O uso das vacinas experimentais COVID-19 está violando o Código de Nuremberg e de Helsink

Compartilhe
O uso das vacinas experimentais COVID-19 está violando o Código de Nurember e de Helsink

Atualmente, estamos testemunhando uma violação moderna do código de ética médica de Nuremberg, e o de Helsink, leis validas globalmente que sobrepõe a qualquer imposição ou lei de qualquer país, pode se recorrer ao Tribunal Mundial. O código de Nuremberg foi estabelecido após a Segunda Guerra Mundial, após os julgamentos de Nuremberg. O código de Nuremberg é um conjunto de princípios e ética em pesquisa para experimentação em seres humanos que foram adotados após o estabelecimento médico da Alemanha torturar e massacrar inúmeras pessoas inocentes em experimentos médicos realizados durante o Holocausto. Veja abaixo.

Também estamos testemunhando uma violação moderna da Declaração de Helsink é um conjunto de princípios éticos que regem experimentos com seres humanos, e foi redigida pela Associação Médica Mundial em 1964. Posteriormente, foi revisada 7 vezes, sendo sua última revisão em outubro de 2013, durante a Assembleia Anual da Associação Médica Mundial ( WMA ) em Fortaleza, e teve dois esclarecimentos. A Declaração é um importante documento na história da ética em experimentos em humanos, e surge como o primeiro esforço significativo da comunidade médica para regulamentar a investigação em si. É considerada como sendo o 1º padrão internacional de pesquisa biomédica e constitui a base da maioria dos documentos subsequentes. Veja abaixo.

Nos dias atuais estamos vendo a violação dessas duas Leis Globais com o apressamento de vacinas experimentais numca testadas em humanos antes sendo injetadas em humanos,em massa, que nem mesmo os órgãos reguladores sabem dos seus possíveis efeitos a longo prazo, pois as vacinas foram criadas em menos de um ano quando no mínimo pode-se criar a substância injetável em 5 a 10 anos, portanto, não tem como saber qual será o resultado dessas vacinações Covid-19 experimentais daqui a 1,2,3,4,5, e assim por diante, no entanto, já estamos vendo mortes em massa após pessoas serem vacinadas - não se sabe se vai causar uma lesão ou uma doença mortal futura ou danificar o sistema imune, porém sabemos que após alguns dias após vacinações, pessoas começam a morrer ou a ter sérios problemas de saúde.

O Supremo Tribunal Federal (STF) deu autorização para que os governos locais possam estabelecer medidas para vacinação compulsória da população contra a Covid-19. Conforme o entendimento dos "ditadores", A União, os estados, o Distrito Federal e os municípios podem estabelecer medidas legais pela obrigatoriedade, mas não podem determinar por enquanto a vacinação força. Em  outras palavras, governadores tem a escolha de passar de governador para ditadores, impor restrições aos que não optar não vacinar, ou seja, uma violação constitucional atrás da outra, restringir cidadãos por não tomar vacinas, e um modo de coagir para tomar vacina, essa é uma violação da constituição.

O que estão fazendo é um crime global conforme estabelecido no Código de Nuremberg, que é uma lei ética valida globalmente.


EXPERIÊNCIAS MÉDICAS QUANDO PODEM SER PERMITIDAS

 Os protagonistas da prática da experimentação humana justificam seus pontos de vista com base no fato de que tais experimentos produzem resultados para o bem da sociedade que são impossíveis de obter por outros métodos ou meios de estudo (já temos a hidroxicloroquina). Todos concordam, porém, que certos princípios básicos devem ser observados a fim de satisfazer os conceitos morais, éticos e legais:

1. O consentimento voluntário do sujeito humano é absolutamente essencial. OBS: (O problema é que muitos estão sendo enganados ou iludidos com informações orquestradas de vacinas Covid-19 e consentino tomar)

Isso significa que a pessoa envolvida deve ter capacidade legal para dar consentimento; deve estar situado de forma a ser capaz de exercer o livre poder de escolha, sem a intervenção de qualquer elemento de força, fraude, engano, coação, exagero ou outra forma ulterior de restrição ou coerção; e deve ter conhecimento e compreensão suficientes dos elementos do assunto envolvido, de modo a capacitá-lo a tomar uma decisão compreensiva e esclarecida. Este último elemento requer que, antes da aceitação de uma decisão afirmativa pelo sujeito experimental, seja dado a ele conhecimento da natureza, duração e propósito do experimento; o método e os meios pelos quais deve ser conduzido; todos os inconvenientes e perigos razoavelmente esperados;

O dever e a responsabilidade de verificar a qualidade do consentimento recaem sobre cada indivíduo que inicia, dirige ou se engaja no experimento. É um dever e responsabilidade pessoal que não pode ser delegado impunemente a outrem.

2. O experimento deve produzir resultados frutíferos para o bem da sociedade, improcuráveis ​​por outros métodos ou meios de estudo, e não aleatórios e desnecessários por natureza.

3. O experimento deve ser planejado e baseado nos resultados da experimentação animal e no conhecimento da história natural da doença ou outro problema em estudo, de forma que os resultados esperados justifiquem a realização do experimento.

4. O experimento deve ser conduzido de forma a evitar todos os sofrimentos e lesões físicas e mentais desnecessárias.

5. Nenhum experimento deve ser conduzido onde há uma razão a priori para acreditar que ocorrerá morte ou lesão incapacitante; exceto, talvez, naqueles experimentos em que os médicos experimentais também servem como sujeitos.

6. O grau de risco a ser assumido nunca deve exceder aquele determinado pela importância humanitária do problema a ser resolvido pelo experimento.

7. Os preparativos adequados devem ser feitos e instalações adequadas fornecidas para proteger o sujeito experimental contra possibilidades remotas de lesão, deficiência ou morte.

8. O experimento deve ser conduzido apenas por pessoas cientificamente qualificadas. O mais alto grau de habilidade e cuidado deve ser exigido em todos os estágios do experimento daqueles que conduzem ou se engajam no experimento.

9. Durante o curso do experimento, o sujeito humano deve ter a liberdade de encerrar o experimento se tiver atingido o estado físico ou mental em que a continuação do experimento lhe pareça impossível.

10. Durante o curso do experimento, o cientista responsável deve estar preparado para encerrar o experimento em qualquer estágio, se ele provavelmente tiver motivos para acreditar, no exercício da boa fé, habilidade superior e julgamento cuidadoso exigidos dele que uma continuação do experimento provavelmente resultará em lesões, invalidez ou morte para o sujeito experimental.

Dos dez princípios que foram enumerados, nossa preocupação judicial, é claro, é com aqueles requisitos que são de natureza puramente legal - ou que, pelo menos, estão tão claramente relacionados a questões jurídicas que nos ajudam a determinar a culpabilidade e punição criminais.

Introdução Helsink


É missão do médico salvaguardar a saúde do povo. O conhecimento e consciência dele ou dela são devotados ao cumprimento desta missão.

A Declaração de Genebra da Associação Médica Mundial vincula o médico com o mundo. "A saúde de meu paciente será a minha principal consideração" e o Código Internacional de Ética Médica declara que "Qualquer ato ou Conselho que possa vir a reduzir a resistência física ou mental de um ser humano só poderá ser usado em seu interesse".

A finalidade da pesquisa médica envolvendo seres humanos deve ser o aperfeiçoamento do diagnóstico, procedimentos terapêuticos e profiláticos e a compreensão da etiologia e da patologia da doença.

Na prática médica atual, a maioria dos diagnósticos, procedimentos terapêuticos e profiláticos envolve riscos. Isto se aplica "a fortiori" à pesquisa biomédica.

O processo médico baseia-se na pesquisa a qual em última análise deve alicerçar-se em parte em experiência envolvendo seres humanos.

