Cruz Vermelha Americana: misturando sangue vacinado com sangue não vacinado e por que isso é perigoso

A Cruz Vermelha está basicamente envenenando os corpos de pessoas que já estão doentes e precisam desesperadamente de sangue limpo e saudável

Cruz Vermelha Americana: misturando sangue vacinado com sangue não vacinado e porque isso é perigoso

Se você ou alguém que você conhece precisa de uma transfusão de sangue, você pode querer evitar entrar em contato com a Cruz Vermelha Americana. Isso porque o grupo está misturando indiscriminadamente sangue de pessoas vacinadas com sangue não vacinado, agora sabemos.

A razão pela qual isso é altamente problemático é porque o sangue vacinado com a terapia genética de mRNA é sangue contaminado (inrestaurável), o que significa que o destinatário receberá todas as proteínas de pico e outras toxinas produzidas pelas injeções na pessoa que as recebeu.

A Cruz Vermelha está basicamente envenenando os corpos de pessoas que já estão doentes e precisam desesperadamente de sangue limpo e saudável – não sangue que contém o que foi bombeado através da agenda de vacinação Covid - contaminação em massa e destruição do sistema imunológico.

Em maio de 2021, outro estudo publicado na Science explica com mais detalhes como as injeções de covid acabam na corrente sanguínea, ao contrário das alegações da equipe de mídia social da Cruz Vermelha. (Relacionado: Demanda por “sangue puro” dispara: Banco de sangue internacional para não vacinados é formado por pelo menos 16 países)

“Não rotulamos os produtos sanguíneos como contendo sangue vacinado ou não vacinado, pois a vacina Covid-19 não entra na corrente sanguínea e não apresenta riscos de segurança para o destinatário”, afirma a Cruz Vermelha.

“Se você tiver preocupações de segurança sobre possíveis transfusões de sangue, fale com sua equipe médica.”

Proteínas de pico de Covid "vagueiam livremente pela corrente sanguínea", diz especialista


A questão veio à tona em resposta a perguntas sobre o envolvimento da Cruz Vermelha na prestação de cuidados após o furacão Fiona, que devastou a ilha de Porto Rico.

Alguns estavam preocupados que a Cruz Vermelha pudesse estar envenenando as pessoas com sangue contaminado, e acontece que suas preocupações eram justificadas.

A equipe de mídia social da Cruz Vermelha aparentemente perdeu um estudo publicado recentemente mostrando que as vacinas Covid-19 de mRNA, de fato, entram na corrente sanguínea e causam sérios problemas de saúde. O ensaio clínico randomizado descobriu que o risco excessivo de eventos adversos (AESIs) graves é muito maior em pessoas cujo sangue foi contaminado com injeções da terapia genética de mRNA

“No estudo Moderna, o risco excessivo de AESIs graves (15,1 por 10.000 participantes) foi maior do que a redução do risco de hospitalização por COVID-19 em relação ao grupo placebo (6,4 por 10.000 participantes)”, explica o estudo.

“No estudo da Pfizer, o risco excessivo de AESIs graves (10,1 por 10.000) foi maior do que a redução do risco de hospitalização por COVID-19 em relação ao grupo placebo (2,3 por 10.000 participantes).”
“A proteína spike não é liberada para vagar livremente pela corrente sanguínea por si só, porque possui uma região de âncora transmembrana que (como o nome indica) a deixa presa”, explicou Derek Lowe.

“É assim que fica no próprio vírus e faz o mesmo nas células humanas.” 

“Parte da dose da vacina vai chegar à corrente sanguínea, é claro”, acrescentou.

“Mas lembre-se de que, quando as partículas de mRNA ou adenovírus atingem as células fora do fígado ou no local da injeção, elas ainda estão fazendo com que expressem a proteína Spike ancorada em suas superfícies, sem despejá-la na circulação”.

 

Sabemos que os AESIs com razões de risco superiores a um, significando “risco elevado”, incluem condições graves como distúrbio de coagulação, síndrome do desconforto respiratório agudo e miocardite e pericardite.

O patologista CEO e diretor médico da Cole Diagnostics em Idaho,  Dr. Ryan Cole compartilhou os perigos das vacinas Covid de mRNA em uma conferência em 2021. Dr. Cole revelou que a proteína spike do SARS-CoV-2 usada como o principal componente nas vacinas COVID-19 de terapia genética experimental de mRNA atualmente em uso, produzida pela Pfizer e Moderna é toxica e penetra em vários órgãos.

“Estamos dando uma sequência de genes nos corpos de seres humanos, e essa sequência vai para o nosso deltóide, onde somos informados de que ele tem uma pequena proteína de ancoragem. Uma vez que é traduzido e produz um pouco de proteína, está na superfície da sua célula [e] permanece lá”, disse ele. “Bem, adivinhe – não. Esta proteína de pico não fica apenas no deltoide. [Ele] circula em seu sangue [e] aterrissa em vários órgãos do corpo”.

A conclusão de tudo isso é que a Cruz Vermelha Americana assim, como inúmeras agências de saúde nacional e internacional, não podem mais ser confiáveis. Suas equipes estão mentindo para o público sobre seu sangue contaminado, assim como, mentiram desde o início da chamada "pandemia" — sobre medicamentos, sobre vacinas, sobre máscaras, sobre bloqueios etc: os leitores fariam bem em tomar nota disso e buscar saber mais e evitar aceitar uma transfusão de sangue do grupo injetado.
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Sugestão de suplemento

Postar um comentário

0 Comentários

Fechar Menu