Últimas-notícias

Lei de Infanticídio na Califórnia, é como sacrifícios da era moderna, é como na antiguidade quando as pessoas sacrificavam bebês para demônios

Últimas-notícias: Assim como os sacrifícios, eram feitos em nome dos deuses e da religião daquelas civilizações antigas , buscando muitas vezes terem seus ped...

Coletividade Evolutiva
Compartilhe:
Nos Apoie: Doação


Assim como os sacrifícios, eram feitos em nome dos deuses e da religião daquelas civilizações antigas, buscando muitas vezes terem seus pedidos atendidos pelos deuses, oferecendo a carne e/ou sangue humano, hoje, está acontecendo o mesmo em nome dos deuses da saúde, sacríficos humanos e voluntários da era moderna.

Em uma votação de 48 a 21, a Assembleia controlada pelos democratas na Califórnia votou pela aprovação da AB 2223, que os defensores da vida apelidaram de “A Lei do Infanticídio” porque permitiria que bebês recém-nascidos morressem legalmente sem penalidade ou castigo para as mães.

Uma forma de assassinato pós-aborto, a legislação protegeria uma mãe de todas as acusações civis e criminais se seu bebê recém-nascido morresse sete dias após o nascimento ou mais. Todas as “ações ou omissões” relacionadas à gravidez, “incluindo aborto espontâneo, H” seriam cobertas.

É a parte da “morte perinatal” do projeto de lei que preocupa os defensores da vida, porque essa é a terminologia que sancionaria a morte de bebês sete dias após o nascimento ou mais.

Nos últimos meses, a mídia controlada pelas corporações vem criticando os defensores da vida por se manifestarem contra o projeto de lei, alegando que todas as preocupações sobre suas implicações são “falsas” ou “mal interpretadas”. O National Catholic Register informou que algumas demandas pró-vida foram ouvidas e que alguma linguagem na AB 2223 foi alterada.

“Hoje, o AB 2223 da deputada Buffy Wicks, que veio a ser conhecido como o ‘projeto de infanticídio’, foi emendado no Comitê de Apropriações da Assembléia para confirmar que uma mulher não será investigada ou acusada de aborto espontâneo, natimorto, aborto ou ' morte perinatal devido a causas que ocorreram no útero”, disse a Conferência Católica da Califórnia (CCC) em um comunicado recente sobre as mudanças.

“Esta mudança definitivamente fecha a porta para possíveis consequências não intencionais de permitir mortes infantis devido a abuso, negligência ou abandono, aliviando as preocupações que o CCC trouxe à atenção do autor.”

Conferência Católica da Califórnia retira oposição à AB 2223, diz que lei da Califórnia proíbe homicídio fetal


Kathleen Domingo, diretora executiva do CCC, disse ao Register que o Comitê Judiciário da Assembleia “concordou que a terminologia 'morte perinatal' não era clara e poderia levar a 'conclusões indesejáveis'”.

Assim, a linguagem foi modificada no projeto de lei a ponto de o CCC anunciar a retirada da oposição a ele, alegando que a lei estadual protege os bebês nascidos vivos após um aborto fracassado de serem assassinados.

Outros grupos pró-vida, no entanto, discordam. Eles ainda estão lutando contra o projeto porque o veem como uma ameaça à vida do recém-nascido.

Um deles é a Liga do Direito à Vida do Sul da Califórnia, que escreveu uma carta aberta aos legisladores da Califórnia pedindo-lhes que votem não contra a AB 2223, chamando-a de “falha”.

“A redação alterada da AB 2223 – 'morte perinatal por causas que ocorreram no útero' – não altera em nada as proteções da lei para quem mata um bebê nascido vivo durante os primeiros 28 dias de vida”, dizia a carta.

“Isso justifica e desculpa a intenção de matar um bebê nascido vivo, apontando para ocorrências vagas e gerais que aconteceram em algum momento indefinido antes do nascimento do bebê.”

A carta também afirmava que um dos principais propósitos da AB 2223 é “encobrir a causa da morte de um bebê” enquanto fornece aos abortistas e abusadores “cobertura legal para terminar o trabalho de matar um recém-nascido indesejado ou inconveniente, afirmando a Causa In Utero Desculpe até 28 dias após o nascimento.”

“O bebê pode ser morto e qualquer evidência que explique sua morte morrerá com ele. E esse parece ser o objetivo da mais nova cláusula de morte perinatal da AB 2223 – desculpar e tornar a investigação da morte de um recém-nascido totalmente desnecessária e até acionável”, dizia a carta.


Cuide da sua família, do seu filho na barriga ou mesmo já nascido, esses genocidas já estão planejando vacinar criancinhas de 6 meses, isso é sacrifício religioso vacinal (demoníaco). De acordo com a  Dra. Naomi Wolf, um genocídio, uma agenda de sacrifícios de bebês da era moderna por meio de vacinas COVID fantasiadas de eficazes e seguras, está em andamento.
Publicidade
Explore mais: apocalipse , Mundo , Notícias alternativas , Últimas-notícias
Compartilhe:
Nos Apoie com um donativo
Este artigo pode conter afirmações que refletem a opinião do autor
Siga Coletividade Evolutiva nas redes sociais!

RECENTES