Com flagrante fraude: brasileiros não aceitam Lula como PRESIDENTE eleito

Os militares brasileiros apoiando o povo brasileiro, demonstra que o atual presidente Jair Bolsonaro é o verdadeiro líder do país, apoiando o povo


Com evidências fraudes: brasileiros não aceitam Lula como PRESIDENTE eleito

Os militares brasileiros apoiando o povo brasileiro, demonstra que o atual presidente Jair Bolsonaro é o verdadeiro líder do país, apoiado democraticamente. Conforme em meio a um apagão da grande mídia/ imprensa podre após o evidente golpe nas urnas eletrônicas entre Bolsonaro e seu rival de esquerda Luiz Inácio Lula da Silva durante o segundo turno do país em 30 de outubro:

De acordo com uma reportagem do Revolver News , o Bolsonaro agora está se reunindo com os militares para planejar seus próximos movimentos. Acrescentou que esgotou suas opções legais, tendo seu recurso eleitoral sido negado por um ministro tirano do Supremo Tribunal Federal indicado pela oposição. (Relacionado: EXPLODIU NA MÍDIA INTERNACIONAL: Mais de 3 milhões de brasileiros protestam contra fraude eleitoral e pede anulação)

Paralelamente, os brasileiros têm saído às ruas para manifestar seu descontentamento com as eleições fraudulentas que levaram Lula a um segundo mandato em Brasília. “Os caminhoneiros estão bloqueando todas as rodovias. Os agricultores bloquearam todos os portos de exportação de produtos agrícolas”, disse o artigo do Revolver News .

Os manifestantes reiteraram que suas demandas para a intervenção das Forças Armadas estão respaldadas no Artigo 142 da Constituição Brasileira, que afirma que os militares têm o papel de “garantir poderes constitucionais” sob a “autoridade suprema do presidente”. Mas o New York Times , uma publicação tendenciosa, simplesmente minimizou esta disposição dizendo que “não permite que os militares assumam o controle do governo” citando “advogados constitucionais e decisões judiciais anteriores”.

“Os protestos generalizados e os apelos às forças armadas foram uma escalada da … recusa [dos apoiadores de Bolsonaro] em aceitar a eleição de [Lula], um ex-presidente que muitos … veem como um criminoso por causa de seu escândalo de corrupção no passado.”

O Times noticiou que Bolsonaro “não reconheceu sua derrota” para Lula e “apoiou protestos pacíficos inspirados por 'sentimentos de injustiça no processo eleitoral'” em um discurso de dois minutos. Muitos dos seguidores do atual presidente consideraram o discurso um selo de aprovação.

“O que ele falou… me deu mais ânimo para vir [aos protestos]”, disse Larissa Oliveira da Silva, de 22 anos. “Depois dos comentários [de Bolsonaro], vi que ele está do nosso lado.”
Manifestantes pró-Bolsonaro são punidos com bloqueio de contas bancárias

Enquanto os apoiadores de Bolsonaro participavam de protestos e exerciam seu direito à liberdade de expressão, os aliados de esquerda de Lula em Brasília revidaram com o congelamento das contas bancárias de alguns dos principais apoiadores que participaram das manifestações.

Alexandre de Moraes, ministro do Supremo Tribunal Federal, ordenou o bloqueio de mais de 40 contas bancárias de pessoas e empresas supostamente ligadas aos protestos. O magistrado justificou suas ações tirânicas argumentando que “repetidos abusos do direito de reunião” justificaram a suspensão das contas dos manifestantes. 

“É necessário, oportuno e urgente o bloqueio das contas bancárias dos investigados, dada a possibilidade de utilização de recursos para financiar atos ilícitos e antidemocráticos, a fim de coibir a lesão ou ameaça à lei”, explicou Moraes. “Aqueles que, por meios criminosos, participaram de atos antidemocráticos serão tratados como criminosos.”


O silêncio contínuo de Bolsonaro sobre o assunto apenas alimentou a agitação civil, disse Guilherme Casaroes, professor de ciências políticas do think tank da Fundação Getulio Vargas... “Com seu silêncio, ele mantém as pessoas nas ruas. Essa é a grande vantagem que ele tem hoje – uma base muito mobilizada e muito radical”.

Mensagem ao mundo:

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Suplemento Multivitamínico



Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.