Pandemia vacinal já foi incubada: Agora a OMS acaba com "emergência de saúde global Covid-19"... qual será a próxima?

Agora a Covid-19 que era supostamente mortal, deixou de ser uma "emergência de saúde global", anunciou esta sexta-feira a Organização Mundial da Saúde


Pandemia vacinal já foi incubada: Agora a OMS acaba com "emergência de saúde global Covid-19"... qual será a próxima?

Após os cientistas renomados alertarem que a vacinação corona em meio a suposta pandemia do Covid-19 causaria variantes mais mortais e mais infecciosas, tudo aconteceu, a incubação vacinal veio para milhões - a pandemia vacinal foi estabelecida e agora temos o resultado de milhões infectados com um veneno mRNA que pode mata imediatamente ou lentamente e, causar outras doenças, como miocardite, pericardite ou coágulos sanguíneos mortais.

Agora a Covid-19 que era supostamente mortal, deixou de ser uma "emergência de saúde global", anunciou esta sexta-feira a Organização Mundial da Saúde (OMS), após a 15.ª reunião do Comité Internacional de Saúde sobre a Covid-19. Aparentemente, bilhões suficientes foram ganhos pela cabala por trás disso e um número suficiente de pessoas foi expelido com vacinas genéticas experimentais.

Como explica a agência de notícias Reuters em um relatório, vários supostos "especialistas" da Organização Mundial da Saúde estavam avaliando se a "emergência global de Covid", ocorrida há cerca de três anos, deveria ou não ser suspensa. Desde janeiro de 2020, o órgão responsável por isso, que se reúne a cada três meses, sempre estendeu o nível de alerta mais alto. E embora cada vez mais países tenham voltado à normalidade, o órgão agora finalmente chegou a um consenso sobre isso.

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, concordou com a recomendação do Comitê em relação à pandemia de COVID-19 em curso. Ele observou que a Covid-19 é agora um problema de saúde estabelecido e persistente que não constitui mais uma Emergência de Saúde Pública de Preocupação Internacional (PHEIC).

Ao mesmo tempo, a OMS anunciou a publicação de um plano para gerenciar a Covid-19 "a longo prazo": Este plano descreve ações-chave que os países devem considerar em cinco áreas: vigilância colaborativa, proteção comunitária, cuidados seguros e escaláveis, acesso a contramedidas e coordenação de emergência.

Mas a narrativa de que 7 milhões de mortes por Covid em todo o mundo continua a se espalhar e, claro, milhões de vidas podem ser salvas com o aumento experimental da terapia genética de mRNA continua. Além disso, Ghebreyesus fundamentou a reivindicação da OMS de dominação mundial, um tratado de pandemia no qual, os países cederiam sua soberania para a OMS com pouca dissimulação:

Uma das maiores tragédias da Covid-19 é que não precisava ser assim. Temos as ferramentas e a tecnologia para nos prepararmos melhor para pandemias, detectá-las mais cedo, responder a elas mais rapidamente e comunicar seu impacto. Mas, globalmente, a falta de coordenação, a falta de justiça e a falta de solidariedade fizeram com que essas ferramentas não fossem usadas com a eficácia que poderiam ter sido. Devemos prometer a nós mesmos e aos nossos filhos e netos que nunca mais cometeremos esses erros.Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS

"Por mais de um ano, a pandemia está em tendência de queda", disse Ghebreyesus em entrevista coletiva nesta sexta-feira. "Essa tendência permitiu que a maioria dos países voltasse à vida como a conhecíamos antes da Covid-19", disse Tedros. "Ontem, o Comitê de Emergência se reuniu pela 15ª vez e recomendou que eu declarasse o fim da emergência de saúde pública de importância internacional. Segui esse conselho."

No entanto, não se deve esquecer que o maníaco por vacinas Bill Gates, que também investiu na Gigante Indústria Farmacêutica, trabalha em estreita colaboração com a OMS. Por exemplo, Gates e a OMS já realizaram um novo exercício sobre a pandemia e o chefe da OMS, Tedros Gates, tem promovido diligentemente o livro sobre a "próxima pandemia". 

Não há muito interesse em um fim precoce do atual nível de emergência. Afinal, isso também está garantindo uma influência crescente da OMS sobre os governos deste mundo – e uma pressão correspondente para implementar o polêmico "acordo pandêmico", que visa estabelecer uma ditadura global da saúde em favor das grandes farmacêuticas.
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Uma pequena pausa antes de continuar


Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.