Coletividade Evolutiva , GUERRAS BIO-RACIAIS: Futuras pragas terão como alvo genomas e raças específicas, diz Relatório de defesa , Coronavírus , Pandemias ,

GUERRAS BIO-RACIAIS: Futuras pragas terão como alvo genomas e raças específicas, diz Relatório de defesa

Patógenos gerados sistematicamente com objetivos de atacar alvos genéticos específicos serão o futuro da guerra, diz relatório de defesa


GUERRAS BIO-RACIAIS: Relatório de defesa alerta que futuras pragas terão como alvo genomas e raças específicas

Os patógenos projetados têm sido uma preocupação teórica há muito tempo, mas os avanços tecnológicos rapidamente empurraram armas biotecnológicas sofisticadas do reino do abstrato para uma possibilidade muito real – e um novo relatório de defesa aponta para um tipo específico de arma biológica que eles acreditam que será o futuro da guerra.

Agora que a biotecnologia avançada e complexa deixou o domínio da ficção científica e se tornou realidade, analistas e especialistas estão começando a supor que os Estados-nação e grupos não estatais considerarão essas tecnologias em seus planejamentos e previsões estratégicas.

Um relatório da Rand Corporation que foi financiado pelo Instituto Nacional de Defesa de Pesquisa e pelo Gabinete do Secretário de Defesa mostrou o potencial de patógenos projetados para servir como armas e ressaltou a importância de os países levarem essas tecnologias em consideração ao traçar estratégias e planejar.

O relatório identifica pragas geradas sinteticamente e genomicamente direcionadas como uma das principais áreas de interesse.


"Melhorias tecnológicas, incluindo vacinas de ácido ribonucleico mensageiro (mRNA), o uso de sequências gênicas CRISPR (repetições palindrômicas curtas agrupadas regularmente interespaçadas) como ferramenta de engenharia genética e avanços em BCI (interfaces cérebro-computador), podem mudar os cálculos estratégicos", afirma.

No passado, as armas biológicas não eram levadas muito a sério porque havia um risco muito grande de as forças que as mobilizam sofrerem danos colaterais. Como os patógenos se movem tão facilmente, as chances de eles afetarem aqueles que os liberam foram consideradas muito altas para tornar esse um método viável de guerra.

No entanto, uma das desvantagens dos rápidos avanços na biotecnologia é a evolução de patógenos projetados que podem atingir indivíduos que têm marcadores genéticos específicos, o que significa que certos grupos de pessoas podem ser alvejados sem causar danos àqueles que usam essas armas. Além disso, com a CRISPR e as tecnologias de inteligência artificial se tornando mais econômicas a cada dia, espera-se que esses tipos de armas sejam um grande foco do desenvolvimento de armas daqui para frente.

Outra razão pela qual essas armas estão sendo perseguidas é o fato de que pode ser muito difícil rastrear a fonte de tais patógenos. Como resultado, essas armas biológicas seriam muito atraentes para operações clandestinas, porque seria difícil identificá-las e responsabilizá-las.

O relatório aponta: "Em comparação com patógenos não transmissíveis, os transmissíveis são inerentemente difíceis de atribuir a um ator ou mesmo a causas naturais versus humanas... [e] têm um potencial muito maior de baixas em massa e ruptura social."

O potencial desse tipo de arma faz com que a segurança nos laboratórios de biossegurança nunca tenha sido tão crucial. A criação de armas biotecnológicas avançadas requer tecnologia de alto nível que pode ser muito cara, o que significa que muitos países, operações paramilitares e grupos terroristas não terão recursos para desenvolvê-las. No entanto, atores mal-intencionados podem roubar a tecnologia de laboratórios em países mais avançados que estão trabalhando nesse tipo de tecnologia.

Vários laboratórios de biossegurança têm surgido em todo o mundo equipados para trabalhar com patógenos transmitidos por humanos e animais. Laboratórios capazes de lidar com os patógenos mais perigosos do mundo, os laboratórios BSL-4, estão sendo construídos em massa, com pelo menos 30 novos laboratórios dessa classificação surgindo na Europa desde a virada do século. 

Enquanto isso, países asiáticos como Índia e Filipinas estão construindo 18 novos laboratórios BSL-3 e BSL-4 e, embora suas pesquisas se destinem a encontrar soluções para patógenos naturais, essas instituições fornecem um número maior de alvos para aqueles que procuram roubar patógenos.

China alerta sobre ameaça de armas genéticas


No outono passado, a principal agência de espionagem da China alertou sobre a ameaça de armas genéticas capazes de atingir raças específicas. Uma publicação do Ministério da Segurança do Estado em um aplicativo de rede social chinês alertou: "Se usadas por indivíduos ou organizações com segundas intenções, armas genéticas podem até ser desenvolvidas para matar alvos de uma raça predeterminada, atacando seletivamente alvos com genes raciais específicos".

Eles acrescentaram que as armas genéticas são uma ameaça maior do que as armas químicas e biológicas tradicionais porque são fáceis de espalhar, difíceis de prevenir e isolar e altamente dissimuláveis. - Artigo republicado aqui do Naturalnews

Obtenha o Extrato de Própolis Verde, Vitamina C, D e Zinco para melhor Imunidade e Proteção contra doenças oportunistas - Clique aqui


Siga-nos: | | e | Inscreva-se na nossa | Nos Apoie: Doar
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Fechar Menu
Entre em nosso Telegram

Entre para nosso canal do Telegram

ENTRAR

Nos siga no X (Twitter)

Compartilhamos nossos artigos e outras informações

SEGUIR

Apoie Coletividade Evolutiva - Doação

Apoie nosso projeto com uma contribuição.

DOAR