Mais de 34.000 especialistas em saúde assinam declaração contra os bloqueios da Covid-19

Compartilhar - estamos no |Telegram
Mais de 34.000 especialistas em saúde assinam declaração contra os bloqueios da Covid-19

Mais de 34.000 médicos e cientistas da saúde de todo o mundo assinaram uma petição contra os bloqueios das autoridades governantes de tentar supostamente conter a disseminação da COVID-19. Esses médicos e cientistas da saúde, estão dizendo que as medidas estão causando "danos irreparáveis", de acordo com uma petição online inicialmente criada por três epidemiologistas de co-autoria do Dr. Martin Kulldorff, professor da Universidade de Harvard e epidemiologista com experiência na detecção e monitoramento de doenças infecciosas; Dr. Sunetra Gupta, professor da Universidade de Oxford e epidemiologista com experiência em imunologia; e Dr. Jay Bhattacharya, um professor da Universidade de Stanford e epidemiologista especializado em doenças infecciosas e populações vulneráveis, a petição tem um pedido simples: acabar com a anti-liberdade individual das populações.

Assinada por mais de 34.000 médicos e cientistas da saúde de todo o mundo - você sabe, os tipos de pessoas que apoiam a ciência - a declaração tem como objetivo proteger as populações mais vulneráveis ​​ao mesmo tempo que apoia o direito concedido por Deus a todos os demais de “retomar a vida como normal ”, em vez de ser forçado a“ proteger os vulneráveis ​​”com restrições draconianas à circulação e às liberdades civis.

“Vindo da esquerda e da direita, e em todo o mundo, dedicamos nossas carreiras a proteger as pessoas”, explica a Declaração do Grande Barrington, que leva o nome da cidade de Massachusetts onde foi redigida em 4 de outubro. “As atuais políticas de bloqueio estão produzindo efeitos devastadores na saúde pública de curto e longo prazo.”

Forçar as pessoas a ficar em casa e evitar outras está causando um aumento nas doenças crônicas e na morte, afirma a petição. Os resultados das doenças cardiovasculares estão piorando, menos pessoas estão sendo testadas para câncer, as taxas de vacinação estão em declínio - isso é uma coisa boa - e a saúde mental está se deteriorando, entre muitos outros resultados desastrosos.

“Manter os alunos fora da escola é uma grave injustiça”, continua a petição .

“Felizmente, nossa compreensão do vírus está crescendo”, afirma a declaração. “Sabemos que a vulnerabilidade à morte por COVID-19 é mais de mil vezes maior nos idosos do que nos mais jovens.

“Na verdade, para as crianças, COVID-19 é menos perigoso do que muitos outros vírus, incluindo a gripe”, acrescenta.

Tirar a liberdade das populações é tirar a vida do mesmo


Em 14 de outubro,
 perto de 25.000 dos signatários assinaram como médicos e cerca de 9.500 como cientistas de saúde pública. Eles se juntaram a mais de 440.000 membros do público em geral na assinatura da petição. A petição exige que os signatários forneçam seu nome completo, cidade, país, CEP ou código postal e e-mail, bem como declarem se estão assinando como cidadão, médico ou cientista médico e de saúde.

“A abordagem mais compassiva que equilibra os riscos e benefícios de alcançar a imunidade de rebanho é permitir que aqueles que estão sob risco mínimo de morte vivam suas vidas normalmente para construir imunidade ao vírus por meio de infecção natural, protegendo melhor aqueles que estão em níveis mais elevados risco ”, afirma a declaração.

A melhor maneira de ajudar os vulneráveis ​​seria minimizar a rotação de pessoal em casas de repouso, por exemplo, bem como entregar mantimentos e outros itens essenciais para aposentados que moram com eles. A higiene básica, assim como temos feito há muito tempo, é outro hábito saudável que ajudará a proteger aqueles que correm maior risco de infecção.

“As artes, a música, o esporte e outras atividades culturais devem ser retomadas”, afirma a declaração, observando que os jovens adultos de baixo risco devem ter permissão para trabalhar normalmente fora de casa. As escolas, também diz, deveriam ser reabertas normalmente, assim como os esportes.

“As pessoas que estão em maior risco podem participar se quiserem, enquanto a sociedade como um todo desfruta da proteção conferida aos vulneráveis ​​por aqueles que desenvolveram imunidade coletiva”, conclui.

Também é importante lembrar que o objetivo dos bloqueios não era para eliminar o vírus por completo, mas sim, e evitar uma sobrecarga dos serviços de saúde. Agora que isso foi alcançado, é hora de encerrar os bloqueios e seguir em frente com nossas vidas. De fato como relai no artigo recentemente publicado, baseado em dados da Organização Mundial de Saúde, e outros, é de se concluir que a maioria das hospitalizações e mortes que ocorreram e estão acontecendo sobre o diagnóstico de COVID-19, são por outras causas, é o "padrão comum de mortes mundiais" nos últimos 15 anos.
Continue lendo após a publicidade
Continue lendo após a publicidade
Estar havendo uma extrema censura por parte dos gigantes da tecnologia. Por isso, incentivamos que todos que desejam receber nosso conteúdo valioso , a se inscreverem na nossa lista de e-mail. - Depois de se inscrever acesse sua caixa de entrada ou de spam para confirmar sua inscrição.
Siga nas redes | Instagram | Facebook |Twitter |Telegram

Compartilhar

Fabio Allves

Fabio Allves
Criador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre, eu parti em uma missão em busca da verdade e despertar. Desde meu autoconhecimento há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. Questionando as raízes que constitui aparentemente nossa “realidade”, e como o condicionamento social afeta nossa busca coletiva pela verdade em todos os aspectos da vida. Tem como objetivo trazer às informações que está livremente correndo nas mãos do público, para ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar. | Telegram