No campo da pesquisa biomédica, uma distinção fundamental deve ser feita entre a pesquisa médica na qual o objetivo é essencialmente o diagnóstico ou a terapêutica para um paciente e a pesquisa médica, cujo objeto essencial é puramente científico e sem um valor direto diagnóstico ou terapêutico para a pessoa sujeita à pesquisa.

Deve ser tomado um cuidado especial na condução de pesquisa que possa afetar o meio ambiente e ainda o bem estar dos animais utilizados para a pesquisa deve ser respeito.

Devido ao fato de que é essencial que os resultados de experiências de laboratório sejam aplicados aos seres humanos para maior conhecimento científico, e a fim de amenizar o sofrimento da humanidade, a Associação Médica Mundial elaborou as seguintes recomendações como um guia para todo médico na pesquisa biomédica envolvendo seres humanos. Elas devem ser revistas no futuro. Deve-se acentuar que os padrões conforme delineados são apenas um guia para os médicos de todo o mundo. Os médicos não estão isentos de responsabilidades criminais, civis e éticas segundo as leis de seus próprios países.

I - Princípios básicos


1 A pesquisa biomédica que envolve seres humanos deve estar de acordo com os princípios científicos geralmente aceitos e basear-se tanto na experimentação, adequadamente conduzida com animais ou em laboratório, como no conhecimento profundo da literatura científica.

2 O planejamento e a execução de qualquer procedimento experimental que envolve seres humanos devem ser claramente formulados em protocolo experimental (projeto de pesquisa) a ser encaminhado para consideração, comentários e orientação a um comitê independente do pesquisador e do patrocinador, este comitê deve estar de acordo com as leis e regulamentos do país no qual a pesquisa irá se desenvolver.

3 A pesquisa biomédica que envolve seres humanos deve ser conduzida apenas por pessoal com qualificação científica e sob a supervisão de um médico com competência clínica. A responsabilidade sobre o ser humano deve recair sempre sobre a pessoa com qualificação médica e nunca sobre o indivíduo submetido à pesquisa, mesmo que esse indivíduo tenha dado seu consentimento.

4 A pesquisa biomédica que envolve seres humanos só pode ser conduzida com legitimidade quando a importância do objetivo for proporcional ao risco inerente ao trabalho.

5 Todo projeto de pesquisa biomédica que envolve seres humanos deve ser precedido por uma avaliação cuidadosa dos riscos previsíveis e dos possíveis benefícios, tanto para o indivíduo submetido à experimentação como para os outros. Os interesses do indivíduo devem prevalecer sobre os interesses da ciência e da sociedade.

6 Deve ser sempre respeitado o direito do indivíduo submetido à pesquisa em preservar a sua integridade. Devem ser tomadas todas as precauções para respeitar a privacidade do indivíduo e minimizar o dano que a pesquisa possa causar à sua integridade física e mental e à sua personalidade.

7 Os médicos devem evitar comprometer-se em projetos de pesquisa que envolvem o uso de seres humanos, a menos que estejam convencidos de que os riscos envolvidos são previsíveis. Os médicos devem interromper qualquer pesquisa se observarem que os riscos são maiores do que os possíveis benefícios.

8 Na publicação dos resultados da pesquisa, o médico é obrigado a preservar a precisão dos resultados. Não devem ser aceitos para publicação os relatos de experimentos que não estejam em conformidade com os princípios estabelecidos nesta Declaração.

9 Em qualquer pesquisa com seres humanos, cada participante em potencial deve ser adequadamente informado sobre as finalidades, os métodos, os benefícios esperados, os possíveis riscos e sobre o desconforto que a pesquisa possa trazer. O participante em potencial deve ser informado de que tem plena liberdade para se abster de participação na pesquisa e de que é livre para suspender o consentimento sobre sua participação a qualquer momento. O médico deve obter então o consentimento informado, dado de forma livre e preferentemente por escrito.

