Coletividade Evolutiva , The Lancet censurou a ciência, enquanto até 74% das mortes foram causadas por vacina-mRNA – Estudo foi removido em 24 horas , Ciência , Coronavírus , Covid-19 , Pandemias , Vacina , Vacinação ,

The Lancet censurou a ciência, enquanto até 74% das mortes foram causadas por vacina-mRNA – Estudo foi removido em 24 horas

Estudo sobre autópsias de vacina contra Covid revela que 74% foram causadas por vacina, deixando claro que é altamente mortal a vacinação mRNA


The Lancet censurou a ciência, enquanto até 74% das mortes foram causadas por vacina – Estudo foi removido em 24 horas

O Dr. Peter McCullough, um dos cardiologistas mais credenciados do mundo, o Dr. Harvey Risch e colegas foram censurados pela anteriormente respeitada revista científica The Lancet: seu artigo, removido em 24 horas, descobriu que 73,9%/, ou seja, praticamente cerca de 74% das mortes após a injeção de mRNA foram diretamente e indiretamente induzida pela injeção - revelando que essa injeção é altamente mortal.

Lembre-se de que o CDC dos Estados Unidos, agências da mídia de massa, agências de saúde, entre outros cheios de conflitos de interesses, ainda não reconheceu uma única morte causada diretamente ou indiretamente pelas vacinas de mRNA da Covid - em vez disso, sempre julgam as mortes como reação rara ou um mal súbito não relacionado a vacina. Evidências de autópsia demonstrando o contrário  e claramente não são o que o sistema de saúde pública quer ouvir.

O Dr. McCullough acredita que a conclusão aterrorizante do estudo foi a principal razão para a remoção do artigo pela The Lancet. A conclusão? 73,9% . Em outras palavras, o estudo das autópsias/ de mortes após vacinas são consistentes com lesão por injeção de mRNA, 74% das mortes foram realmente relacionadas à injeção de mRNA. O cronograma médio para o estudo foi de mortes que ocorreram dentro de duas semanas após a injeção. A injeção foi a causa direta da indução de mortalidade / indução de perda de expectativa de vida.

O estudo da Lancet: como começou


O Dr. McCullough, um dos cardiologistas mais estimados e credenciados do mundo. O coautor Dr. Peter McCullough defendeu o estudo em entrevista ao Epoch Times, dizendo que o projeto foi aprovado pela Escola de Saúde Pública da Universidade de Michigan, e a equipe usou uma metodologia de avaliação científica padrão conhecida como Preferred Reporting Items for Systematic Reviews and Meta-Analyses (Itens de relatório preferidos para revisões sistemáticas e meta-análises
) avaliar estudos para inclusão

Ele acrescentou que, antes da remoção, o estudo estava passando por "centenas de revisões por minuto" e agora está no servidor de pré-impressão do Zenodo e atualmente em revisão em outra revista de alto nível.

Para o estudo, eles vasculharam centenas de artigos, eventualmente restringindo sua busca a 44 artigos contendo 325 autópsias. Cada caso foi revisado por três especialistas, incluindo o ex-presidente do Royal College of Pathology, Dr. Roger Hodkinson. Dois em cada três dos especialistas precisavam concordar que a vacina era a causa direta da morte ou contribuía significativamente para a morte para que o estudo continuasse.

O artigo foi finalizado e, em seguida, avançou para o processo de submissão para publicação. O Dr. McCullough descreve como o New England Journal of Medicine rejeitou o artigo depois de alguns dias, enquanto o Journal of American Medical Association o rejeitou dentro de uma hora. O único raciocínio fornecido pelas revistas foi que o estudo não era prioritário para elas.

A equipe também se submeteu à The Lancet. O Dr. McCullough já havia publicado na The Lancet, então não seria um território novo. Depois de cerca de três dias, a The Lancet concordou em publicar o estudo em seu servidor de pré-impressão.

Da noite para o dia, os downloads do manuscrito completo foram às centenas por minuto. O Dr. McCullough atribui a enorme quantidade de interesse à quantidade de detalhes fornecidos nas tabelas de evidências do estudo sobre as autópsias. A metodologia de busca padrão usada no estudo é um método no qual o Dr. McCullough tem muita experiência.

