O uso de máscara está te deixando receptivo para o vírus e prejudicando sua saúde, revela a ciência

Tecnologia: O uso de máscara está te deixando receptivo para o vírus e prejudicando sua saúde, revela a ciência - Uso prolongado de máscara está associado a dores de cabeça e níveis reduzidos de oxigênio no sangue, que podem enfraquecer o sistema imunológico.

Fabio Allves
O uso máscara está te deixando receptivo para o vírus, revela a ciência

Houve extensos estudos randomizados controlados e análises de meta-análises dos estudos sobre estudos randomizados controlados, que mostram que máscaras e respiradores não funcionam para prevenir doenças respiratórias semelhantes à influenza ou doenças respiratórias que se acredita serem transmitidas por gotículas e partículas de aerossóis como é o caso do coronavírus Covid-19. No entanto, centenas de estudos revelam que o uso de máscara do tipo tecido ou N95, na verdade, prejudica o individuo.

O neurocirurgião aposentado Dr. Russel Blaylock destacou uma série de estudos que associam o uso prolongado de máscara a dores de cabeça e níveis reduzidos de oxigênio no sangue, que podem enfraquecer o sistema imunológico. Os sintomas os mais comuns do hypoxemia (queda de oxigênio no sangue, isso faz enfraquecer o sistema imune e leva a falta de ar por conta da queda de saturação de oxigênio no sangue)  outras incluem a dor de cabeça, a frequência cardíaca rápida, tossir, a falta de ar, chiar, a confusão, e o blueness das membranas da pele e do muco (cianose)

A diminuição de oxigênio no sangue vai elevar o dióxido de carbono, então sim! É verdade que respirar o mesmo ar do pulmão usando máscara, irá oxidar seu sangue e provoca consequências.


A medida da saturação do oxigênio é particularmente importante para pacientes com normas sanitárias que podem reduzir o nível de oxigênio no sangue. Estas circunstâncias incluem a doença pulmonar obstrutiva crônica (COPD), a asma, a pneumonia, o câncer pulmonar, a anemia, a parada cardíaca, o cardíaco de ataque, e outras desordens cardiopulmonares.    

Um teste do gás de sangue é uma outra aproximação para medir exatamente o nível de dióxido do oxigênio e de carbono no sangue. Para o teste, o sangue pode ser recolhido do pulso (teste do gás de sangue arterial) ou do lóbulo da orelha (teste capilar do gás de sangue). Este teste é usado principalmente para determinar se os pulmões são inteiramente - funcional trocar eficazmente o dióxido do oxigênio e de carbono.

Para o teste, uma pequena quantidade de sangue é tomada do paciente e analisada em um analisador de gás portátil do sangue, que forneça a informação no oxigênio, no dióxido de carbono, e nos níveis do pH no sangue. Um paciente com doença pulmonar obstrutiva crônica (COPD) terá reduzido níveis do oxigênio e do pH e níveis aumentados do dióxido de carbono no sangue. Evidentemente isso indica que qualquer queda de oxigênio no sangue, eleva carbono no mesmo.

O uso prolongado de máscara e seus efeitos catastróficos para a saúde


Em um artigo publicado pela Technocracy News, o Dr. Russel Blaylock escreveu que os efeitos colaterais do uso prolongado de uma máscara facial "podem variar de dores de cabeça ao aumento da resistência das vias aéreas, acúmulo de dióxido de carbono, hipóxia, até complicações graves com risco de vida. "

Um estudo mais recente com 159 profissionais de saúde com idades entre 21 e 35 anos descobriu que 81% desenvolveram dores de cabeça por meio do uso de máscaras faciais, a um nível em que seu desempenho no trabalho foi afetado.

Um terceiro estudo mediu o oxigênio no sangue de 53 cirurgiões usando um oxímetro antes e depois da cirurgia.

"Os pesquisadores descobriram que a máscara reduziu significativamente os níveis de oxigênio no sangue (pa02). Quanto mais tempo a máscara durar, maior será a queda nos níveis de oxigênio no sangue", escreveu Blaylock.

Outro estudo concluiu: considerando nossos achados, as taxas de pulso de aumento de saturação de oxigênio das pulsações arteriais (SpO2) do cirurgião diminuem após a primeira hora. Essa alteração precoce na SpO2 pode ser devido à máscara facial ou ao estresse operacional. Visto que uma diminuição muito pequena na saturação neste nível reflete uma grande diminuição nos níveis de oxigênio no sangue (pa02), nossos achados podem ter um valor clínico para os profissionais de saúde e os cirurgiões.

O potencial das máscaras para reduzir os níveis de oxigênio no usuário é importante não apenas porque pode levar ao desmaio, mas também porque elas têm sido associadas à redução da imunidade natural e provocação de falta de ar. 

"Em essência, sua máscara pode muito bem colocar você em um risco maior de infecções e, se for o caso, ter um resultado muito pior", escreveu ele.

Desde o início da pandemia, presumiu-se que o coronavírus se comportava como outros vírus respiratórios em termos de disseminação e sintomas. No entanto, Dr. Russel Blaylock aponta para um estudo de 2012 intitulado "O uso de máscaras e respiradores para prevenir a transmissão da gripe: uma revisão sistemática das evidências científicas", que analisou 17 dos melhores estudos na área e concluiu: 

"Nenhum dos estudos estabeleceram uma relação conclusiva entre o uso de máscara / respirador e a proteção contra a infecção por influenza. ”

Ele também destaca que tanto o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) quanto a Organização Mundial da Saúde recomendaram inicialmente que apenas aqueles já sabidamente infectados pelo coronavírus usassem máscara, para minimizar a disseminação para outras pessoas, política que também é considerada boa prática em relação a outras doenças.

“Quando uma pessoa tem tuberculose, fazemos com que ela use uma máscara, não toda a comunidade de não infectados”, escreveu Dr. Russel Blaylock. "

As recomendações do CDC e da OMS [para que todos usem uma máscara] não são baseadas em nenhum estudo desse vírus e nunca foram usadas para conter qualquer outro vírus pandêmico ou epidêmico na história."

Importante

Dr. Russel Blaylock diz que fica ainda mais assustador ao ver que evidências mais recentes sugerem que, em alguns casos, o vírus pode entrar no cérebro. 11,12 Na maioria dos casos, ele entra no cérebro por meio dos nervos olfativos (nervos olfativos), que se conectam diretamente com a área do cérebro que trata da memória recente e da consolidação da memória. Ao usar uma máscara, os vírus exalados não serão capazes de escapar e se concentrarão nas passagens nasais, entrarão nos nervos olfativos e viajarão para o cérebro. 

Se você quiser ver mais estudos semelhantes, basta entrar no PubMed.gov 
Continue lendo após publicidade
Continue lendo após publicidade

Compartilhe :O uso de máscara está te deixando receptivo para o vírus e prejudicando sua saúde, revela a ciência

MARCADORES [Coletividade Evolutiva] Ciência | Ciência e tecnologia | Coronavírus | Covid-19 | Notícias alternativas | Pandemias | saúde | Saúde e medicina | Sociedade | Tecnologia


Autor: Fabio Allves
Criador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre, eu parti em uma missão em busca da verdade e despertar. Desde meu autoconhecimento há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. Questionando as raízes que constitui aparentemente nossa “realidade”, e como o condicionamento social afeta nossa busca coletiva pela verdade em todos os aspectos da vida. Tem como objetivo trazer às informações que está livremente correndo nas mãos do público, para ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar.