as dificuldades do desenvolvimento sustentável global estão aumentando (...) o G20 deve fortalecer as parcerias e trabalhar em conjunto para lidar com os desafios pendentes no campo da economia internacional e do desenvolvimento, de modo a promover a recuperação, o crescimento e o desenvolvimento da economia mundial e dar uma contribuição positiva para o desenvolvimento sustentável global", disse a porta-voz do ministério, Mao Ning.

"A China espera que a Cúpula de Nova Délhi construa consenso sobre isso, transmita confiança ao mundo exterior e promova conjuntamente a prosperidade e o desenvolvimento", acrescentou.

A ausência de Xi não significa que a China não esteja prestando atenção ao G20, que pretende ser uma plataforma para discutir questões econômicas e financeiras internacionais.

Em um relatório do South China Morning Post (SCMP), Zhu Feng, reitor de Estudos Internacionais da Universidade de Nanjing, disse que a escolha de Xi de pular a cúpula do G20 não foi sobre regredir as relações EUA-China, mas sim evidências de que as relações Índia-China estavam sendo prejudicadas. "É normal que Xi tenha optado por não comparecer", disse Zhu, argumentando que os exercícios militares em andamento da Índia em sua fronteira com a China - que continuarão durante a cúpula do G20 - pressionarão a China.

A ausência de Xi na cúpula do G20 pode ser vista como um golpe para a Índia, que presidiu o G20 este ano, já que China e Índia continuam a se chocar em questões fronteiriças. Pequim boicotou um evento de turismo do G20 na região da Caxemira, onde a Índia tem reivindicações territoriais concorrentes com a China e o Paquistão.

E então China e Índia estão lutando tensamente. Ambos também reivindicam posição de superpotência no Pacífico. Que, no entanto, a China agora domina os Brics, o movimento é amplamente interpretado como mais um passo da China para criar sua própria ordem mundial concorrente aos Estados Unidos e seus aliados, na qual lidera um grupo de países em desenvolvimento.

O governo de Modi substituiu o nome Índia por uma palavra sânscrita em convites para jantar enviados aos convidados da cúpula do G20. A Índia tem suas próprias disputas políticas internas, as novas disputas agora são sobre "Índia" versus "Bharat", que ganharam terreno desde que os partidos de oposição anunciaram em julho uma nova aliança - chamada Índia - para destituir Modi e derrotar seu partido antes das eleições nacionais de 2024. A sigla significa Indian National Developmental Inclusive Alliance.

Stephen Collinson argumenta em seu artigo na CNN que "a Índia provavelmente irá apenas até lá, já que seu status histórico de não-alinhado evolui para uma postura de tentar ter um pé em ambos os campos". De acordo com Collinson, Nova Délhi decepcionou o Ocidente ao não condenar com força a invasão da Ucrânia pela Rússia e lucrou com o petróleo russo barato após um boicote de nações aliadas dos EUA. Como uma potência em ascensão que ainda é considerada uma nação em desenvolvimento, a Índia é um dos principais membros dos BRICS e do G20.

Fora isso, o mundo ocidental também é contra a Rússia. Há muitas outras diferenças entre os membros do G20. O maior risco da próxima cimeira é o persistente antagonismo geopolítico e económico acrescido. As nações em desenvolvimento estão profundamente frustradas com a natureza muitas vezes opaca de sua relação com o norte global.

O documento final, se houver, que vier a ser adotado deve necessariamente refletir uma nova abordagem prática em relação ao Sul Global, apesar de ter posições diametralmente opostas entre os membros do G20.

Reduzir a disparidade de desenvolvimento e promover a colaboração para resolver as deficiências existentes nos países em desenvolvimento deve ser priorizado.

O G20 tem que continuar moldando e fortalecendo a arquitetura e a governança globais, já que seus membros representam cerca de 85% do PIB global, mais de 75% do comércio global e cerca de dois terços da população mundial.

Kester Kenn Klomegah, que trabalhou anteriormente com o Inter Press Service (IPS), Weekly Blitz e InDepthNews, agora é um colaborador regular da Global Research. Pesquisa Eurásia, Rússia, África e BRICS. Suas áreas de interesse incluem mudanças geopolíticas, relações exteriores e questões de desenvolvimento econômico relacionadas à África. Como um pesquisador versátil, ele acredita que todos merecem acesso igual a reportagens de mídia de qualidade e confiáveis. - Referência: Global Research

Obtenha o Extrato de Própolis Verde, Vitamina C, D e Zinco para melhor Imunidade e Proteção contra doenças oportunistas - Clique aqui


Siga-nos: | | e | Inscreva-se na nossa | Nos Apoie: Doar
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Fechar Menu
Entre em nosso Telegram

Entre para nosso canal do Telegram

ENTRAR

Nos siga no X (Twitter)

Compartilhamos nossos artigos e outras informações

SEGUIR

Apoie Coletividade Evolutiva - Doação

Apoie nosso projeto com uma contribuição.

DOAR