GUERRA PELA ÁGUA: o último golpe na vida da humanidade

Sociedade e governo: GUERRA PELA ÁGUA: o último golpe na vida da humanidade... O avanço da estratégia de privatização da água no Brasil

Fabio Allves
Compartilhe:

Não é de hoje que as maiores corporações de alimentos e bebidas querem tornar a água em modo geral privatizada, principalmente Nestlé e Coca-cola, estão de olho na água potável de nosso planeta. O planeta esta constantemente em desenvolvimento assim como a humanidade, e por todo o mundo exitem milhares de fontes de água doce que estão sendo silenciosamente assaltadas por corporações, engarrafando água potável de bem público e vendendo como se fosse um mineral privado. Fato, que quanto mais essas corporações gastam água, menos elas "pagam" por ela.

O mineral mais precioso do mundo, a água, está no centro da disputa mundial do capitalismo e o seu território de atuação é o Brasil, onde existem as principais reservas potáveis de água do mundo, com estruturas de produção e serviços públicos sendo operados de maneira estatal por enquanto.

Como tenho alertado para esse golpe silencioso acontecendo agora, privatizar a água é privatizar a vida, estamos falando de tirar estatais, fontes e rios das mãos do público brasileiro e entregar para internacionais que poderão fazer o que bem-quiser, isso afetará toda a sociedade e principalmente os agricultores e a produção de alimentos - Estamos mais que nunca testemunhando o entreguismo das riquezas naturais do país para as mãos de poucos poderosos internacionais. 

Um exemplo disso, nos Estados Unidos, no Oregon estão deliberadamente privando os agricultores de acesso aos recursos hídricos essenciais de que precisam para o cultivo, mesmo quando esses recursos estão prontamente disponíveis.

O problema não é “seca”, ao que parece. Essa é apenas a história de capa para empurrar uma crise climática que eventualmente será invocada para justificar os "bloqueios climáticos". O verdadeiro problema é o governo corrupto.

Na Califórnia, o governo corrupto e criminoso está despejando água doce no oceano, drenando reservatórios que estavam quase cheios há apenas dois ou três anos . E em Oregon, o governo se recusa a liberar água do lago Upper Klamath, privando os fazendeiros rio abaixo da água que possuem por meio de direitos de uso de água já estabelecidos.

Essas táticas de restrição de água estão sendo deliberadamente transformadas em armas como parte de um plano arquitetado para destruir o suprimento de alimentos e falir os produtores de alimentos. A água existe para irrigar as plantações, mas essa água está sendo retida propositalmente.


Brasil, estão querendo privatizar o saneamento público, fontes e rios que pertencem a vocês


No atual momento histórico, está ocorrendo um acelerado processo para tornar a água propriedade privada de empresas internacionais. O Senado Federal aprovou a lei 4.162/2019, que trata da privatização do setor de saneamento no Brasil. 

As empresas querem o direito de posse exclusiva sobre os rios e bacias hidrográficas para estabelecer novos negócios. Após a recente aprovação do marco legal do saneamento, o PL 495/17, de autoria do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), o projeto poderá ser colocado na agenda globalista em breve. A exemplo do que aconteceu no Chile, por meio deste PL, as empresas passariam a ter acesso à outorga de forma perpétua e seriam liberadas a criar mercados de águas em bacias hidrográficas brasileiras.

A recente lei 14.026/20 (novo marco regulatório do saneamento) e o PL 495/2017 (mercado de águas) são a via concreta pelo qual poucos poderosos se apropriará do setor de saneamento e das reservas naturais de água em nosso país.

Segundo a nova lei lei 
4.162/2019, a partir de março de 2022, todos contratos de prestação de serviços de saneamento (o que inclui distribuição de água, coleta e tratamento de esgoto e resíduos) existentes entre os municípios brasileiros e as estatais de saneamento, em sua maioria, poderão ser revisados e reavaliados.

Ao invés de continuarem a existir os contratos de programa, será obrigatório a realização de editais de licitação entre empresas públicas e privadas, que poderão acarretar, em menos de dois anos, na privatização da maioria dos serviços de saneamento no país.

Isso significa que, se antes, a privatização era uma possibilidade dentro da legislação do saneamento, agora, tornou-se quase que uma obrigação, no novo marco legal. Entenderam bem, obrigação entregar para poucos poderosos. Isso significa que os novos donos, podem optar por não fornecer a água de forma padrão em que estamos até o momento, mais cobrar tanto o tratamento, fornecimento e a água em si como se cobra litros de gasolina, tanto também aumentar os preços do serviço.

Muitos acreditam que pagam pela água, no entanto, pagam, pelo tratamento e fornecimento dela, ou seja, quanto mais você usa o serviço da estatal você paga, mas não pela água em si, mas pelo tempo que utilizou o serviço. Mas os governantes estão elaborando leis para que poucos poderosos tomem o domínio dela para sempre, na forma de privatizações. Entregar a água para poucos poderosos corporativos internacionais, eles terão o poder de controlar quem vive e quem morre, pois, quem não poder pagar por tal bem tão essencial para vida, significa sentenciá-lo a morte.
Publicidade
Publicidade

Publicidade

Veja Também

Explore mais sobre:

Brasil , Governo , Notícias alternativas , Sociedade , Sociedade e governo , Coletividade Evolutiva , GUERRA PELA ÁGUA: o último golpe na vida da humanidade ,
Compartilhe:
RELATAR ERROS:
Fabio Allves

Autor: Fabio Allves

Criador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre, eu parti em uma missão em busca da verdade e despertar. Desde meu autoconhecimento há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. Questionando as raízes que constitui aparentemente nossa “realidade”, e como o condicionamento social afeta nossa busca coletiva pela verdade em todos os aspectos da vida. Tem como objetivo trazer às informações que está livremente correndo nas mãos do público, para ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar.