Golpe global da OMS: Robert F. Kennedy Jr. lança campanha contra a iminente tomada de poder da OMS

OMS e o Regulamento Sanitário Internacional (RSI) e do Tratado Pandêmico relacionado, para assumir o poder e o domínio em todas as questões de saúde


Regulamento Sanitário Internacional (RSI) e do Tratado Pandêmico intimamente relacionado,

Robert F. Kennedy Jr., presidente e fundador da Children's Health Defense (CHD), instou o público a assinar uma petição contra a iminente tomada de poder da Organização Mundial da Saúde (OMS) por meio da alteração do Regulamento Sanitário Internacional (RSI) e do Tratado Pandêmico intimamente relacionado, que visa assumir o poder e o domínio em todas as questões de saúde além da soberania de seus 194 Estados-membros

Apesar das falhas catastróficas de saúde pública durante a chamada pandemia de coronavírus de Wuhan (COVID-19), a OMS tem negociado as novas regras para lidar com pandemias com uma data-alvo de maio de 2024 para um acordo juridicamente vinculativo a ser adotado pelos países membros da Organização das Nações Unidas (ONU). 

O novo pacto é uma prioridade para o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, que o chamou de "compromisso geracional de que não voltaremos ao antigo ciclo de pânico e negligência". A agência está considerando 300 emendas ao RSI 2005. A OMS, teria o poder de revogar toda a soberania do país, dando a ela o total poder para implementar medidas draconianas em pretexto de pandemia ou surto de uma epidemia. Poderia implementar passaporte vacinal, vacinas obrigatórias e muito mais.

A OMS pretende implementar mudanças no RSI por meio de negociações confidenciais do "Grupo de Trabalho sobre Emendas ao Regulamento Sanitário Internacional", em grande parte anônimo. As mudanças no RSI concederiam a Ghebreyesus a autoridade para controlar quais contramedidas o mundo poderia utilizar durante uma pandemia.

"Entre as mudanças propostas estão a transferência de poderes de emergência de saúde pública de nossos líderes eleitos para a OMS, bem como a autoridade para declarar emergência à vontade e a remoção de proteções de direitos humanos que sempre foram incluídas no RSI. Dar à OMS esses poderes inevitavelmente resultará em mais declarações de emergência e uma recorrência das muitas falhas testemunhadas durante a gestão da COVID-19 pela OMS", disse o site da organização CHD.

Peter Koenig, analista geopolítico e ex-economista sênior do Banco Mundial e da OMS, escreveu em um artigo da Global Research que esses esforços tirânicos foram orquestrados pelo governo, Big Tech e indústrias farmacêuticas e propagados pela grande mídia.

A campanha de Kennedy #TheGreatFreeset oferece uma oportunidade de resistir à centralização do poder por organizações internacionais como a OMS e a iniciativa do Fórum Econômico Mundial conhecida como "Grande Reset". É uma chance de interromper os planos em andamento da OMS para a consolidação global do poder.

"O mundo que deixaremos aos nossos filhos depende de nós recuarmos na agenda de governança global da OMS. Não podemos exagerar a importância de resistir a essa consolidação definitiva do poder em algumas mãos sinistras que não têm nossa saúde e nossos melhores interesses no coração", diz a descrição da campanha. 


CHD aponta preocupações importantes na proposta de alteração do RSI


O grupo ativista sem fins lucrativos apontou as questões críticas na proposta de emenda do RSI. De acordo com a proposta, todos os países membros devem desenvolver passaportes digitais de vacina que seriam usados para restringir o acesso e as viagens, conforme a OMS achar melhor. A proposta permitiria que o diretor-geral da OMS declarasse emergência à sua vontade.

A supressão da liberdade de expressão também está incluída na proposta, já que seria necessária a vigilância de qualquer coisa considerada como desinformação e desinformação. Haveria medidas extremas de lockdown, incluindo a "quarentena de viajantes suspeitos, de preferência em instalações longe do ponto de entrada", também conhecidos como "campos de quarentena" que foram vistos durante a pandemia de COVID-19 na China e em outros lugares.

Além disso, as nações seriam obrigadas a usar certos medicamentos, proibindo o uso de outros durante emergências. Também daria à OMS o poder de comandar suprimentos médicos em qualquer país; transferi-los para outros países; e burlar as leis de propriedade intelectual.

Mais importante, o CHD enfatizou que a proposta removeria a redação existente do RSI que concedia "pleno respeito à dignidade, aos direitos humanos e às liberdades fundamentais das pessoas". A OMS também está tentando ativamente eliminar a disposição "dignidade, direitos humanos e liberdades fundamentais".

A OMS também está trabalhando no Tratado da Pandemia, que deve ser aberto para assinaturas durante a 77ª Assembleia Mundial da Saúde, em maio de 2024. As emendas, oferecidas pelo Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA, dariam poder à Organização Mundial da Saúde (OMS) para assumir poderes de governança executiva sobre os estados membros, concedendo poderes governamentais a burocratas não eleitos e irresponsáveis ​​- tudo em nome do combate a um futuro problema de saúde de emergência.
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Uma pequena pausa antes de continuar


Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.