“Contágio Catastrófico”: Novamente, Medo em Fuga, preparando a ação global

Evento dos Grandes Desafios em 23 de outubro de 2022, uma nova simulação de “mesa”, desta vez chamado “Contágio Catastrófico”


Novamente, Medo em Fuga, “Contágio Catastrófico”

Lembra do Evento 201 de 18 de outubro de 2019 em Nova York, organizado pelo Johns Hopkins Center for Health Security, em parceria com o WEF (Fórum Econômico Mundial) e a Fundação Bill & Melinda Gates? Claro, a OMS também estava presente, assim como todos os atores globalistas, incluindo o Banco Mundial, o FMI e – de fato, a ONU e muitas de suas sub-organizações. Veja isto.

Esta foi uma simulação de “mesa”, como eles chamam – de uma pandemia de corona que pode atingir toda a população mundial “um dia destes”… 
Aconteceu menos de três meses depois. O resto é história. Agora, os mesmos suspeitos, substituindo oficialmente o Fórum Econômico Mundial pela OMS como um dos principais patrocinadores, usaram a Reunião Anual do Evento dos Grandes Desafios em Bruxelas, Bélgica, em 23 de outubro de 2022, para um exercício semelhante de “mesa”, desta vez chamado “Contágio Catastrófico”- veja isso .

Será uma coincidência que o local deste Evento seja Bruxelas, Sede da UE e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN)? Estranho que isso só veio à tona agora. E tenha certeza, o 
Fórum Econômico Mundial estava onipresente.

Na verdade, sem o 
Fórum Econômico Mundial nada disso aconteceria. Porque o Fórum Econômico Mundial é o Ramo Executor das Grandes Finanças – o complexo corporativo financeiro-digito-militar, que dirige o mundo das sombras de Washington. É estranho que quase nada tenha saído desse evento por quase dois meses. Por que foi mantido em segredo até agora?

Bem, em vez de, ou em adição às organizações vassalas da ONU e instituições financeiras controladas por Washington, como o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional (FMI)  – eles convidaram um grupo extraordinário de participantes, composto por 10 atuais e ex-ministros da saúde e altos funcionários de saúde pública do Senegal, Ruanda , Nigéria, Angola, Libéria, Singapura, Índia, Alemanha. De particular interesse são os países africanos.

Não há coincidências. A OMS está à porta fechada. A Assembleia de Ministros da Saúde de todo o mundo está a debater o infame Tratado da Pandemia, no momento em que estas linhas estão escritas. Eles logo estarão votando neste nefasto “Tratado”. O Tratado da Pandemia, como sabemos, se for votado a favor por maioria de dois terços irá sobrepor-se a todas as autoridades nacionais em matéria de saúde; e a partir de 1º de janeiro de 2024 terá jurisdição acima dos estados-nação soberanos dos 194 países membros da OMS.

Isso significa que teríamos uma tirania mundial da saúde.

Os globalistas que estão por trás da Organização Mundial de Saúde (OMS), estão lançando um tratado pandêmico global, no qual, se nosso País assinar e outros, será fim de jogo para a nossa soberania nacional e para a nossa liberdade de saúde, será ditada e autoritária nas mãos da OMS, é fim de jogo para a liberdade da saúde.

Por que os países africanos foram convidados para esta simulação deste Contágio Catastrófico muito, muito assustador e assustador? – Um bloco de países da África é o forte reduto – eles rejeitaram até agora o Tratado Pandêmico. Os africanos sabem o que isso significa. E sabem melhor ainda o que significa depois de terem passado pela cobiçosa farsa corona, que para alguns dos seus Presidentes acabou mortal. Como eles – alguns presidentes africanos e um caribenho – se opuseram à agenda de vacina, acabaram morrendo em circunstâncias estranhas.

Por que a presença da Alemanha?


A Alemanha tem atualmente o governo mais opressivo da Europa. A Alemanha, uma superpotência econômica e intelectual da UE, também tem os movimentos de resistência mais fortes da Europa – resistência contra a covid e a narrativa da Agenda Climática Verde (falsa). Resistência contra o pacto de suicídio da diretoria UE-Bruxelas para a Europa, levando a um colapso planejado da economia alemã.

O encarregado, Dr. Karl Lauterbach foi empossado como Ministro Federal da Saúde, há cerca de um ano, em 8 de dezembro de 2021. Ele convencerá os africanos, cingapurianos e indianos do grande bem do Tratado da Pandemia para seus países e para O resto do mundo? 
Pode soar como o fim do jogo. Mas o fim do jogo pode estar soprando no vento – e de sua poeira pode surgir uma nova sociedade.

Haverá alguns incentivos especiais em termos de “dinheiro de desenvolvimento” esperando nos bastidores para esses países africanos? Difícil dizer. Mas tudo é possível. Em nosso mundo de Orwell, o distópico há muito se tornou o novo normal.

Uma coisa é certa, se o Tratado Pandêmico da OMS for aprovado, o mundo estará em apuros. A Mãe Terra pode converter-se em prisão sanitária; que, juntamente com as moedas digitais do banco central, será o fim do que antes chamamos de “liberdade” e, sob o olhar de águia e o punho de ferro da Agenda Verde, pode significar um bloqueio permanente.

Sair da OMS será então a ordem – junto com o abandono de nosso sistema monetário ocidental como o conhecemos. Moedas paralelas vinculadas à comunidade existem há muito tempo - e podem crescer novamente, assim como os sistemas de saúde baseados em pessoas e na natureza. Existem muitos médicos bons e honestos, praticando medicina alternativa que tornará a humanidade mais saudável.

Por: Peter Koenig  é analista geopolítico e ex-economista sênior do Banco Mundial e da Organização Mundial da Saúde (OMS), onde trabalhou por mais de 30 anos em todo o mundo. 
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Uma pequena pausa antes de continuar


Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.