Coronavírus: Estudos comprovam que a vitamina D pode salvar vidas

Vitaminas: Coronavírus: Estudos comprovam que a vitamina D pode salvar vidas - Um grande volume de pesquisas deixa claro que essa Vitamina D (hormônio) produzido em nossa pele pode salvar vidas

Fabio Allves
Coronavírus: Estudos comprovam que a vitamina D pode salvar vidas

Desde que a pandemia do coronavírus COVID-19 se tornou o vilão número 1 das pessoas, apesar de não ser, vários tratamentos eficazes foram descobertos. Essas curas incluíram hidroxicloroquina, ivermectina e o mais conhecido popularmente como a vitamina D que pode ser facilmente adquirido tomando banho de luz solar (Sem protetor solar) por aproximadamente 15 a 30 minutos entre as 10:00 as 14:00 hrs todos os dias. Você também pode optar por um suplemento.

Apesar desses tratamentos comprovadamente eficazes ser suprimidos pelas grandes indústrias farmacêuticas que tem em seus bolsos, políticos, lobistas, organizações de saúde e a mais terrível, a grande mídia convencional -  Muitos estudos mostraram que a vitamina D previne, ajuda no tratamento e quando uma pessoa é infectada os sintomas são leves. Não são hospitalizadas! Recomendado: A vitamina D poderia ter evitado 90% das mortes por coronavírus

Um estudo feito em novembro de 2020 descobriu que os pacientes com COVID-19 que tinham baixos níveis de vitamina D tinham uma chance maior de morrer da doença. O estudo publicado na Scientific Reports descobriu que pacientes graves com COVID-19 tinham níveis de vitamina D “marcadamente baixos” e altas respostas inflamatórias. Os autores indianos recomendaram “administração em massa de suplementos de vitamina D” para populações em risco de COVID-19. ”

The Epoch Times

Um grande volume de pesquisas deixa claro que esse hormônio produzido em nossa pele pode salvar vidas.

A vitamina D pode ajudar seu corpo a controlar a inflamação e prevenir “tempestades de citocinas” que se acredita serem um importante contribuinte para as mortes de COVID-19 


Um estudo posterior, de maio de 2021, também publicado na Scientific Reports , observou os efeitos positivos da vitamina D no sistema imunológico. Ele argumentou que a vitamina D promove a expressão de citocinas anti-inflamatórias e reduz as citocinas pró-inflamatórias. Muitos tratamentos COVID-19 se concentraram na eliminação do vírus no corpo em vez de regular a hiperinflamação causada por essas citocinas.

As citocinas são proteínas produzidas pelo corpo para controlar a inflamação. Essas citocinas são liberadas no caso de infecções, mas há momentos em que são produzidas citocinas em excesso do que o necessário. Esta “tempestade de citocinas” resultante torna-se perigosa - e tem sido associada à morte de pacientes COVID-19.

Os autores do estudo de maio de 2021 analisaram os efeitos da terapia com o Pulso D nos níveis de citocinas dos pacientes com COVID-19. A terapia de pulso D envolveu a suplementação diária de altas doses com vitamina D - tanto quanto 60.000 unidades internacionais (UI) - por um período de oito a 10 dias. A terapia foi realizada juntamente com a terapia padrão que os pacientes com COVID-19 receberam.

Os pacientes submetidos à terapia com Pulse D viram seus níveis de vitamina D aumentarem significativamente. Enquanto isso, seus marcadores inflamatórios diminuíram significativamente, sem quaisquer efeitos colaterais. Assim, os autores do estudo concluíram que a terapia Pulse D poderia ser adicionada com segurança aos protocolos de tratamento COVID-19 para melhores resultados.

Um estudo usando vitamina D3 também relatou o mesmo efeito


Outro estudo de junho de 2021 observou os efeitos positivos de um tipo de vitamina D em pacientes com COVID-19 na Espanha. O estudo publicado no Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism envolveu pesquisadores que administravam vitamina D3, também chamada de calcifediol, a pacientes na enfermaria COVID-19 do Hospital del Mar em Barcelona.

Cerca de metade dos pacientes recebeu 21.280 UI de vitamina D3 no primeiro dia do estudo, enquanto a outra metade não. O grupo de vitamina D3 recebeu um extra de 10.640 UI de calcifediol no terceiro, sétimo, 15º e 30º dias do estudo.

Os pacientes com COVID-19 que receberam vitamina D3 tiveram um desempenho significativamente melhor, com apenas 4,5 por cento necessitando de internação na unidade de terapia intensiva (UTI). Por outro lado, 21 por cento dos pacientes do grupo que não recebeu vitamina D3 necessitaram de internação na UTI. O tratamento com vitamina D3 também reduziu a taxa de mortalidade COVID-19, com apenas 4,7 por cento do grupo de vitamina D3 morrendo em comparação com a taxa de mortalidade de 15,9 por cento no grupo sem vitamina D3.

Os autores do estudo de junho de 2021 concluíram: “Em pacientes hospitalizados com COVID-19, o tratamento com calcifediol reduziu significativamente a admissão na UTI e a mortalidade.” Apresentado inicialmente em janeiro de 2021, foi publicado apenas em junho.

Mais informações com o Dr. Lair Ribeiro
CONTINUE LENDO APÓS PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO APÓS PUBLICIDADE

Compartilhe :Coronavírus: Estudos comprovam que a vitamina D pode salvar vidas

MARCADORES [Coletividade Evolutiva] Bem-estar | Ciência | Coronavírus | Covid-19 | Curas naturais | Curas-naturais | Estilo de vida saudável | Hidroxicloroquina | Ivermectina | saúde | Vitaminas


Autor: Fabio Allves
Criador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre, eu parti em uma missão em busca da verdade e despertar. Desde meu autoconhecimento há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. Questionando as raízes que constitui aparentemente nossa “realidade”, e como o condicionamento social afeta nossa busca coletiva pela verdade em todos os aspectos da vida. Tem como objetivo trazer às informações que está livremente correndo nas mãos do público, para ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar. REDES:Telegram -Instagram -BomPerfil -Likabout