A caminho de um grande golpe: ONU quer impor identificação digital vinculada a conta bancária

ONU quer introdução de IDs digitais com as quais a população global possa ser controlada e escravizada.


A caminho de um grande reset: ONU quer impor identificação digital vinculada a conta bancária

A liderança da Organização das Nações Unidas (ONU) parece estar aparentemente repleta de discípulos do Fórum Econômico Mundial (WEF). O secretário-geral da ONU, António Guterres, pede agora a introdução de uma identificação digital que será vinculada a contas bancárias pessoais. As primeiras decisões devem ser tomadas já no ano que vem.

Sabe-se há algum tempo que o globalista Fórum Econômico Mundial (WEF), sob a liderança de Klaus Schwab, está pedindo a introdução de IDs digitais com as quais a população global possa ser controlada e escravizada. Agora, a liderança da ONU está abertamente ao lado dessa organização, cujos representantes democraticamente ilegítimos estão lutando por uma nova ordem mundial distópica.

Num plano semelhante aos planos do WEF (vejam-se, por exemplo, os do Canadá, cuja liderança é intercalada com os discípulos de Schwab), o secretário-geral da ONU fala de uma "visão para o futuro". (Eurodeputados já alertaram para esse golpe globalista: Identidades digitais: eurodeputada adverte contra a “Chinaficação da Europa
)

Para você ou sua família receber o pão de cada dia, você tem que obedecer e aceitar as instruções dos Mestres que dirigem o show. Se a ONU declarar uma "Emergência Planetária", isso terá graves consequências para nossas liberdades (como experimentamos durante a pandemia) e, agora, possivelmente, confiscar ativos, propriedades privadas e muito mais.

De acordo com o documento publicado intitulado "A nossa agenda comum", o objetivo é que esta "visão" receba luz verde já em setembro de 2024, durante a "Cimeira para o Futuro". Um primeiro passo para os globalistas tomar o controle total, a fim de cortar pela raiz até mesmo os últimos estímulos de resistência a esses planos.

Entre outras coisas, o documento afirma: "As IDs digitais vinculadas a contas bancárias ou móveis podem melhorar a entrega de benefícios de proteção social e servir para alcançar melhor os beneficiários elegíveis". E continuou: "As tecnologias digitais podem ajudar a reduzir o desperdício, os erros e os custos na conceção de programas de proteção social".

Este é um eufemismo muito eufemístico para medidas de controle abrangentes que também podem ser usadas para secar financeiramente adversários políticos com o apertar de um botão.

Uma parte vital da agenda também é a conectividade digital e o estabelecimento de um Pacto Digital Global. Este pode ser descrito como um órgão cibernético, consistindo em uma rede digitalmente conectada de pessoas, entidades, dispositivos e coisas, que facilmente pode ser dirigida por aqueles que executam o sistema.

A organização globalista – semelhante ao WEF – usa frases como "cooperação internacional" e "muitas partes interessadas" que promoverão "princípios, metas e ações" para descrever essa agenda distópica. 

A ONU descreve este objetivo como "um futuro digital aberto, livre, seguro e centrado no ser humano". No entanto, o futuro digital, como imaginado por esses grupos, será exatamente o oposto de aberto, livre ou centrado no ser humano. O que está sendo levantado, na verdade, é um poder centralizado nas mãos da elite oligarca - as tecnologias digitais estão acelerando a concentração do poder econômico em um grupo cada vez menor de elites e empresas.

Tudo servirá apenas às "elites" globalistas e restringirá maciçamente a liberdade das pessoas. Porque a administração – como tantas vezes acontece com esses organismos internacionais – ficará com alguns burocratas sem legitimidade democrática. E é absolutamente impossível esperar que essas pessoas tenham em mente os melhores interesses da humanidade.

Referência: Report24
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Suplemento Multivitamínico



Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.