URGENTE: Relatório revela mais de 240 mortes após a vacinação contra o coronavírus

Vacinação: URGENTE: Relatório revela mais de 240 mortes após a vacinação contra o coronavírus - Uma revisão de segurança de vacinas do governo do Reino Unido revelou que 244 pessoas, incluindo 8 bebês em gestação("aborto espontâneo"), morreram

Coletividade Evolutiva
URGENTE: Relatório revela mais de 240 mortes após a vacinação contra o coronavírus

A redução populacional através de uma vacina como disse o eugenista Bill Gates alguns anos atrás, começou a todo vapor e continua, e agências, organizações e autoridades estão sendo cúmplices do genocídio induzido - Uma revisão de segurança de vacinas do governo do Reino Unido revelou que 244 pessoas, incluindo 8 bebês em gestação("aborto espontâneo"), morreram na Grã-Bretanha logo após receberem uma das duas vacinas atualmente em uso no Reino Unido, que são a Pfizer / BioNTech e a Oxford/ AstraZeneca que também está em uso no Brasil contra o coronavírus. O governo disse ainda não acreditar que as vacinas sejam as responsáveis é claro.

Lamentável saber que as mortes induzidas por vacinas contra o coronavírus da China no Brasil estão sendo ocultadas e varridas para o saco chamado Covid-19, enquanto que países de primeiro mundo como o Reino Unido tem um sistema de monitoramento de segurança de vacina eficaz e que é aberto ao público. Recomendado: A solução esperada para o Covid-19 pode ser a arma de despovoamento final da humanidade

Em um extenso relatório divulgado em 11 de fevereiro, o governo do Reino Unido detalhou todas as reações adversas relatadas tanto pela equipe médica quanto pelos próprios receptores da vacina COVID-19. O escopo do relatório incluiu todos os casos entre o início de dezembro de 2020 e o final de janeiro de 2021.

De acordo com o comunicado, a Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos de Saúde (MHRA) recebeu 143 notificações de reações adversas atribuídas a vacina da Pfizer / BioNTech. A vacina Oxford/ AstraZeneca feita em parceria com a Universidade de Oxford relatou 90 reações adversas. Houve três reações em que a marca da vacina não foi mencionada. Além disso, um total de oito abortos espontâneos foram relatados após a vacinação COVID-19 - cinco para a vacina Pfizer / BioNTech e três para a vacina candidata Oxford/ AstraZeneca.

A MHRA recebeu 143 notificações no Reino Unido de suspeitas de RAMs para a vacina Pfizer / BioNTech nas quais o paciente morreu logo após a vacinação, 90 notificações para a vacina da Universidade de Oxford / AstraZeneca e 3 em que a marca da vacina não foi especificada. A maioria dessas notificações foi em idosos ou pessoas com doenças subjacentes. A revisão de relatórios individuais e padrões de relatórios não sugere que a vacina tenha desempenhado um papel na morte.

Para monitorar ainda mais a segurança da vacina juntamente com os esforços de imunização em massa, a MHRA introduziu um esquema de cartão amarelo para coletar relatórios de quaisquer efeitos colaterais suspeitos. Mais de 20.000 relatórios de cartão amarelo foram vinculados à vacina Pfizer / BioNTech. Por outro lado, a vacina Oxford/ AstraZeneca lançado em 4 de janeiro teve 11.748 repetições de cartões amarelos. Setenta e dois relatórios do Cartão Amarelo não especificaram a marca da vacina.

Pessoas idosas ou com doenças de base constituíram a maioria dos relatos. No entanto, o governo disse que nenhuma das vacinas teve um papel nas fatalidades com base em uma revisão de relatórios individuais e padrões de relatórios é claro, - a culpa nunca é das vacinas que são experimentais por ser criadas em menos de 1 ano. Veja também: Relatório do Reino Unido: Efeitos adversos das VACINAS COVID-19 de todos os tipos

O relatório mencionou que, para ambas as vacinas, uma grande maioria relatou reações no local da injeção, como braços doloridos e sintomas generalizados. Esses sintomas generalizados incluem dor de cabeça, calafrios, fadiga, febre, tonturas e dores musculares que muitas autoridades de saúde estão banalizando como normal. Eles acontecem logo após a vacinação e não estão associados a doenças mais graves. No entanto, “reações adversas mais graves associadas a anafilaxia, paralisia de Bell ou reações anafilactoides” também foram relatadas - 130 para a vacina Pfizer / BioNTech e 30 para a vacina Oxford/ AstraZeneca.

