EPA na cama com a Monsanto / Bayer, ocultando estudos que mostram que o glifosato causa câncer - Coletividade Evolutiva

EPA na cama com a Monsanto / Bayer, ocultando estudos que mostram que o glifosato causa câncer

EPA na cama com a Monsanto / Bayer, ocultando estudos que mostram que o glifosato causa câncer

Com tantas evidências científicas confirmando o fato de que o glifosato causa câncer, como alguém ainda pode acredita que os herbicidas que o contêm, como o Roundup da Monsanto - agora parte da Bayer - são de alguma forma seguros? A resposta é simples: a empresa tem a Agência de Proteção Ambiental (EPA) em seu bolso, e eles estão dispostos a ajudá-los a encobrir provas contundentes de que seus produtos são tóxicos.

A EPA é uma agência do governo, e a Monsanto sabe que muitas pessoas confiam em grupos autoritários supostamente encarregados de “proteger” a gente. Tem sido um relacionamento mutuamente benéfico ao longo dos anos, com um artigo recente na Bloomberg Businessweek - que dificilmente faz parte da “mídia alternativa” - quebrando os detalhes sujos de suas relações ao longo dos anos.

Um artigo recente da EPA apresentado como parte de um painel encarregado de revisar a posição da agência de que o glifosato não causa câncer - o que causou muita controvérsia entre os especialistas. Na verdade, oito dos 15 especialistas demonstraram sérias preocupações quanto à posição da agência, e outros três expressaram preocupação com os dados.
Eles também questionaram a imparcialidade do Escritório de Programas de Pesticidas. O grupo recebe a última palavra sobre se os pesticidas são permitidos, mas tomam suas decisões com base nos dados fornecidos pelos próprios fabricantes de pesticidas! Eles também recebem quase 30% de seu orçamento operacional da indústria de pesticidas. Certamente não há conflito de interesses, certo? Recomendado:  Herbicida mais vendido no Brasil envenena água potável, envenena população.

O jornal da EPA usou muitas táticas obscuras. Por exemplo, quando se tratava de estudos epidemiológicos que mostravam que o glifosato poderia causar câncer, eles os minimizaram, alegando que a lembrança dos agricultores de sua exposição ao produto químico não era confiável e tendenciosa. Em uma meta-análise que encontrou tendências em dados de vários estudos em humanos, eles eliminaram os pontos decimais dos resultados para tornar os dados que mostram um maior risco de câncer em agricultores expostos menos oscilantes.

Ao repreender os funcionários da EPA na reunião, o Epidemiologista Eric Johnson , da Universidade de Arkansas, disse: "Toda vez que há algo positivo lá, você diz que há algo errado com o estudo." Especialistas que estavam presentes também reclamaram a conclusão do artigo em favor do glifosato.

Quando a EPA posteriormente relatou essa revisão por pares, eles não mencionaram o número de revisores que expressaram preocupações. Eles usaram palavras como “alguns membros do painel sugeriram…” para obscurecer o fato de que a maioria dos presentes era duvidosa.

A EPA sabe há muito tempo sobre os perigos do glifosato

A EPA sabe que o glifosato causa câncer desde os anos 70 , de acordo com o pesquisador Dr. Anthony Samsel. Samsel diz que estudos realizados pela firma de Nova Jersey, Biodynamics, de 1978 a 1980, mostraram uma clara ligação entre baixas doses de glifosato e crescimento de tumores em órgãos internos; os estudos foram submetidos à EPA em 1981, que, inexplicavelmente, decidiram rotulá-los como "não significativos".

Outros memorandos arquivados da EPA que vieram recentemente à luz mostraram que sabiam que o glifosato era prejudicial, particularmente aos rins. O inspetor-geral da EPA, Arthur Elkins Jr., confirmou em maio que está investigando um possível conluio entre a EPA e a Monsanto.

Em 2015, a Organização Mundial de Saúde declarou que o glifosato é um “provável carcinógeno humano”, e os processos estão se acumulando. Atualmente há litígios multi-distritais formados por 310 ações judiciais contra a Monsanto em nome de vítimas de câncer em todo o país, e documentos expostos neste caso mostram como a Monsanto desacredita cientistas, paga editores de periódicos e usa comentários pagos de mídia social para tentar influenciar a opinião pública em favor de seus produtos tóxicos. Como alguém ainda pode acreditar que esses produtos químicos não são perigosos?

Se inscreva por e-mail e receba nossas novas atualizações em seu e-mail


Author Image

Autor: Fabio Allves
Fundador do Coletividade Evolutiva; Um ávido pensador livre, eu partir em uma missão em busca da verdade de qualquer forma que ela venha. Desde meu despertar há vários anos, minha paixão por conhecimento e justiça me levou a uma jornada em busca de pesquisas profundas. A informação está livremente correndo nas mãos do público, então o meu objetivo é ajudar a facilitar o fluxo complexo de informações, de modo que outros posam facilmente alcançar seu próprio despertar e fazer parte da inevitável mudança que acontece ao desperta a sociedade. Saber Mais


Deixe um comentário sobre isto!