Estávamos certos: Diretora do CDC admite que vacinados podem transmitir COVID-19 para outras pessoas

Uma importante autoridade de saúde dos EUA reconheceu que as pessoas que receberam vacina COVID-19 podem transmitir a doença para outras pessoas


Estávamos certos: Diretora do CDC admite que vacinados podem transmitir COVID-19 para outras pessoas
Uma importante autoridade de saúde dos EUA reconheceu em 19 de abril que as pessoas que receberam uma vacina contra a COVID-19 podem transmitir a doença para outras pessoas. Em 2021, também publiquei um artigo intitulado: "Variante é a própria vacina": O CDC finalmente admite que pessoas totalmente vacinadas "espalham variantes" e devem usar máscaras.... (Mas, variantes só apareceram após a primeira rodada de vacinação corona)

Agora a Dra. Rochelle Walensky, diretora dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC), fez a alegação não apoiada em 2021 de que as pessoas que receberam uma vacina contra a COVID-19 "não carregam o vírus" e "não ficam doentes".

"Tivemos uma evolução da ciência e uma evolução do vírus", disse Walensky a um comitê do Congresso em Washington, acrescentando que a declaração "não está mais correta com as subvariantes Ômicron que temos agora".

A indicada por Biden também dobrou sua reivindicação inicial.

"Essa afirmação estava correta?", perguntou o deputado Andrew Clyde (R-Ga.).

"Na época, era", respondeu Walensky. "Era um vírus selvagem que tínhamos, era mesmo antes da variante Alpha, era a variante selvagem inicial, e todos os dados na época sugeriam que as pessoas que foram vacinadas, mesmo que ficassem doentes, não poderiam transmitir o vírus para mais ninguém."


Solicitado por citações para a alegação, o secretário de imprensa de Walensky, Jason McDonald, forneceu quatro estudos, incluindo dois publicados pelo quase-jornal do CDC.

"Nenhum dos estudos são ensaios randomizados, e todos eles têm várias falhas. Independentemente disso, todos eles mostram – o que eu acho que ninguém pode negar – que uma proporção de indivíduos vacinados fica doente e, quando doentes, eles também têm testes PCR positivos como uma indicação de que excretarão o vírus", disse Christine Stabell Benn, professora de saúde da Universidade do Sul da Dinamarca, ao Epoch Times em um e-mail. "Conclusão: indivíduos vacinados podem ficar doentes e podem transmitir."

Tracy Hoeg, epidemiologista da Califórnia, também disse que os documentos não apoiam a alegação de Walensky.

"Todos eles relatam reduções observadas, mas nenhum deles descobriu que 'as pessoas vacinadas não carregam o vírus, não ficam doentes'", disse Hoeg ao Epoch Times em uma mensagem no Twitter. "Eles estão brincando? Parece ilusório chegar a essa conclusão a partir desses artigos."

Mesmo em março de 2021, a afirmação de Walensky atraiu críticas de cientistas.

"O que sabemos é que as vacinas são muito substancialmente eficazes contra a infecção – há cada vez mais dados sobre isso – mas nada é 100%", disse John Moore, virologista da Weill Cornell Medicine, ao New York Times na época.

"É possível que algumas pessoas que estão totalmente vacinadas possam contrair a COVID-19. A evidência não está clara se eles podem espalhar o vírus para outras pessoas", disse o CDC na época.


A reguladora falha, Food and Drug Administration dos EUA, (equivalente a decaída Anvisa) que autorizou as vacinas, disse ao autorizá-las que os ensaios clínicos não testaram a transmissão e manteve essa postura até os dias atuais.

Apenas duas semanas após a declaração inicial de Walensky, feita durante uma aparição na MSNBC, o CDC disse que cerca de 5.800 americanos contraíram COVID-19, apesar de estarem vacinados, com 74 morrendo. Mais tarde, o CDC parou de contar as chamadas infecções inovadoras à medida que os números subiam. 

Os dados mostraram que a proteção da vacina diminui consideravelmente após vários meses e começa baixa contra as atuais subvariantes do Omicron, com alguns artigos estimando que as pessoas vacinadas são mais propensas a se infectar ao longo do tempo.
Outra alegação duvidosa

Walensky também foi questionado sobre uma revisão Cochrane de máscaras contra a gripe e a COVID-19.

Os pesquisadores descobriram que, com base nas evidências atuais, as máscaras não foram eficazes na redução da propagação de vírus respiratórios.

Sob pressão de grupos externos, a editora-chefe da Cochrane, Karla Soares-Weiser, disse em março que a revisão não mostrou que as máscaras não funcionam.

Os autores disseram em seu resumo que "estamos incertos se o uso de máscaras ou respiradores N95 / P2 ajuda a retardar a propagação de vírus respiratórios com base nos estudos que avaliamos". 

Essa redação "estava aberta a interpretações errôneas, pelas quais pedimos desculpas", disse Soares-Weiser, acrescentando que "estamos nos envolvendo com os autores da revisão com o objetivo de atualizar o Resumo e o resumo da linguagem simples para deixar claro que a revisão analisou se as intervenções para promover o uso de máscaras ajudam a retardar a propagação de vírus respiratórios".

"A Cochrane é conhecida como um padrão-ouro", disse Walensky na quarta-feira, "e acho notável que a editora-chefe da Cochrane realmente tenha dito que o resumo dessa revisão, ela se retratou do resumo dessa revisão e disse que era um resumo impreciso".

Até 20 de abril, a revisão não foi atualizada e nenhuma parte foi retirada.

"Se ainda não foi alterado, você pode querer entrar em contato com a Cochrane", disse McDonald ao Epoch Times.

A Cochrane não respondeu a um pedido de comentário.

Tom Jefferson, o principal autor da revisão, disse à jornalista Maryanne Demasi que a alegação de retratação de Walensky não era verdadeira.

"Walensky está claramente errado. Não houve retratação de nada", disse. "Vale a pena reiterar que somos os detentores dos direitos autorais da revisão, então decidimos o que entra ou sai da revisão e não mudaremos nossa revisão com base no que a mídia quer ou no que Walensky diz."


Anúncio
Anúncio
Anúncio
Uma pequena pausa antes de continuar


Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.