Coletividade Evolutiva , Cúpula do BRICS 2023: A busca por uma nova ordem mundial , Brasil , Mundo ,

Cúpula do BRICS 2023: A busca por uma nova ordem mundial

Os Brics ultrapassaram a contribuição do G7 para o PIB global, com o grupo respondendo por quase um terço da atividade econômica mundial.


Cúpula do BRICS 2023: A busca por uma nova ordem mundial

Os BRICS emergiram como uma poderosa aliança de economias de mercados emergentes ao longo do século 21. Composto por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, como a sigla alude, o grupo tem se tornado cada vez mais o grupo que sustenta a economia global.

Apenas neste ano, os Brics ultrapassaram a contribuição do G7 para o PIB global, com o grupo respondendo por quase um terço da atividade econômica mundial. Em meio à crescente estagnação econômica no Ocidente, os Brics chegaram a lançar a ideia de sua própria moeda de reserva global, buscando quebrar o estrangulamento que o dólar americano tem tido desde o colapso de Bretton Woods em 1971.

No entanto, os diversos sistemas econômicos e políticos dos Brics, bem como as crescentes tensões geopolíticas com a Rússia e a China, ameaçaram o progresso do grupo. À medida que cresce o debate em torno de se Putin participará mesmo da próxima conferência na África do Sul, muitos se perguntam se o projeto está ficando sem fôlego ou apenas começando.

O que os BRICS almejam alcançar?


Um dos objetivos dos BRICS é usar a cooperação para remodelar a arquitetura política e econômica global para beneficiá-los. O Fórum Parlamentar do BRICS e o Diálogo de Extensão servem como vias para consultas e engajamento com vizinhos regionais e outros países interessados. Por exemplo, a África do Sul utiliza a plataforma BRICS para perseguir suas prioridades de política externa, como a Agenda Africana e a Cooperação Sul-Sul.

As relações econômicas entre os membros foram formalizadas pela criação do Conselho Empresarial do BRICS, do Acordo de Reservas Contingentes e do Novo Banco de Desenvolvimento (NDB). O NDB, com sede em Xangai, desempenha um papel significativo na mobilização de recursos para projetos de infraestrutura e desenvolvimento sustentável dentro dos países do BRICS. O CRA fornece apoio de liquidez de curto prazo aos países membros, reforçando a estabilidade financeira e atenuando as crises da balança de pagamentos.

Quais desafios os BRICS enfrentam?


A instabilidade política e econômica interna, o desacordo sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU e as disputas territoriais entre Índia e China representam obstáculos para a cooperação e o crescimento contínuos dos BRICS. Além disso, fatores exógenos como o declínio do investimento estrangeiro e a desaceleração econômica na China prejudicaram seu desenvolvimento.

Há muitos que acham que alguns desses desafios representam um diagnóstico terminal para a prosperidade do grupo. Os deputados esperam que a reunião deste ano prove que os duvidosos estão errados.

Na foto: O presidente Cyril Ramaphosa, como presidente do BRICS para 2023, receberá os líderes do BRICS na 15ª Cúpula do BRICS no Centro de Convenções de Sandton (SCC), em Joanesburgo, Gauteng, de 22 a 24 de agosto de 2023. Crédito da foto: BRICS/Facebook.


O que esperar da Cúpula dos BRICS 2023


Espera-se que a agenda da Cúpula do BRICS 2023 abranja a facilitação do comércio e do investimento, o desenvolvimento sustentável, a inovação e a reforma da governança global. No entanto, um dos pontos-chave nesta 15ª cúpula do Brics será a discussão da polêmica proposta dos Brics de uma nova moeda lastreada em ouro.

Essa política reflete o desejo dos Brics de reduzir a dependência do dólar americano, embora muitos questionem as motivações por trás dela. Alguns sugerem que a medida visa cimentar o lugar dos Brics à frente da economia global, enquanto outros acham que ela é projetada como uma medida reativa aos problemas econômicos dentro do grupo. De qualquer forma, é provável que uma fraqueza percebida dos EUA tanto econômica quanto diplomaticamente tenha contribuído para o momento do anúncio.

O ímpeto de desdolarização vem crescendo, com Rússia, China e Brasil usando cada vez mais moedas não em dólar em transações transfronteiriças. A invasão russa da Ucrânia e as subsequentes sanções ocidentais motivaram ainda mais esses esforços. Os países do BRICS também exploraram a possibilidade de uma criptomoeda do BRICS e o alinhamento estratégico das moedas digitais do Banco Central para a interoperabilidade cambial e integração econômica.

