Coletividade Evolutiva , Reduzir risco de depressão e mais numerosos benefícios ao consumir café, comprovados pela ciência , Bem-estar , Ciência , Curas-naturais , Ervas medicinais , Vida saudável ,

Reduzir risco de depressão e mais numerosos benefícios ao consumir café, comprovados pela ciência

Aqui está um breve resumo do que vários estudos descobriram sobre a influência do café e da cafeína na saúde.


Reduzir risco e depressão e mais numerosos benefícios ao consumir café, comprovados pela ciência

O café pode ajudar a aumentar o estado de alerta e o foco. Estudos mostram que beber café também pode fazer maravilhas para sua saúde mental. Na verdade, várias meta-análises sugerem que beber café em quantidades moderadas pode ajudar a reduzir o risco de depressão.

Muitos dos efeitos benéficos do café estão diretamente ligados à cafeína, a substância química de sabor amargo que está naturalmente presente nos grãos de café. Como a cafeína também ocorre em mais de 60 plantas, como folhas de chá, guaraná e cacau, e é adicionada a uma grande variedade de produtos alimentares, as pessoas muitas vezes esquecem o fato de que é realmente uma droga psicoativa.

Consumo de café protege contra depressão


A cafeína é um estimulante natural que afeta o sistema nervoso central, bem como o metabolismo do seu corpo. Além de mantê-lo acordado e aumentar seus níveis de energia, ele também atua como um diurético, o que ajuda seu corpo a se livrar do excesso de sal e água através da urina. Também pode aumentar a liberação de ácido no estômago, o que ajuda a melhorar a digestão e incentiva o movimento intestinal.

Mas uma das atividades biológicas mais estudadas da cafeína é sua influência no humor. Embora muitas vezes usado de forma intercambiável com a palavra "emoção", o humor em estudos científicos refere-se a um "estado afetivo relativamente duradouro", enquanto a emoção tem uma duração mais curta. Este último também normalmente inclui componentes como reações corporais e expressões motoras, que o humor tende a faltar.

De acordo com uma revisão publicada no Journal of Alzheimer's Disease, a cafeína afeta indiretamente o humor por meio de suas propriedades de aprimoramento cognitivo. Em doses baixas, cafeína foi encontrada para melhorar a capacidade de uma pessoa para sentir prazer e reduzir a ansiedade. No entanto, em altas doses, a cafeína pode aumentar a excitação tensa nos consumidores, incluindo ansiedade e nervosismo.

O efeito da cafeína no risco de depressão tem sido um tópico de interesse para muitos pesquisadores. Como cerca de 80% do consumo de cafeína é na forma de café, a maioria dos estudos sobre o risco de depressão envolve essa bebida popular. 

Aqui está um breve resumo do que vários estudos descobriram sobre a influência do café e da cafeína no risco de depressão:

  • Em um estudo prospectivo publicado na revista Archives of Internal Medicine, os pesquisadores acompanharam 50.739 mulheres americanas por 10 anos. As mulheres estavam todas livres de depressão no início do estudo, e seu consumo de cafeína foi medido a partir de questionários preenchidos. Os pesquisadores descobriram que aqueles que consumiram as maiores quantidades de café cafeinado (4 xícaras/dia ou mais) tiveram o menor risco de depressão. Eles também relataram uma tendência decrescente para o risco de depressão com o aumento do consumo de café cafeinado. O café descafeinado não afetou o risco de depressão.
  • Em um estudo publicado no Australian New Zealand Journal of Psychiatry, pesquisadores chineses analisaram a relação entre a ingestão de café e o risco de depressão, bem como a relação entre cafeína e depressão. Eles relataram uma associação linear entre café e depressão, com a análise dose-resposta mostrando uma diminuição de oito por cento no risco de depressão para cada aumento de xícara por dia na ingestão de café. Enquanto isso, uma associação não linear foi encontrada entre cafeína e depressão, com a redução do risco de depressão tornando-se significativa quando o consumo de cafeína é acima de 68 miligramas (mg) por dia, mas abaixo de 509 mg/dia.
  • Em outro estudo prospectivo publicado no Archives of Internal Medicine, os pesquisadores examinaram a relação entre a ingestão de café e cafeína e o risco de morte por suicídio. O suicídio é frequentemente causado por doenças mentais, como depressão, transtorno bipolar ou esquizofrenia. Os pesquisadores conduziram um estudo de acompanhamento de 10 anos em uma coorte em andamento de 86.626 enfermeiras registradas nos EUA e descobriram que, em comparação com não bebedores, o risco de suicídio era menor entre as mulheres que consumiam três ou mais xícaras de café por dia. Os pesquisadores também encontraram uma forte relação inversa entre a ingestão de cafeína de várias fontes e o risco de suicídio.
  • Em um estudo publicado no European Journal of Clinical Nutrition, pesquisadores investigaram a associação entre o consumo de café e a depressão na população coreana. O estudo transversal envolveu 10.177 coreanos com idades entre 20 e 97 anos que participaram do quinto Korean Health and Nutrition Examination Survey. O estudo relatou uma tendência decrescente tanto para depressão autorrelatada quanto para depressão clínica autorrelatada entre coreanos que bebiam uma ou mais xícaras de café por dia, com as razões de chances sendo as mais baixas entre aqueles que bebiam três ou mais xícaras por dia. Esses resultados sugerem que o café tem um efeito protetor e o consumo regular pode reduzir substancialmente o risco de depressão de uma pessoa.
  • Em outro estudo transversal publicado na revista Public Health Nutrition, os pesquisadores examinaram a associação entre café, chá verde e consumo de cafeína e sintomas de depressão em uma população trabalhadora japonesa. O estudo, que envolveu 537 homens e mulheres com idades entre 20 e 68 anos, descobriu que o consumo de chá verde e café estava inversamente associado a sintomas de depressão. Indivíduos que consumiam mais de duas xícaras de café por dia apresentaram menor prevalência de sintomas depressivos do que os não bebedores. Tendência semelhante foi observada para aqueles que bebiam quatro ou mais xícaras de chá verde por dia.
  • Em um estudo de coorte de base populacional publicado na revista Public Health Nutrition, os pesquisadores analisaram a associação entre a ingestão de café, chá e cafeína e o risco de depressão grave em uma amostra de 2.232 homens finlandeses de meia-idade. Em comparação com os não bebedores, os bebedores pesados de café apresentaram menor risco de depressão grave. Por outro lado, o estudo não encontrou associação entre o risco de depressão e o consumo de chá e cafeína de outras fontes.
  • Em um estudo publicado na revista Molecular Nutrition & Food Research, os pesquisadores realizaram uma meta-análise de 12 estudos envolvendo um total de 346.913 indivíduos. Eles descobriram que beber café tem um efeito protetor contra a depressão, reduzindo efetivamente o risco de depressão entre os bebedores regulares de café. O chá, por outro lado, mostrou-se apenas parcialmente protetor, sugerindo que, além da cafeína, alguns outros componentes do café também podem contribuir para seus benefícios para a saúde mental.

