Coletividade Evolutiva , Mais eficaz que vacinas: ivermectina causou redução de 74% no excesso de mortes no Peru, revela novo estudo , Coronavírus , Covid-19 , Ivermectina , saúde , Saúde e medicina ,

Mais eficaz que vacinas: ivermectina causou redução de 74% no excesso de mortes no Peru, revela novo estudo

Evidências da eficácia da ivermectina e sua capacidade de reduzir mortes excedentes, revelando mais uma vez superior a vacinações - segura e eficaz.




De acordo com um novo estudo ecológico revisado por pares, um experimento natural ocorreu quando o governo do Peru autorizou o uso de ivermectina durante a pandemia de COVID-19, resultando em evidências da eficácia do medicamento e sua capacidade de reduzir mortes excedentes, revelando mais uma vez superior a vacinações - segura e eficaz.

Os resultados do estudo, publicados em 8 de agosto na revista Cureus, constataram uma redução de 74% nas mortes excedentes em 10 estados com o uso mais intensivo de ivermectina ao longo de um período de 30 dias após o pico de mortes durante a pandemia. Ao analisar os dados em 25 estados do Peru, os pesquisadores encontraram essas reduções nas mortes excedentes correlacionadas de perto com o uso de ivermectina durante quatro meses em 2020.

Quando a ivermectina estava disponível sem restrições, houve uma redução de catorze vezes nas mortes excedentes em todo o país. Uma vez que o acesso à ivermectina foi restrito pelo governo, foi observado um aumento de treze vezes nas mortes excedentes nos dois meses seguintes à limitação de seu uso. Os achados estão em linha com dados resumidos da Organização Mundial da Saúde para o mesmo período de tempo no Peru.

A ivermectina é um tratamento amplamente conhecido e barato contra doenças parasitárias. Cientistas acreditam que o medicamento também pode se ligar à proteína spike do vírus SARS-CoV-2, limitando sua morbidade e infectividade.

Peru promoveu e depois restringiu o acesso à ivermectina


Antes de implementar mandatos de vacinação contra a COVID-19, o Peru confiava em estratégias de mitigação, como lockdowns e terapêuticas, para controlar o vírus SARS-CoV-2, que causa a COVID-19, assim como fizeram muitas outras nações.

O Ministério da Saúde do Peru, em 8 de maio de 2020, aprovou amplamente o uso da ivermectina, o que levou 25 estados do Peru a implementar tratamentos com ivermectina para pacientes internados e ambulatoriais, em diferentes extensões e em diferentes momentos. Além disso, por meio da Mega-Operación Tayta (MOT), um programa nacional liderado pelo Ministério da Defesa, o governo do Peru começou a distribuir ivermectina em grande escala.

Por meio de uma parceria com outras 11 agências governamentais, a MOT tinha como objetivo alcançar todas as regiões-alvo com equipes de resposta rápida para detectar casos de COVID-19, administrar ivermectina e fornecer alimentos para incentivar as pessoas a se isolarem por 15 dias. Pouco depois, a MOT começou a distribuir o tratamento para todos os identificados como de alto risco, independentemente de terem testado positivo ou apresentarem sintomas de COVID-19.

O governo peruano rastreou independentemente as mortes diárias por COVID-19 e as mortes por todas as causas por meio de várias bases de dados nacionais de saúde peruana, permitindo que os pesquisadores calculassem as mortes em excesso. Além disso, eles acompanharam extensivamente os dados de mortes e outros parâmetros de saúde pública, permitindo a análise da eficácia potencial de intervenções como a ivermectina durante a pandemia.

Quando o presidente Francisco Sagasti assumiu o cargo em 17 de novembro de 2020, o governo interrompeu a distribuição da ivermectina e tornou o medicamento disponível apenas com receita médica. Isso tornou a obtenção do medicamento significativamente mais difícil para as pessoas e permitiu que os pesquisadores observassem mudanças nacionais nas mortes diárias por todas as causas antes e depois das restrições entrarem em vigor.

Impacto da ivermectina sobre as mortes excedentes


Foram calculadas as mortes excedentes por todas as causas a partir do total de óbitos registrados de janeiro a fevereiro de 2020. Durante esse período, as mortes mensais por todas as causas flutuaram com um valor médio de 5,2% e um desvio padrão de 3,8%. Até maio de 2020, o total de mortes flutuou mais que o dobro do valor basal calculado entre janeiro e fevereiro.