10 Na obtenção de consentimento informado para projeto de pesquisa, o médico deve ser particularmente cuidadoso com o indivíduo que, de alguma forma, dependa dele ou possa ter concordado sob pressão. Nesse caso, o consentimento informado deve ser obtido por um médico que não esteja envolvido na pesquisa e que seja completamente independente nesse relacionamento oficial.

11 No caso de incompetência legal, o consentimento informado deve ser dado pelo responsável, estabelecido segundo a legislação do país. Se a capacidade física e mental tornar impossível obter consentimento informado ou se o participante for menor de idade, a permissão dada por um parente responsável substitui a do participante, de acordo com a legislação de cada país.
Sempre que a criança for de fato capaz de dar seu consentimento, este deve ser obtido em acréscimo àquele fornecido pelo seu guardião legal.

12 O protocolo de pesquisa deve sempre conter uma declaração sobre as considerações éticas envolvidas e indicar se foram cumpridos os princípios enunciados na presente Declaração.

II - Pesquisa médica combinada com cuidados profissionais (Pesquisas clínicas)

1 O médico deve ser livre para usar novo método de diagnóstico ou terapia no tratamento de pessoas doentes se, de acordo com o seu julgamento, este novo método trouxer a esperança de salvar a vida, restabelecer a saúde ou aliviar o sofrimento.

2 Os possíveis benefícios, riscos e desconfortos de um novo método devem ser contrabalançados com as vantagens dos melhores métodos correntes de diagnóstico e terapia.

3 Em qualquer estudo médico deve ser garantido o melhor método corrente de diagnóstico e terapia para cada paciente - incluindo os do grupo-controle, se houver esse grupo no estudo.

4 O fato de um paciente se recusar a participar de uma pesquisa nunca deve interferir no relacionamento médico-paciente.

5 Se o médico considerar que é fundamental não obter consentimento informado, as razões específicas para este propósito devem ser explicadas no protocolo do experimento para conhecimento da comissão independente (artigos I.1 e I.2).

6 O médico pode combinar pesquisa médica com cuidados profissionais, com o objetivo de adquirir novos conhecimentos médicos, somente se a pesquisa médica seja justificada pelo potencial valor diagnóstico ou terapêutico para o paciente.

III - Pesquisa biomédica não-terapêutica envolvendo seres humanos - (Pesquisa biomédica não-clínica)

1 Na aplicação puramente científica da pesquisa médica conduzida em ser humano, é dever do médico permanecer como protetor da vida e da saúde da pessoa na qual a pesquisa está sendo realizada.

2 Os participantes devem ser voluntários, sejam pessoas saudáveis ou pacientes, nestes o delineamento experimental não deve estar relacionado à sua doença.

3 O pesquisador ou a equipe de pesquisa devem interromper a pesquisa se julgarem que a continuação possa ser prejudicial ao participante.

4 Na pesquisa com seres humanos, as considerações sobre o bem-estar dos participantes da pesquisa devem prevalecer sobre os interesses da ciência e da sociedade.

Você pode nos ajudar e ajudar você mesmo, comprando o E-book (Cultivando Horta Orgânica)- Nessa "pandemia" um colapso está chegando, principalmente de alimentos, - Cultive seus próprios alimentos em casa enquanto há tempo, mesmo sendo iniciante produza alimentos orgânicos, livres de agrotóxicos e fique preparado para o colapso...Comprar E-book

Precisamos do seu apoio para continuar nosso jornalismo baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado Profundo que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Por favor, considere apoiar o nosso site.Fazer uma doação!
Compartilhe
Continue lendo após publicidade
Continue lendo após publicidade

Fabio Allves

Fabio Allves
Criador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre, eu parti em uma missão em busca da verdade e despertar. Desde meu autoconhecimento há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. Questionando as raízes que constitui aparentemente nossa “realidade”, e como o condicionamento social afeta nossa busca coletiva pela verdade em todos os aspectos da vida. Tem como objetivo trazer às informações que está livremente correndo nas mãos do público, para ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar. | Telegram
Tags: ,