Uma nova moeda dos BRICS exigiria ampla negociação e o estabelecimento de mecanismos de taxas de câmbio, sistemas de pagamentos e regulação do mercado financeiro. No entanto, o foco do grupo pode ser inicialmente o desenvolvimento de um sistema de pagamento integrado eficiente para transações transfronteiras antes de introduzir uma nova moeda.
Putin participará da cúpula sul-africana do Brics em meio a preocupações com a guerra na Ucrânia?

A presença do presidente russo, Vladimir Putin, na próxima cúpula dos Brics na África do Sul permanece incerta devido ao mandado do Tribunal Penal Internacional (TPI) para sua prisão sob acusação de crimes de guerra na Ucrânia. A acusação do TPI, emitida em resposta às ações da Rússia na Ucrânia, levantou questões sobre a possível prisão de Putin se ele participasse da cúpula. A África do Sul, como parte do TPI, teoricamente seria obrigada a prender Putin e enviá-lo a Haia para julgamento. Atualmente, não está claro se eles honrariam esse compromisso.

Brasil e problemas econômicos na China


Essas circunstâncias em torno da presença de Putin lançaram uma sombra sobre a cúpula dos Brics e têm implicações para a unidade e cooperação do grupo. Combine isso com problemas políticos internos no Brasil e problemas econômicos na China, e vemos por que a cúpula deste ano é tão importante. Acerte e os Estados-Membros podem assumir o controlo fiscal e político do seu futuro. Errar, a organização pode entrar em colapso em si mesma.
Lançando Luz sobre os Desafios e Oportunidades da Cúpula do BRICS 2023

O resultado da cúpula da África do Sul será acompanhado de perto, pois moldará a trajetória futura da aliança e seu papel na abordagem dos desafios geopolíticos. Resta saber como os países do Brics navegarão pelas complexidades da guerra da Ucrânia e manterão a unidade dentro do grupo.

Embora existam desafios, a próxima cúpula na África do Sul fornece uma plataforma importante para abordar essas questões, fortalecer a cooperação e moldar a direção futura do grupo. As discussões dos países do Brics sobre uma moeda conjunta refletem suas aspirações de diversificar longe do domínio do dólar americano, mesmo que as motivações por trás disso não sejam claras. Embora uma nova moeda enfrente obstáculos, ela simboliza o compromisso do grupo em ser o futuro da economia mundial. A aliança BRICS tem o potencial de desempenhar um papel fundamental na formação de uma nova ordem econômica global por meio de seus esforços colaborativos e visão compartilhada. O tempo dirá se essa visão se traduzirá ou não em realidade.

ATUALIZAÇÃO – 19 de julho – O presidente russo, Vladimir Putin, não participará da Cúpula dos BRICS 2023


O Presidente russo, Vladimir Putin, não estará presente na próxima cimeira na África do Sul, como anunciou a presidência sul-africana.

Esta decisão surgiu depois de o líder da África do Sul ter declarado que qualquer tentativa de prender Putin seria considerada um ato de guerra contra a Rússia. Se Putin tivesse deixado a Rússia, estaria sujeito a um mandado de prisão do Tribunal Penal Internacional (TPI), já que a África do Sul é signatária do TPI e deve cooperar.

No entanto, a ausência de Putin foi descrita como um acordo mútuo após consultas entre os dois países. Em vez de participar pessoalmente, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, representará o país na cúpula.

Putin ainda participará da Cúpula dos Brics 2023 por meio de um link de vídeo. O convite a Putin gerou polêmica nacional e internacional, dadas as acusações de crimes de guerra na Ucrânia e preocupações com a posição da África do Sul no conflito Rússia-Ucrânia.

Vários grupos, incluindo a Aliança Democrática e a Anistia Internacional, pressionaram pela prisão de Putin se ele visitasse o país. O presidente Cyril Ramaphosa se opôs a tal medida, citando preocupações de segurança nacional e o aviso da Rússia de que prender seu presidente seria considerado uma declaração de guerra.

A Rússia sempre rejeitou o mandado de prisão do TPI, afirmando que não é membro da organização. A África continua dividida sobre o conflito Rússia-Ucrânia, com algumas nações hesitantes em apoiar as resoluções da ONU condenando as ações da Rússia devido aos laços econômicos com Moscou. - Originalmente em: Impakter.com

Obtenha o Extrato de Própolis Verde, Vitamina C, D e Zinco para melhor Imunidade e Proteção contra doenças oportunistas - Clique aqui


Siga-nos: | | e | Inscreva-se na nossa | Nos Apoie: Doar
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Fechar Menu
Entre em nosso Telegram

Entre para nosso canal do Telegram

ENTRAR

Nos siga no X (Twitter)

Compartilhamos nossos artigos e outras informações

SEGUIR

Apoie Coletividade Evolutiva - Doação

Apoie nosso projeto com uma contribuição.

DOAR