Coletividade Evolutiva , Prêmio Nobel denuncia o ecofacismo: Não acredito que haja crise climática , Meio ambiente ,

Prêmio Nobel denuncia o ecofacismo: Não acredito que haja crise climática

Um físico ganhador do Prêmio Nobel criticou as previsões climáticas alarmistas e disse que não acredita que haja uma crise climática.


Prêmio Nobel denuncia o ecofacismo: Não acredito que haja crise climática

(Um físico ganhador do Prêmio Nobel criticou as previsões climáticas alarmistas e disse que não acredita que haja uma crise climática. 
Em seu discurso dirigido a jovens cientistas e estudantes coreanos, o Dr. John Clauser disse que "a desinformação está sendo espalhada por aqueles com motivos políticos e oportunistas". O Dr. John Clauser disse: "Não acredito que haja uma crise climática", informou o Coalizão CO2.

Clauser acrescentou que "processos-chave são exagerados e incompreendidos por aproximadamente 200 vezes" e acusou o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) de espalhar desinformação.

"Mesmo chatbots como o ChatGPT podem ser melhores em mentir do que humanos", disse ele, acrescentando que "distinguir a verdade da falsidade é uma tarefa desafiadora para humanos e computadores".

"Em uma era de rápido avanço na tecnologia de IA, o papel dos cientistas como juízes é necessário", disse ele, pedindo aos cientistas que cumpram seu papel verificando informações e educando o público sobre elas.

Clauser ganhou o Prêmio Nobel de Física em 2022, ao lado de outros dois cientistas, por seu trabalho no campo da mecânica quântica. Em maio de 2023, o renomado físico passou a integrar o conselho de administração da CO2 Coalition, organização científica que destaca os benefícios do CO2 para o meio ambiente e critica modelos climáticos alarmistas.

O Dr. William Happer, presidente do conselho de diretores da Coalizão CO2, disse que os "estudos de Clauser sobre a ciência do clima fornecem fortes evidências de que não há crise climática e que o aumento das concentrações de CO2 beneficiará o mundo".

Comentando o alarmismo climático, Clauser disse que "a narrativa popular sobre as mudanças climáticas reflete uma perigosa corrupção da ciência que ameaça a economia mundial e o bem-estar de bilhões de pessoas".

"A ciência climática equivocada metástase em uma pseudociência jornalística de choque maciça", continuou. "Por sua vez, a pseudociência tornou-se um bode expiatório para uma ampla variedade de outros males não relacionados. Ela foi promovida e ampliada por agentes de marketing empresarial igualmente equivocados, políticos, jornalistas, agências governamentais e ambientalistas. Na minha opinião, não há uma crise climática real."

"Há, no entanto, um problema muito real em fornecer um padrão de vida decente à grande população mundial e uma crise energética associada. Este último está sendo desnecessariamente exacerbado pelo que, na minha opinião, é uma ciência climática incorreta."

O renomado físico criticou as políticas climáticas do presidente Joe Biden e o fato de o Prêmio Nobel de 2021 ter sido concedido por trabalhos feitos em modelos computacionais que preveem as mudanças climáticas. Clauser criticou os modelos defeituosos usados pelo IPCC e outros que, segundo ele, ignoram fatores importantes.

Clauser desenvolveu modelos climáticos que enfatizam o impacto das nuvens cumulus refletindo a luz solar, que cobrem cerca de metade da Terra em média. Essas nuvens refletem cerca de 90% da luz solar de volta ao espaço. A luz solar que chega à terra em áreas sem nuvens evapora a água do mar que, por sua vez, produz nuvens cumulus.

"Ele produz nuvens em uma taxa cada vez mais abundante quando a fração de cobertura de nuvens é muito pequena e a temperatura é muito alta e vice-versa quando a fração é muito grande", de acordo com a Coalizão CO2.

Essas nuvens, portanto, atuam como "um termostato de entrada muito poderoso" que estabiliza a temperatura da superfície da Terra. (Veja também: Mudanças climáticas são baseadas em narrativas falsas, diz ex-fundador do Greempeace, Patrick Moore)

As mudanças de temperatura causadas pelos níveis de dióxido de carbono na atmosfera são "quase duas ordens de magnitude menores" do que o impacto das nuvens cumulus, tornando-o insignificante em comparação, argumenta Clauser.

"Deve-se notar que os relatórios do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas e da Academia Nacional de Ciências admitem repetidamente que os efeitos das nuvens realmente representam a maior incerteza em suas previsões climáticas", escreve a Coalizão CO2. "Mas essas organizações fizeram pouco progresso em lidar com essas deficiências."

Referência: Life Site News

Obtenha o Extrato de Própolis Verde, Vitamina C, D e Zinco para melhor Imunidade e Proteção contra doenças oportunistas - Clique aqui


Siga-nos: | | e | Inscreva-se na nossa | Nos Apoie: Doar
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Fechar Menu
Entre em nosso Telegram

Entre para nosso canal do Telegram

ENTRAR

Nos siga no X (Twitter)

Compartilhamos nossos artigos e outras informações

SEGUIR

Apoie Coletividade Evolutiva - Doação

Apoie nosso projeto com uma contribuição.

DOAR