Fraude projetada? É possível que os chineses realmente tenham hackeado nossas eleições?

Um indivíduo com acesso de superadministração a um sistema pode fazer efetivamente qualquer coisa dentro desse sistema.


É possível que os chineses realmente tenham hackeado nossas eleições?

Este artigo é para poder refletir sobre nossa atual situação eleitoral. Será mesmo que o software das urnas não estão programadas para votos caírem em "oculto" na conta de um ou de outro candidato por programação fraudada? Ou será algum tipo de golpe institucional? Tire suas conclusões sobre o que houve nos Estados Unidos e compare com o nosso atual sistema eleitoral: que já apresentou diversas irregularidades, denunciadas por inúmeros cidadãos ao redor do Brasil...

Um indivíduo com acesso de superadministração a um sistema pode fazer efetivamente qualquer coisa dentro desse sistema. Ele ou ela pode excluir dados, roubar dados, alterar dados, alterar a programação, etc. Talvez o mais importante, esse indivíduo pode cobrir seus rastros, porque eles também podem acessar e alterar todos os protocolos e programas de segurança, relatou Sam Faddis, Oficial de Operações da CIA aposentado.

EUA: é possível que as eleições tenham sido hackeadas pelos chineses?


De acordo com Sam Faddis, Oficial de Operações da CIA aposentado: Falo muito sobre integridade eleitoral. Digo frequentemente – embora haja problemas intermináveis ​​com a segurança de nossas eleições – que não acredito que os chineses “hackearam” as eleições de 2020. Talvez eu estivesse errado.

Recentemente foi divulgado uma história de que uma empresa chamada Konnech, em Michigan, estava armazenando dados sobre funcionários eleitorais americanos em servidores na China. É verdade que os líderes do Voto, Catherine Engelbrecht e Gregg Phillips foram, é claro, ridicularizados pela chamada grande imprensa. Então, Los Angeles prendeu o chefe de Konnech e o acusou de violações das leis dos EUA sobre o manuseio de informações de identificação pessoal – armazenando-as em servidores na China.

O ridículo parou. Até o New York Times teve que emitir uma retratação - Ficou muito pior desde então.


Konnech não estava apenas armazenando dados na China. Konnech estava usando empreiteiros dentro da China para trabalhar nos Estados Unidos nos sistemas eleitorais americanos. Esta é a linguagem exata na queixa criminal apresentada por Los Angeles.

“Por volta de 10 de outubro de 2019 até 4 de outubro de 2022, Eugene Yu e outros funcionários da Konnech, Inc. estavam fornecendo esses serviços ao condado de Los Angeles usando terceirizados com sede na China.

“…Os funcionários da Konnech, conhecidos e desconhecidos, enviaram informações de identificação pessoal de funcionários eleitorais do condado de Los Angeles para desenvolvedores de software de terceiros que ajudaram na criação e correção do software 'PollChief' interno da Konnech.”

Konnech deu aos empreiteiros chineses na China continental “acesso de superadministração” aos sistemas eleitorais nos quais Konnech trabalhava. É incrível o suficiente que a própria Konnech tenha tido tal acesso. É literalmente quase inacreditável que Konnech estaria em posição de conceder tal acesso a outras entidades. No entanto, mais uma vez, é confirmado pela denúncia criminal movida contra a empresa.

“Por volta de 18 de agosto de 2022, Luis Nabergoi , gerente de projeto do contrato de Konnech com o Condado de Los Angeles, confirmou através do aplicativo de mensagens DingTalk que qualquer funcionário de empreiteiros chineses trabalhando no software PollChief tinha privilégios de 'superadministração' para todos os clientes PollChief. O Sr. Nabergoi descreveu a situação como um 'enorme problema de segurança'”.

Então, Konnech, que tem vários laços questionáveis ​​com entidades chinesas, foi autorizado a abrir um buraco em nossos sistemas eleitorais, e então Konnech foi autorizado a conceder o mesmo nível de acesso a “contratados” desconhecidos na China.

E, no entanto, fica ainda pior.

Konnech não trabalha apenas para sistemas eleitorais estaduais. Konnech também parece ter acesso a algo chamado Ato de Votação de Ausência de Cidadãos Uniformes e Estrangeiros (UOCAVA sigla inglês). A extensão total desse acesso ainda não está clara, mas a imprensa sugere que Konnech foi contratado em pelo menos uma ocasião para trabalhar para o Departamento de Defesa de acordo com o Ato de Votação de Ausência de Cidadãos Uniformes e Estrangeiros (UOCAVA)

O Departamento de Defesa forneceu um acordo de compra geral para a empresa comunista chinesa KONNECH https://usaspending.gov/award/CONT_IDV_HQ056610A0004_9700

Em 1986, o governo federal promulgou o Ato de Votação de Ausência de Cidadãos Uniformes e Estrangeiros (UOCAVA) para fornecer registros especiais e disposições de voto ausente para civis militares e estrangeiros. O Departamento de Defesa administra o programa Ato de Votação de Ausência de Cidadãos Uniformes e Estrangeiros (UOCAVA). 

