A verdade oculta do Dia dos Namorados - Paganismo até hoje

A verdade oculta do Dia dos Namorados - Paganismo até hoje

O Dia dos Namorados, é mais uma forma de fazer a maquina do capitalismo girar. Datas comemorativas atuais, são advindas do paganismo antigo, e sempre foram o grande foco dos varejistas da era moderna, pois, são datas altamente lucrativas. A cada ano, mais de um bilhão de cartões de Dia dos Namorados são enviados ao redor do mundo. Somente o Natal súpera o Dia dos Namorados pelo número de cartões enviados.

Os gastos dos brasileiros no ano passado com compras no Dia dos Namorados, de acordo com um levantamento feito pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), em todas as capitais, mostra que seis em cada dez consumidores (63%) presentearam alguém na data, o que representa aproximadamente 98,7 milhões de pessoas — número que se manteve estável em comparação com o ano de 2018. Os dados também mostram que em 2018, 57% adquiriram presentes. Para o ano de 2019, a expectativa era de que seriam gastos, cerca de 12,53 bilhões de reais no Brasil. Mas o que é o Dia dos Namorados em sua real verdade?

Tudo começou na antiga Roma com romanos nus


Todos os anos, os antigos romanos celebravam a festa de Lupercalia,(o nome da festa supõe-se derivar de lupus (lobo) conhecido atualmente como Dia dos Namorados. Este festival pagão de fertilidade celebrou um deus antigo que protegia o povo dos lobos. No início da celebração, os homens sacrificavam bodes e um cachorro e depois chicoteavam as mulheres com a pele desses animais. 



Na data prevista, então, os lupercos daquele ano encontravam-se na gruta Lupercal para sacrificarem dois bodes e um cão e serem ungidos na testa com o sangue, limpado da lâmina do sacrifício com um lã embebida em leite. Vestiam-se então do couro dos animais, simbolizando Fauno Luperco, do qual arrancavam tiras, chamadas februa, com as quais saíam ao redor da colina a chicotear o povo, em especial as mulheres inférteis, que se reuniam para assistir o festival.

Durante essa festa nua e bêbada, as jovens da cidade entravam na fila e esperariam que os homens batessem nelas com a pele dos animais mortos. Elas queriam ser atingidas porque acreditavam que isso as tornariam férteis ou preveniam.


Depois de um bom tempo sendo chicoteadas com a pele de animais mortos, as jovens tinham a chance de serem incluídas em um tipo de jogo de encontros. Os homens chamavam os nomes delas e depois faziam sexo com essa mulher durante a noite.

No terceiro século, o imperador Cláudio II ordenou a morte de dois homens em 14 de fevereiro. Eles foram executados em anos diferentes, mas a Igreja Católica os honrou mais tarde como mártires e nomeou como Dia dos Namorados.

Então, no século V, o papa Gelasius I decidiu combinar o Dia de São Valentim com aquele louco festival de Lupercalia, em um esforço para se livrar da tradição pagã. O festival foi incrivelmente popular, então os cristãos podem ter imaginado, se você não pode vencê-los, junte-se a eles. "Portanto, há razões para pensar que os cristãos poderiam ter dito:" Ok, vamos chamar isso de festival cristão", disse Noel Lenski, historiador da Universidade do Colorado em Boulder, à National Geographic .

Não é de surpreender que o festival não tenha morrido por lá. "Foi um pouco mais divertido, mas os cristãos colocaram as roupas de volta", disse Lenski à NPR . Isso não impediu que fosse um dia de fertilidade e amor. "

A conexão entre São Valentim e este festival


Quando os romanos adotaram o cristianismo, continuaram a celebrar a Festa do Amor mencionada acima, mas mudaram do conceito pagão de "amor espiritual" para outro conceito conhecido como "mártires do amor", representado por São Valentim que defendia o amor e paz, pela qual ele foi martirizado, de acordo com as reivindicações deles. Também era chamada de Festa dos Amantes, e São Valentim era considerado o santo padroeiro dos amantes.

Uma de suas falsas crenças relacionadas a esse festival era que os nomes das meninas que atingiram a idade de casar seriam escritos em pequenos rolos de papel e colocados em um prato sobre a mesa. Então, os rapazes que queriam se casar eram chamados e cada um deles pegava um pedaço de papel. Ele se colocaria ao serviço da garota cujo nome ele havia escolhido por um ano, para que eles pudessem descobrir um sobre o outro. Em seguida, eles se casavam ou repetiam o mesmo processo no dia do festival no ano seguinte

O clero cristão reagiu contra essa tradição, que eles consideravam ter uma influência corrupta sobre a moral de homens e mulheres jovens. Foi abolida na Itália, onde era bem conhecida, depois foi revivida nos séculos XVIII e XIX, quando em alguns países ocidentais surgiram lojas que vendiam pequenos livros chamados “livros do Dia dos Namorados”, que continham poemas de amor, dos quais quem quisesse enviar uma saudação à sua namorada poderia escolher. Eles também continham sugestões para escrever cartas de amor.

Os jovens se levantaram e começaram a comemorar o dia com Fornicação (Urdu: Zana)

Visão cristã da fornicação


"Porque esta é a vontade de Deus, a vossa santificação, para que se abstenha de fornicação" (1 Tessalonicenses 4: 3).

"Mas a fornicação e toda a impureza, ou avareza, não devem ser nomeadas uma vez entre vós, como convém aos santos;" (Efésios 5: 3)

"Assim como Sodoma e Gomorrha, e as cidades ao seu redor da mesma maneira, entregando-se à fornicação e perseguindo carne estranha, são apresentadas, por exemplo, sofrendo a vingança do fogo eterno." (Judas 1: 7)
Continue lendo após a publicidade
Continue lendo após a publicidade
Estar havendo uma extrema censura por parte dos gigantes da tecnologia. Por isso, incentivamos que todos que desejam receber nosso conteúdo valioso , a se inscreverem na nossa lista de e-mail. - Depois de se increver acesse sua caixa de entrada ou de spam para confirmar sua inscrição.
Se conecte com nós nas redes | Instagram | Facebook |Twitter |Telegram


Fabio Allves

Fabio Allves
Criador do Coletividade Evolutiva; Um autodidata ávido pensador livre, eu parti em uma missão em busca da verdade e despertar. Desde meu autoconhecimento há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. Questionando as raízes que constitui aparentemente nossa “realidade”, e como o condicionamento social afeta nossa busca coletiva pela verdade em todos os aspectos da vida. Tem como objetivo trazer às informações que está livremente correndo nas mãos do público, para ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar. | Telegram

Talvez você goste