Coletividade Evolutiva , Documento: Pfizer e autoridades sabem dos riscos de vacinação para mulheres grávidas e bebês desde abril de 2021 , Ciência , Coronavírus , Covid-19 , Ivermectina , Pandemias , Vacina , Vacinação ,

Documento: Pfizer e autoridades sabem dos riscos de vacinação para mulheres grávidas e bebês desde abril de 2021

Documento: Pfizer e autoridades já estavam cientes dos altos riscos de vacinação para fetos e bebês já em abril de 2021


Documento: Pfizer e autoridades já sabiam dos riscos de vacinação para mulheres com fetos e bebês já em abril de 2021

Já no início de 2021, a Pfizer, a FDA e o CDC estavam aparentemente cientes de que a injeção do gene mRNA não era segura para mulheres grávidas e fetos, bem como para bebês amamentados por mães vacinadas. Além disso, as mulheres correm sérios riscos em questão da fertilidade conforme mostramos aqui. É o que mostram os documentos dos ensaios clínicos. No entanto, eles pressionam cada vez mais as mulheres grávidas e lactantes a se vacinarem.

O que a grande farmacêutica Pfizer e a Food and Drug Administration (FDA) dos EUA fizeram com pessoas com a terapêutica genética experimental parece criminoso. Especialmente quando se trata de fetos e recém-nascidos. Os próprios documentos de ensaios clínicos da Pfizer mostraram desde o início que as vacinas de mRNA podem causar enormes danos aos fetos e também aos recém-nascidos amamentados por mães tratadas geneticamente.

Durante a divulgação dos documentos regulatórios obtidos por um tribunal, a FDA dos EUA publicou, entre outras coisas, um artigo de oito páginas sobre a segurança da injeção do gene mRNA da Pfizer em relação à gravidez e amamentação (Pregnancy and Lactation Cumulative Review). Apesar dos dados assustadores do ensaio clínico, mulheres grávidas e mães que amamentam foram cada vez mais instadas a tomar a vacina de mRNA ao longo do tempo.

Aqui estão alguns dados importantes do artigo: Um total de 54% das gestantes sofreram uma série de efeitos colaterais, alguns deles graves, após receber a injeção. De acordo com o estudo, 21% dessas mulheres já tiveram saídas espontâneas. Seis das 248 mulheres com efeitos colaterais tiveram partos prematuros ou natimortos. São números que já não justificariam a administração das vacinas de mRNA – e ainda assim sempre se dizia que eram seguras para grávidas.

E nem é só isso. Os dados clínicos também mostram que até 19% dos bebês amamentados por mães vacinadas (41 de 215) – possivelmente como resultado do contato com as proteínas spike da vacina através do leite materno – sofreram um total de 48 efeitos colaterais diferentes. Entre eles, vômitos, insônia, letargia, dor e erupções cutâneas. Diante desses números, você descreveria esses medicamentos de terapia gênica como "seguros" para mulheres grávidas e lactantes?

Bem, a diretora do CDC, Dra. Rochelle Walensky, fez. Em 23 de abril de 2021, apenas três dias depois que um funcionário da Pfizer aprovou e confirmou os dados do estudo. Ela recomendou publicamente que as grávidas se vacinem. Um perigo deliberado para o bem-estar de mulheres grávidas e lactantes e seus bebês? Autoridades de saúde de todo o mundo seguiram o exemplo, embora possam ter os mesmos dados.- Referência: Report24

Obtenha o Extrato de Própolis Verde, Vitamina C, D e Zinco para melhor Imunidade e Proteção contra doenças oportunistas - Clique aqui


Siga-nos: | | e | Inscreva-se na nossa | Nos Apoie: Doar
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Fechar Menu
Entre em nosso Telegram

Entre para nosso canal do Telegram

ENTRAR

Nos siga no X (Twitter)

Compartilhamos nossos artigos e outras informações

SEGUIR

Apoie Coletividade Evolutiva - Doação

Apoie nosso projeto com uma contribuição.

DOAR