Métodos: 

Pesquisamos todos os relatórios de autópsia e necropsia publicados relacionados à vacinação contra a COVID-19 até 18 de maio de 2023. Inicialmente identificamos 678 estudos e, após triagem para nossos critérios de inclusão, incluímos 44 artigos que continham 325 casos de autópsia e um caso de necropsia. Três médicos revisaram independentemente todas as mortes e determinaram se a vacinação COVID-19 foi a causa direta ou contribuiu significativamente para a morte.

Resultados: 

O sistema de órgãos mais implicado na morte associada à vacina COVID-19 foi o sistema cardiovascular (53%), seguido pelo sistema hematológico (17%), o sistema respiratório (8%) e sistemas de múltiplos órgãos (7%). Três ou mais sistemas orgânicos foram afetados em 21 casos. O tempo médio entre a vacinação e o óbito foi de 14,3 dias. A maioria das mortes ocorreu dentro de uma semana após a última aplicação da vacina. Um total de 240 mortes (73,9%) foram julgadas independentemente como diretamente devidas ou significativamente contribuídas pela vacinação COVID-19.

Censura médica pela The Lancet – cúmplice da enganação vacina "segura e eficaz"?


Em 24 horas, o estudo foi rápida e misteriosamente removido. Restou apenas uma nota da The Lancet, onde se lê:

"Este preprint foi removido por Preprints com The Lancet porque as conclusões do estudo não são apoiadas pela metodologia do estudo..."

Infelizmente, mas sem surpresa, para o Dr. McCullough, Dr. Risch e os outros autores do estudo, não houve comunicações editoriais de cortesia da The Lancet sobre a censura de seu estudo.

O Dr. McCullough acredita que a conclusão aterrorizante do artigo foi a principal razão para a remoção do artigo pela The Lancet. A conclusão? 73,9% dos casos de mortalidade foram diretamente causados ou contribuíram significativamente pela injeção de mRNA. 

As autópsias confirmaram que as mortes foram induzidas pela lesão/ efeito negativo da injeção de mRNA, 74% das mortes foram realmente relacionadas à injeção de mRNA. O cronograma médio para o estudo foi de mortes que ocorreram dentro de duas semanas após a injeção.

A maior categoria de condições pós-vacina é o dano cardíaco.


A primeira categoria de lesões cardíacas é a miocardite, inflamação cardíaca do músculo. A inflamação faz com que a corrente elétrica não conduza suavemente, causando um ritmo cardíaco e, eventualmente, causando morte súbita cardíaca.

O Dr. McCullough explica que esses ataques ocorrem com mais frequência durante o exercício, quando há uma onda de adrenalina, e entre 3h e 6h, quando também há uma onda de adrenalina durante o processo normal de vigília.

McCullough menciona o jogador de basquete Oscar Cabrera Adames, que foi retirado das competições devido ao diagnóstico de miocardite. Antes de voltar à competição, Adames foi fazer um teste na esteira para ter certeza de que estava pronto para retornar ao esporte. Ele morreu na esteira. (Veja como: Reverter lesões da vacina COVID-19: cúrcuma bloqueia a proteína spike e com bromelina, trata a miocardite, anti-inflamatória e anticancerígena!)

O Dr. McCullough explica que, em suas décadas de experiência como cardiologista, nunca teve um paciente morto em um teste de esteira, já que as pás do desfibrilador estão sempre disponíveis no local no caso improvável de um ataque cardíaco.

A segunda categoria de lesão cardíaca pós-injeção de mRNA é a progressão da doença cardiovascular aterosclerótica. Um resumo publicado em 2021 pela American Heart Association mediu uma variedade de fatores sanguíneos conhecidos por estarem relacionados ao desencadeamento de uma ruptura de placa aterosclerótica nas artérias antes e depois da vacina. O artigo encontrou elevações "astronômicas" desses fatores sanguíneos após a injeção de mRNA.

Entrevista em inglês - não legendado.

Obtenha o Extrato de Própolis Verde, Vitamina C, D e Zinco para melhor Imunidade e Proteção contra doenças oportunistas - Clique aqui


Siga-nos: | | e | Inscreva-se na nossa | Nos Apoie: Doar
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Fechar Menu
Entre em nosso Telegram

Entre para nosso canal do Telegram

ENTRAR

Nos siga no X (Twitter)

Compartilhamos nossos artigos e outras informações

SEGUIR

Apoie Coletividade Evolutiva - Doação

Apoie nosso projeto com uma contribuição.

DOAR