OMS quer nova "simulação pandêmica" para garantir que o controle global seja eficaz

A Organização Mundial da Saúde (OMS) pediu uma nova "simulação de pandemia" global para que se possa garantir que os mecanismos de controle


OMS quer outra "simulação pandêmica" para garantir que o controle global seja eficaz

A Organização Mundial da Saúde (OMS) pediu uma nova "simulação de pandemia" global para que se possa garantir que os mecanismos de controle totalitários embutidos em seu acordo pandêmico sejam eficazes contra a classe escrava. Isso cheira uma semelhança com a simulação do Evento 201 que ocorreu em 18 de outubro de 2019, estranhamente não muito antes de a COVID-19 se tornar uma pandemia.

De acordo com um relatório da ZeroHedge, 194 nações continuam trabalhando por meio de acordos contra futuras pandemias que concederiam mais autoridade à Organização Mundial da Saúde (OMS), o GPMB (Global Preparedness Monitoring Board / Conselho de Monitoramento de Preparação Global), órgão convocado pela OMS. Esses mestres autodeclarados pediram que uma simulação mundial da pandemia seja realizada até o final deste ano para testar a eficácia dos novos termos antes que os países-membros os assinem em 2024.

"Sentimos muito fortemente que não podemos esperar pela próxima emergência para saber como funcionará o acordo da pandemia e as emendas do RSI; precisamos saber agora", afirmou Joy Phumaphi, copresidente do GPMB, em 22 de maio. "Sugerimos, portanto, que os Estados-membros, juntamente com outras partes interessadas, realizem um exercício de simulação com base no projeto de acordo e nos projetos de emendas ao RSI ainda este ano, antes de serem finalizados e adotados."

"Um exercício de simulação prévio e um monitoramento e prestação de contas robustos após sua adoção são duas maneiras de garantir que esses importantes instrumentos cumpram seu potencial e que estejamos prontos para a próxima pandemia", diz o texto.

Isso é muito parecido com a simulação do coronavírus do Evento 201 que os governantes fizeram antes de afirmar que a COVID-19 era uma "pandemia".


A Universidade Johns Hopkins, juntamente com a Fundação Bill e Melinda Gates e o Fórum Econômico Mundial (WEF) sediaram o Evento 201, um exercício pandêmico de alto nível em 18 de outubro de 2019, em Nova York, NY. O exercício ilustrou áreas em que as parcerias público-privadas serão necessárias durante a resposta a uma pandemia grave para diminuir as consequências econômicas e sociais em grande escala. 

Este é um exemplo de corporativismo, onde a classe dominante é tanto o governo quanto as corporações. Considerando que os próprios governos do mundo são uma corporação, isso não deve surpreender ninguém. O objetivo é o controle total e o poder sobre a humanidade.

"A trajetória é sobre centralizar o poder sobre emergências de saúde", disse David Bell, médico de saúde pública e ex-funcionário da OMS especializado em política epidêmica, ao Epoch Times. "Vai centralizar a autoridade dentro da OMS, particularmente no diretor-geral, e vai ampliar o escopo para o que eles chamam de One Health (Uma Só Saúde)"

As consequências econômicas e sociais de "grande escala" eram que os escravos voluntariamente entregavam o poder a seus senhores e obedeciam a ordens por medo de pegar um resfriado. Eles destruíram seus meios de subsistência e provaram como é fácil controlar os humanos em massa.

Uma simulação anterior, chamada Clade X, que foi feita pelo Johns Hopkins Center for Health Security, viu "especialistas" e governantes se reunirem em Washington D.C. para tentar simular a prevenção de uma pandemia. Os governantes discutiram papéis no governo em relação ao Clade X, um vírus com potencial para matar 900 milhões de pessoas. 
Outra simulação pode nos dar uma ideia do que esse globalistas perversos pretendem fazer com a humanidade no futuro.
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Uma pequena pausa antes de continuar


Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.