Geneticamente modificado no útero: Pfizer quer vacinação especial para “imunizar” bebês no útero

A vacina é administrada a mulheres grávidas e destina-se a passar da mãe para o nascituro.

Geneticamente modificado no útero: Pfizer quer vacinação especial para “imunizar” bebês no útero

Em 1º de novembro, a Pfizer dirigiu-se ao público com um anúncio perturbador e jubiloso: havia dados positivos do estudo para relatar uma nova vacina contra o RSV (um vírus respiratório que geralmente causa doenças leves, mas após vacinas Covid em massa, milhares de crianças estão ficando gravemente doentes e lotando hospitais. A coisa especial sobre a supostamente grande nova vacina: ela é administrada a mulheres grávidas e destina-se a passar da mãe para o nascituro.

O estudo clínico de fase 3 – chamado 
MATISSE, traduzido: (Estudo de Imunização MaTerna para Segurança e Eficácia) – deve brilhar com os primeiros resultados positivos: A vacina bivalente de pré-fusão “RSVpreF” tem uma eficácia de 81,8 por cento nos primeiros 90 dias após o nascimento contra “doenças graves do trato respiratório inferior com tratamento médico”. 

No período de acompanhamento de seis meses, diz-se que a eficácia foi de 69,4 por cento. Para doenças do trato respiratório inferior tratadas por médicos em geral, a eficácia foi de 57,1% nos primeiros 90 dias pós-parto e 51,3% no período de acompanhamento de seis meses.

O fato de que essa informação (em qualquer caso apenas parcialmente significativa) sobre “eficácia” seja principalmente um jogo de números que diz pouco ou nada sobre o benefício real da vacinação foi mais do que esclarecido para as pessoas comuns pela crise de Corona.

Nesse contexto, as alegações sobre a segurança da nova vacina experimental são fáceis de classificar: claro que a nova vacina deve ser bem tolerada e, de acordo com a Pfizer, não há (!) preocupações de segurança para as mães vacinadas e seus recém-nascidos. A Pfizer está entusiasmada com o novo produto e planeja enviar um pedido de aprovação ao FDA em 2022.

A empresa foi realmente capaz de recrutar cerca de 7.400 mulheres grávidas para o estudo MATISSE "randomizado, duplo-cego e controlado por placebo", que assumiram os riscos de reações adversas em si mesmas e em seus filhos. Metade das participantes recebeu uma injeção da nova vacina no final do segundo ou terceiro trimestre da gravidez. 

O estudo começou em junho de 2020; os bebês teriam sido acompanhados por pelo menos um ano após o nascimento para avaliar a segurança e eficácia. Infelizmente, o comunicado de imprensa não diz nada sobre se várias pessoas testadas se retiraram do estudo após efeitos colaterais em si mesmos ou em seus filhos e se as falhas flagrantes do estudo de aprovação sobre a vacina Covid foram repetidos no estudo MATISSE.

O slogan publicitário da Pfizer usado na comunicação (“ Descobertas que mudam a vida dos pacientes”) pelo menos não é uma mentira em relação às consequências das vacinações em massa contra a Covid – não apenas houve avanços vacinais em um número quase infinito, mas também muitas das vidas foram permanentemente alteradas pelos graves efeitos colaterais e consequências da vacinação obrigatória baseada em mentiras. 

Claro, você não quer agradecer à Pfizer por isso. Em vez disso, surge a questão de quando é suficiente. A vacinação das crianças contra o Covid-19 já não causou danos suficientes? E não deveria a queda significativa das taxas de natalidade após as campanhas de vacinação e a questionável segurança das vacinas contra a Covid na gravidez devem ser verificadas antes que mais experimentos sejam realizados em mães e seus filhos ainda não nascidos? - Referência: Report24
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Sugestão de suplemento

Postar um comentário

0 Comentários

Fechar Menu