Como a cafeína e o café beneficia seu sistema


Apesar de centenas de estudos sobre depressão, os pesquisadores ainda não têm certeza sobre a causa exata da depressão. Das muitas teorias propostas ao longo dos anos, as mais comumente apontadas são genética, desequilíbrio de neurotransmissores, trauma emocional e inflamação cerebral. Embora a cafeína não afete todas essas causas prováveis, acredita-se para ajudar com a depressão, alterando a atividade de dois neurotransmissores importantes, a saber, serotonina e dopamina.


  • 1. Aumenta a memória
  • 2. Rico em antioxidantes
  • 3. Reduz o risco de doenças cardiovasculares
  • 4. Previne o declínio cognitivo na doença de Alzheimer
  • 5. Tem propriedades anticancerígenas
  • 6. Ajuda a prevenir diabetes tipo II
  • 7. O café é saudável para o fígado
  • 8. Pode prevenir a depressão
  • 9. O café ajuda a combater a gota
  • 10. Melhora o desempenho do exercício

De acordo com estudos, a cafeína pode aumentar os níveis cerebrais de serotonina, o neurotransmissor que ajuda a regular o humor. Muitas vezes apelidado de "sentir-se bem" química, baixos níveis de serotonina têm sido associados à depressão. 

Cafeína também foi encontrada para aumentar a disponibilidade de receptores de dopamina no cérebro. A dopamina é uma substância química que faz você sentir prazer, então ter mais receptores disponíveis para dopamina pode ajudar a elevar seu humor.

Estudos recentes sugerem que a inflamação cerebral pode desempenhar um papel no desenvolvimento da depressão. De fato, estudos de ressonância magnética funcional descobriram que marcadores inflamatórios podem causar padrões de ativação aberrantes e alterar a conectividade funcional em circuitos neurais envolvidos na regulação emocional no cérebro de pessoas com depressão.

Beber café pode ajudar com a depressão porque contém muitos compostos bioativos com propriedades anti-inflamatórias conhecidas. Estes incluem ácido clorogênico, ácido ferúlico, ácido cafeico, trigonelina, ácido quinolínico e pirogalol, entre muitos outros. 

O café é um impulsionador de humor confiável que pode ajudar a reduzir o risco de depressão quando consumido em quantidades moderadas. Observe que a ingestão excessiva de cafeína pode causar efeitos colaterais desagradáveis, portanto, limite sua ingestão diária a não mais do que 400 miligramas ou cerca de quatro xícaras de café preparado.

Referência em:Superfoods.news.

Obtenha o Extrato de Própolis Verde, Vitamina C, D e Zinco para melhor Imunidade e Proteção contra doenças oportunistas - Clique aqui


Siga-nos: | | e | Inscreva-se na nossa | Nos Apoie: Doar
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Fechar Menu
Entre em nosso Telegram

Entre para nosso canal do Telegram

ENTRAR

Nos siga no X (Twitter)

Compartilhamos nossos artigos e outras informações

SEGUIR

Apoie Coletividade Evolutiva - Doação

Apoie nosso projeto com uma contribuição.

DOAR