Milhões de falsos positivos para Covid-19 resultando em uma pandemia

Saúde e medicina - Milhões de falsos positivos para Covid-19 resultando em uma pandemia

Compartilhe
Milhões de falsos positivos para Covid-19 resultando em uma pandemia

Apesar da enxurrada de testes sendo feitos, e constando aumento de números de casos de Covid-19, ninguém parece questionar a narrativa que pode muito bem está acontecendo falsos positivos para Covid-19 resultando em aumento dos casos. Mas, nos últimos meses, agências governamentais começaram a admitir que os métodos de teste para Covid-19 que estão usando, podem não ser tão precisos quanto gostariam que fossem. Agências como os Centros para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) e a agência reguladora  Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos, reconhecem que um número crescente de resultados de testes chamados positivos são, na verdade, falsos positivos. 

FDA reconhece aumento de falsos positivos à medida que casos reais diminuem


Em 3 de novembro, a agência reguladora dos Estados Unidos, FDA, lançou novas diretrizes para o teste rápido de antígenos para Covid-19 que reconheceu uma alta probabilidade de resultados incorretos. As diretrizes afirmam que os profissionais de saúde “devem esperar que alguns resultados [falsos-positivos] ocorram”. Isso ocorreria mesmo quando testes “muito precisos” fossem usados ​​para rastrear grandes populações com “uma baixa prevalência de infecção”.

O FDA declarou que a precisão dos testes rápidos depende quase totalmente da quantidade de Covid-19 na população que está sendo testada, declarando: “À medida que a prevalência da doença diminui, a porcentagem de resultados de teste que são falsos positivos aumenta”.

Como exemplo, o FDA declarou que um teste com 98 por cento de especificidade triagem com precisão "pouco mais de 80% em uma população com prevalência de 10%". Isso significaria que 20 em 100 resultados positivos seriam falsos positivos.

A agência acrescentou que em uma população com prevalência de apenas 1%, apenas 30% das pessoas com teste positivo para a doença o teriam. O FDA também detalha uma série de razões adicionais para imprecisões de testes rápidos. Isso incluiu contaminação cruzada e complicações no processamento de amostras em lotes. 

CDC também reconhece testes falhos de PCR


O CDC seguiu as recomendações do FDA. Afirmou que os testes de antígeno“ não são 100% precisos ”, admitindo que podem ocorrer resultados falsos positivos e falsos negativos.

“Os resultados do teste de anticorpos não devem ser usados ​​para determinar se alguém pode voltar ao trabalho”, afirmou o CDC, acrescentando que isso também se aplica a escolas, dormitórios e até mesmo estabelecimentos correcionais.

“Pessoas que recebem resultados positivos em um teste de anticorpos, mas não apresentam sintomas de COVID-19 e não estiveram perto de alguém que possa ter COVID-19, não têm probabilidade de ter uma infecção atual”, explicou a agência, afirmando que essas pessoas podem “continuar com as atividades normais”.

O CDC já havia emitido diretrizes semelhantes em agosto. No mesmo mês, um estudo publicado no Journal of Clinical Microbiology descobriu que testes rápidos com uma especificidade de 98 por cento usados ​​nas escolas americanas podem resultar em mais de 800.000 resultados falso-positivos todas as semanas.

Considerações

O teste COVID-19 é baseado na PCR, uma técnica de fabricação de DNA. Se o vírus existir, deve ser possível purificar as partículas virais.  O PCR, informa se existe RNA do vírus em amostra de naso-orofaringe. A partir dessas partículas, o ácido ribonucleico (RNA) pode ser extraído e deve corresponder ao RNA usado neste teste. Até que isso seja feito, é possível que o RNA venha de outra fonte, que poderia ser as células do paciente, bactérias, fungos etc. Pode haver uma associação com níveis elevados desse RNA e da doença, mas isso não prova que o RNA é de um vírus. Sem purificação e caracterização de partículas de vírus, não se pode aceitar que um teste de RNA seja prova de que um vírus está presente.

Em todo o mundo, inclusive no Brasil, governos já questionaram a eficácia dos testes de PCR. Portugal recentemente considerou o método não confiável . Enquanto isso, outras contestações legais estão pendentes na Alemanha, Itália, Suíça e África do Sul.
Compartilhe
Continue lendo após publicidade
Continue lendo após publicidade
Coletividade Evolutiva é uma mídia independente e alternativa, sem financiamento ou apoio por donos bilionários, políticos ou acionistas. Se gostou que acabou de ler, mostre seu apoio curtindo ou seguindo nas redes sociais, ou inscrevendo-se por E-mail para receber as últimas notícias. Siga.
Instagram | Facebook |Twitter |Telegram |>>NOS POIE

Fabio Allves

Fabio Allves
Criador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre, eu parti em uma missão em busca da verdade e despertar. Desde meu autoconhecimento há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. Questionando as raízes que constitui aparentemente nossa “realidade”, e como o condicionamento social afeta nossa busca coletiva pela verdade em todos os aspectos da vida. Tem como objetivo trazer às informações que está livremente correndo nas mãos do público, para ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar. | Telegram