De acordo com o ato, qualquer cidadão uniformizado e estrangeiro pode se cadastrar para votar e solicitar o boletim de voto à distância pelo sistema Ato de Votação de Ausência de Cidadãos Uniformes e Estrangeiros (UOCAVA). O indivíduo simplesmente envia o que é conhecido como Federal Post Card Application. Eles são então enviados uma cédula de ausência.

Uma pessoa que solicita uma cédula sob o 
Ato de Votação de Ausência de Cidadãos Uniformes e Estrangeiros (UOCAVA) pode, por algum motivo inexplicável, selecionar qualquer endereço que desejar ao se registrar e solicitar uma cédula. De acordo com o Programa Federal de Assistência ao Voto, (FVAP sigla inglês), um eleitor não militar no exterior pode reivindicar um endereço de domicílio “ mesmo que você não tenha estado fisicamente presente nesse endereço ”. 

Parece não haver exigência de que o indivíduo que solicita uma cédula sequer prove que é um cidadão americano. Em 2020, o FBI, a Agência de Segurança Cibernética e de Infraestrutura, a Comissão de Assistência Eleitoral e o Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia descreveram o processo UOCAVA como “alto risco” e “ suscetível a fraudes ”.

Curiosamente, o número de eleitores não militares do 
Ato de Votação de Ausência de Cidadãos Uniformes e Estrangeiros (UOCAVA) disparou de 228.000 para 573.000 entre 2016 e as eleições de 2020.

Acabei de terminar o show ao vivo com Pete Santilli e com o jornalista investigativo Chris Kortlander ( @ATTHBook ) falando sobre a colaboração de Montana com Konnech para um portal de votação online para eleitores da UOCAVA desde 2010. ASSISTA #votem #konnech -- Twitter

Se Konnech e empreiteiros na China tivessem acesso de superadministrador ao sistema 
Ato de Votação de Ausência de Cidadãos Uniformes e Estrangeiros  (UOCAVA) (como eles fizeram e em alguns casos ainda têm sistemas eleitorais estaduais), eles poderiam ter feito literalmente qualquer coisa dentro do sistema Ato de Votação de Ausência de Cidadãos Uniformes e Estrangeiros  (UOCAVA). 

A ideia de que temos uma porta dos fundos em nosso sistema de votação com poucas ou quaisquer salvaguardas para controlar quem se registra para votar é bastante preocupante. A ideia de que essa porta dos fundos possa estar literalmente sob o controle total de entidades ligadas à China comunista é assustadora.

Nos quatro anos que antecederam as eleições de 2020, cerca de 350.000 “pessoas” se registraram para votar usando o sistema 
Ato de Votação de Ausência de Cidadãos Uniformes e Estrangeiros (UOCAVA). Esse sistema pode muito bem ter sido comprometido. Todos os indicadores apontam para a China continental.

Isso nos diz agora que os chineses comunistas estavam por trás de tudo isso? Isso não. Isso nos diz que alguém na aplicação da lei federal deveria estar queimando o óleo da meia-noite para descobrir. Talvez o Federal Bureau of Investigation, quando terminar de apontar armas para ativistas anti-aborto ou ameaçar mães que estudam em casa, possa encontrar algum tempo para investigar isso.

Sam Faddis Oficial de Operações da CIA aposentado deixa a questão: Pode parecer incrível, mas é hora de fazer a pergunta... intitulado originalmente: É possível que os chineses realmente tenham hackeado a eleição?

Também deixo a questão: Será mesmo que o software das urnas não estão programadas para votos caírem em "oculto" na conta de um ou de outro candidato por programação fraudada?, Ou será algum tipo de golpe institucional destrutivo da constituição, democracia e liberdade?

Na verdade, a urna eletrônica usada no Brasil não é totalmente confiável, está sujeita a fraudes internas e externas e não permite auditoria, segundo especialistas isso significa que seu voto pode ir a outro candidato e não necessariamente o crime será descoberto. Portanto, a falta de transparência nas urnas consiste em muitas implicações!
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Suplemento Multivitamínico

Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.