Para ambas as vacinas, a grande maioria dos relatos está relacionada a reações no local da injeção (braço dolorido, por exemplo) e sintomas generalizados, como doença 'semelhante à gripe', dor de cabeça, calafrios, fadiga (cansaço), náusea (sensação de enjôo), febre, tontura, fraqueza, músculos doloridos e taquicardia. Geralmente, eles acontecem logo após a vacinação e não estão associados a doenças mais graves ou duradouras.

Suspeita de reações adversas após receber a vacina de Oxford / AstraZeneca também utilizada no Brasil


Um total de 42.649 suspeitos de efeitos colaterais foram registrados após o uso da vacina da Oxford / AstraZeneca. Um total de  59.614 efeitos colaterais suspeitos  foram registrados após o uso da vacina Pfizer / BioNTech. No entanto, vamos focar na que estão utilizando no Brasil.

O link para a análise da vacina Oxford/ AstraZeneca indica que 202 doenças do sangue foram relatadas após a inoculação, 171 deles, casos de nódulos linfáticos alterados. Foram relatados 406 distúrbios cardíacos, notavelmente palpitações (214) e frequência cardíaca acelerada (141). 203 distúrbios de ouvido foram relatados, incluindo dor de ouvido (88), vertigem (41) e vários graus de perda auditiva (31).

Houve 456 referências a distúrbios oculares, incluindo 191 relatos de dor ocular, 53 relatos de visão turva e 8 de cegueira. Foram notificados 4.693 pedidos gastrointestinais, entre eles 2.320 casos de náuseas, 479 casos de diarreia, 862 casos de vômitos e 235 casos de dor abdominal. Dos 15.644 “distúrbios gerais” relatados, 2.658 eram fadiga, 4.562 eram febres, 2.971 eram calafrios, 100 eram dores no local da vacinação, 579 eram “doenças semelhantes à influenza”. Houve 90 distúrbios do sistema imunológico, novamente principalmente hipersensibilidade (39) e reações anafiláticas (28).

Houve 695 infecções relatadas, incluindo 42 casos (incluindo 2 “casos suspeitos”) da própria Covid-19, 358 casos de influenza e 74 infecções do trato respiratório superior.

Foram notificadas 112 lesões e 491 distúrbios metabólicos, dos quais 430 foram diminuição do apetite. Houve 5.427 distúrbios musculares e teciduais, incluindo 1.983 casos de dores musculares e 1.281 de dores nas articulações. Foram relatados 9.328 distúrbios nervosos, incluindo 5.112 dores de cabeça, 1.207 casos de tontura, 40 convulsões e 5 casos de paralisia.

Ocorreram 3 "abortos espontâneos" ou provavelmente induzidos pela vacina.

748 transtornos psiquiátricos foram relatados, incluindo insônia (195), estado confuso (92) e alucinações (64). Foram relatados 112 distúrbios renais e urinários, incluindo dor renal (48) e micção frequente (22). Foram notificados 83 distúrbios reprodutivos e mamários.

Dos 1.030 distúrbios respiratórios relatados, 282 foram casos de dificuldade para respirar, 209 foram dores de garganta e 169 foram casos de tosse. 2.052 doenças de pele foram relatadas, especialmente sudorese excessiva (615), erupções cutâneas (271) e coceira (224. As 337 doenças vasculares registradas incluíram 121 afrontamentos.

Continue lendo após publicidade
Continue lendo após publicidade

Compartilhe :URGENTE: Relatório revela mais de 240 mortes após a vacinação contra o coronavírus

MARCADORES [Coletividade Evolutiva] Bill gates | Coronavírus | Covid-19 | descobrindo | Governo | saúde | Saúde e medicina | Sociedade | Vacina | Vacinação


Autor: Coletividade Evolutiva
O Coletividade Evolutiva, esta ligado ao dever e justiça de informar a sociedade de forma que ajudarão a viver melhor, enxergar através das cortinas que nos limitam o pensamento, quebrando assim as velhas formas de pensar. Examinamos o que percebemos como os problemas mais importantes em nossa sociedade atual, discutimos possíveis soluções e alternativas que podem nos ajudar a reconstruir nossa sociedade.Publicamos informações que nos desafiam o pensamento e os nossos preconceitos.