Uma análise das mortes excedentes por todas as causas foi realizada estado por estado para pessoas com 60 anos ou mais, para estabelecer a data de pico das mortes excedentes durante a primeira onda da pandemia. Foi acompanhada a redução nas mortes excedentes a partir da data de pico de mortes até 30 e 45 dias depois. Os 25 estados foram então agrupados de acordo com a extensão da distribuição de ivermectina: distribuição máxima, ocorrendo através da operação MOT, média e mínima.

Os resultados mostraram que os 10 estados com a operação MOT tiveram uma forte redução nas mortes excedentes após atingirem valores de pico, com uma queda de 74% aos 30 dias e uma queda de 86% aos 45 dias após a data de pico de mortes. Para os 14 estados que administraram localmente a ivermectina, as mortes excedentes caíram 53% aos 30 dias e 70% aos 45 dias.

Em Lima, onde os tratamentos com ivermectina foram adiados até agosto, quatro meses após o aumento inicial da pandemia em abril, as mortes excedentes caíram apenas 25% aos 30 dias e 25% aos 45 dias após o pico de mortes em 30 de maio.

De acordo com o estudo, as reduções médias nas mortes excedentes 30 dias após o pico de mortes foram de 74%, 53% e 25%, respectivamente, para os estados de distribuição máxima, média e mínima de ivermectina. Quarenta e cinco dias após o pico de mortes, as reduções médias foram de 86%, 70% e 25%.

Os pesquisadores observaram que a distribuição de ivermectina pode ter gerado esses números positivos devido à capacidade do medicamento tanto para prevenir quanto para tratar a COVID-19 quando distribuído em maior escala para uma população em risco.

Resultados semelhantes observados em Uttar Pradesh, Índia


Os pesquisadores também observaram resultados semelhantes com a distribuição de ivermectina em Uttar Pradesh, na Índia, onde equipes do governo percorreram 97.941 aldeias como parte de um programa de gestão da COVID-19 para distribuir kits de medicação domiciliar que continham ivermectina, doxiciclina, zinco, vitaminas C e D3, e comprimidos de acetaminofeno.

Após a distribuição em massa de ivermectina, a média móvel de sete dias das mortes por COVID-19 em Uttar Pradesh diminuiu em 97%. O total acumulado de mortes por COVID-19 por milhão de habitantes de 7 de julho de 2021 a 1º de abril de 2023 foi de 4,3 em Uttar Pradesh, em comparação com 70,4 em toda a Índia e 1.596,3 nos Estados Unidos, de acordo com o estudo.

Embora o Peru tenha dados mais abrangentes, os dados de Uttar Pradesh sugerem que o uso de ivermectina pode prevenir e potencialmente tratar a COVID-19.

“Esses resultados encorajadores dos tratamentos com IVM [ivermectina] no Peru e indicações positivas semelhantes em Uttar Pradesh, Índia, que possuem populações de 33 milhões e 229 milhões, respectivamente, oferecem modelos promissores para implantações em massa adicionais de IVM, conforme as necessidades possam surgir, tanto para o tratamento quanto para a prevenção da COVID-19”, concluíram os pesquisadores.

Os autores consideraram fatores que poderiam influenciar seus resultados, como os efeitos de um mandato de isolamento social imposto em maio de 2020, a variação genética do vírus SARS-CoV-2, diferenças nas taxas de soropositividade e densidades populacionais nos 25 estados. Ainda assim, os pesquisadores afirmaram que a extensão e confiabilidade dos dados mostraram que outros fatores não influenciaram significativamente os resultados do estudo.  Referência: Epoch Times

Obtenha o Extrato de Própolis Verde, Vitamina C, D e Zinco para melhor Imunidade e Proteção contra doenças oportunistas - Clique aqui


Siga-nos: | | e | Inscreva-se na nossa | Nos Apoie: Doar
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Fechar Menu
Entre em nosso Telegram

Entre para nosso canal do Telegram

ENTRAR

Nos siga no X (Twitter)

Compartilhamos nossos artigos e outras informações

SEGUIR

Apoie Coletividade Evolutiva - Doação

Apoie nosso projeto com uma contribuição.

DOAR