Imagina no Brasil... Só nos EUA, mais de 1,3 milhão de pessoas prejudicadas por injeções de COVID-19

Pelo menos 1,3 milhão de eventos adversos relatados após injeções de COVID nos últimos 18 meses.

Imagina no Brasil... Só nos EUA, mais de 1,3 milhão de pessoas prejudicadas por injeções de COVID-19

É hora de parar de pensar em inflamação do coração, coágulos sanguíneos, danos neurológicos e outros problemas graves de saúde como “efeitos colaterais” das injeções de COVID. Esses problemas são efeitos diretos dessa grande armação global chamada de COVID-19+Vacinação em massa -  que foram lançados ao público em um movimento sem precedentes impulsionado pela grande mídia falida, indústria farmacêutica, governos globais e elites mundiais.

Pelo menos 1,3 milhão de eventos adversos relatados após injeções de COVID nos últimos 18 meses. A partir de sexta-feira, 8 de julho de 2022, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) divulgaram ainda mais dados que deixa claro que essas injeções foram projetadas para destruição, colapso e despovoamento em massa.

Em 29 de junho de 2022, havia mais de 596 milhões de doses de injeções de COVID administradas nos Estados Unidos. Destes, 352 milhões são da Pfizer, outros 225 milhões são da Moderna e apenas 19 milhões de doses são da Johnson & Johnson.

Embora saibamos que o Sistema de Relatórios de Eventos Adversos de Vacinas (VAERS) do governo é historicamente subnotificado (o que significa que o número real de pessoas que sofrem danos por essas injeções pode ser muito, muito maior do que a mídia admite relutantemente), os dados mais recentes do VAERS do CDC revela, mais uma vez, algumas correlações preocupantes.

A última divulgação de dados do CDC mostra 1.329.135 relatórios de eventos adversos após vacinas de COVID nos Estados Unidos entre 14 de dezembro de 2020 e 1º de julho de 2022 – um aumento de 14.541 eventos adversos em relação à semana anterior.

A seguir, um breve detalhamento de alguns dos dados divulgados pelo CDC para o período indicado (meados de dezembro de 2020 a início de julho de 2022):

  • 1.941 eventos adversos pós-vacinação entre crianças de 6 meses a 5 anos, incluindo pelo menos 65 casos “graves” e 3 mortes
  • 11.638 eventos adversos pós-vacinação entre crianças de 5 a 11 anos, incluindo pelo menos 300 casos “graves” como miocardite e pericardite (23), distúrbios de coagulação do sangue (46) e morte (7)
  • 32.543 eventos adversos pós-vacinação entre crianças de 12 a 17 anos , incluindo pelo menos 1.843 casos “graves” e 44 mortes
  • 5.629 mulheres grávidas relataram eventos adversos após injeções de COVID, incluindo 1.761 casos de parto prematuro ou aborto espontâneo
  • Entre todas as faixas etárias, 20% das mortes relatadas foram relacionadas a problemas cardíacos
  • Nenhum tiro é 100% “seguro e eficaz”, e os dados do VAERS mostram que as injeções COVID NÃO são exceção

Coágulos de sangue. Anafilaxia com risco de vida. Pericardite. Miocardite. Síndrome da taquicardia postural ortostática (POTS). Distúrbios cardíacos. Aborto espontâneo. Paralisia de Bell. A síndrome de Guillain-Barré. Tudo isso e muito mais estão sendo relatados entre pessoas recentemente injetadas com essas injeções mortais de morte silenciosa.

Essas são exatamente as preocupações sobre as quais os especialistas em saúde alertaram – sem falar no aviso de que as vacinas não estão impedindo a transmissão do SARS-CoV-2 e podem, de fato, tornar alguns receptores de vacina ainda mais em risco de infecção sintomática.

O último ponto foi feito em um artigo publicado no New England Journal of Medicine no início deste mês, no qual os pesquisadores descobriram que as pessoas que receberam duas doses de uma injeção de mRNA tiveram proteção negativa contra COVID-19 sintomático, enquanto as pessoas que se recuperaram de uma dose anterior A infecção por SARS-CoV-2 tinha cerca de 50% de imunidade contra doenças futuras.

Ouça: ninguém quer ficar doente. E, infelizmente, até coisas como o resfriado comum e a gripe podem ser graves ou até mortais para alguns indivíduos – isso não é novidade. Para ter certeza, o mesmo pode ser dito para o COVID-19.

Mas a realidade é que esta infecção viral provou ser altamente sobrevivente em todas as faixas etárias. Simplesmente não é tão mortal quanto a grande mídia quer que acreditemos (e especialmente para crianças pequenas, um grupo demográfico que o governo quer que seja preenchido com mais uma rodada de vacinas).

No entanto, está mais que claro, que os eventos adversos mortais das injeções é a verdadeira pandemia mortal que está sendo jogada na conta da COVID. Isso apenas em pouco mais de 2 anos, esse são eventos de curto e médio prazo, os de longo prazo ainda são desconhecidos, mas arrisco dizer que o de longo prazo seja a morte prematura.

Portanto, é de se supor que no Brasil, também possuem um grande número de eventos adversos que não estão sendo monitorados ou divulgados pelas autoridades de saúde, dado ao grande número de vacinas de todos os tipos sendo aplicadas na população, inclusive, a da Pfizer-BioNTech e Oxford-AstraZeneca que teve seu uso suspendido por mais de 20 países.

Então, por que a pressão contínua por mais e mais injeções de “reforço”, reformuladas e modificadas simplesmente para perseguir a próxima de um número interminável de futuras “variantes”? A dependência da indústria farmacêutica é realmente importante para normalizar – e as pessoas estão caindo nessa?

Uma nota final : nunca se esqueça da importância de um sistema imunológico forte… este é um bom lugar para começar , especialmente se você estiver preocupado em evitar os sintomas da doença. Se você quiser “mergulhar fundo” no tópico da imunidade, confira o Immune Defense Summit organizado por Jonathan Landsman. 

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Sugestão de suplemento

Postar um comentário

0 Comentários

Fechar Menu