Vacinação

3.150 pessoas sofreram efeitos adversos graves da vacina de mRNA

Vacinação: Eventos adversos: Incapaz de realizar as atividades diárias normais, incapaz de trabalhar, requer atendimento médico ou profissional de saúd...

Fabio Allves
Compartilhe:
Nos Apoie
Eventos adversos: Incapaz de realizar as atividades diárias normais, incapaz de trabalhar, requer atendimento médico ou profissional de saúde

Em 18 de dezembro foram registrados 3.150 mil pessoas que firam impossibilitadas de realizar as atividades diárias normais, impossibilitadas de trabalhar, necessitaram de atendimento médico ou profissional de saúde após terem recebido a vacina de nRNA contra a Covid-19, produzida pela Moderna e Pfizer-BioNTech. (Isso apenas com a primeira dose)  Foram relatadas reações anafiláticas em pessoas que receberam a vacina Pfizer-BioNTech Covid-19 fora dos ensaios clínicos.

As reações adversas causadas e que causarão uma epidemia com as vacinas de mRNA contra o coronavírus Covid-19 são tão esperadas que os Centros Para Controle e Prevenção de Doenças CDC dos Estados Unidos, revelou algumas considerações, que são esperados efeitos graves após as vacinações, como, por exemplo, efeitos adversos de anafilaxia.

Os sintomas de anafilaxia  incluem irritação na pele, náuseas, vômitos, dificuldade respiratória e choque hemorrágico (quando uma pessoa perde mais de 20% do sangue ou fluido corporal). Se não houver um tratamento imediato, geralmente com epinefrina, pode causar inconsciência ou morte.

O CDC considera uma história de reação alérgica grave, como anafilaxia a qualquer vacina ou a qualquer terapia injetável (por exemplo, intramuscular, intravenosa ou subcutânea) como uma precaução, apesar dos riscos de morte a longo prazo, o CDC não contraindica, à vacinação. Segundo o CDC os relatórios estão sendo investigados.
Publicidade
Publicidade
Explore mais em: Coronavírus , Covid-19 , Vacina , Vacinação
Compartilhe:
Nos Apoie com um donativo
Este artigo pode conter afirmações que refletem a opinião do autor

Para impulsionar sua saúde:

MAIS RECENTES