Pandemia de ataques cardíacos: Pais denunciam Ministério da Saúde da Espanha pela morte dos filhos após vacina Covid-19 da Pfizer.

Todos os pais, deveriam se unir e fazer valer a justiça, por danos causados por vacinas e responsabilizar os propagadores de vacina COVID-19


Pandemia de ataques cardíacos: Pais denunciam Ministério da Saúde da Espanha pela morte dos filhos após tomarem a vacina Covid-19 da Pfizer.
Três crianças (de 12, 13 e 14 anos) morreram na Espanha de vacinas de mRNA da Pfizer COVID-19 (FG7898, FG9428). Agora, os pais vão atrás de ministros da Saúde e funcionários espanhóis - Dr. William Makis


A pandemia vacinal agora induziu outra pandemia, a pandemia de ataques cardíacos e outras doenças, que a grande mídia e as autoridades continuarão a negar os fatos negativas da vacinação mRNA Covid e pelas suas propagandas enganosas que merecem processos e prisão - já que muitos não buscam saber se seu peito agora anda com miocardite ou pericardite [ inflamação permanente ] comprovadamente admitido desde 2021, as consequências em curto, médio ou longo prazo são claras - ataques repentinos estão acontecendo em todo o mundo, como aconteceu com esses jovens:

Seus nomes são Juan José Quirós López (12), Marvellous Ounanefe Johnson Andrews (13) e Daniel Herce Rodríguez (14). Eles tinham 12, 13 e 14 anos, respectivamente. Sem história prévia de patologias. Eles morreram subitamente de doença cardíaca hipertrófica – as duas primeiras – e arritmia cardíaca. (veja aqui )

Seus pais, que garantem que estavam "perfeitamente saudáveis" antes da vacinação, culpam a vacina contra a Covid-19 e), apresentaram denúncia à Procuradoria-Geral do Estado [Espanha] por homicídio por imprudência grave, manipulação genética, ameaça, coação, saúde pública, prevaricação, contra a integridade moral com dano à vida e abuso de autoridade.


A denúncia também é dirigida contra a presidente da Agência Espanhola de Medicamentos e Produtos de Saúde (AEMPS) (Equivalente e ANVISA), Silvia Calzón, e a diretora, Maria Jesus Lamas, bem como "qualquer outra autoridade que, das ações investigativas, derive responsabilidade criminal pelos eventos relatados".

Isso significa ter acompanhado os pais para protocolar a denúncia, que foi elaborada pela Associação Liberum, e que é direcionada contra os ex-ministros da Saúde Salvador Illa e Carolina Darias. A posteriori, dirigiram-se ao Ministério que está localizado no Paseo del Prado, em Madrid, para entregá-lo com a intenção de investigar os seus casos. Pedem-no há um ano, mas foi em vão.

"Queremos que a justiça seja feita e que mais pais se juntem à nossa queixa", questionam perante jornalista. Daniel morreu repentinamente deitado no sofá de casa. "Pensei que ele tinha adormecido, mas depois não se levantou", recorda Diana, a mãe. O filho dela havia sido vacinado com o lote FG7898 da Pfizer, que registrou efeitos adversos. Já o mesmo lote da vacina da Pfizer havia sido injetado, FG9428. Ambos morreram repentinamente, um jogando futebol e o outro no pátio da escola.


A intenção da denúncia é também chamar outros pais que se encontram em situação semelhante à ação "Estas três mortes de jovens atletas anteriormente saudáveis, que praticava atividade física, não são as únicas no nosso país", lê-se na denúncia, que expõe dezenas de casos, com capturas de ecrã de publicações jornalísticas, de mortes de outros menores a praticar desporto.

A queixa, a que teve acesso O OBJETIVO na íntegra, lamenta que "das administrações e autoridades de saúde finjam que [os pais] acreditam que estas mortes devem ser classificadas como morte natural, e que a possibilidade do reconhecido efeito adverso das vacinas contra a Covid-19 nem sequer foi levantada, pelo que, além disso, um dos menores [Juan] será infetado com SARS-CoV-2, após duas inoculações, dando positivo ao PCR post mortem".

Os pais relatam que seus filhos estavam "perfeitamente saudáveis" e que só começaram a ter complicações respiratórias após a inoculação. "Meu filho começou a sufocar quando correu, nunca tinha acontecido com ele", diz Soledad, representando os pais do jovem de Málaga, que ainda estão muito "afetados" por terem conseguido comparecer ao Ministério Público. Ele ainda chora ao rever o texto da denúncia, vê a imagem do corpo do sobrinho.

Uma "morte natural"? Todos deveriam se unir e amontoar processos contra os propagadores de um produto perigoso de forma enganosa


Os pais relatam que a única explicação que receberam é que seus filhos menores morreram "naturalmente", e que provavelmente foi devido a uma questão "hereditária". "Como será natural um atleta de 12 anos morrer de repente?", questionou Soledad, tia de Juan José. 

Parece que o Instituto de Medicina Legal está desesperadamente procurando um dos pais para ter um problema cardíaco", reclama Alexis Aneas, advogado da Liberum que representa os reclamantes. Ele lembra que o filho de Félix "teve reconhecimento federal em setembro e o declarou apto para jogar". Ele morreu em dezembro. A denúncia afirma que o coração do falecido foi "aumentado de tamanho": 480 gramas quando deveria oscilar em torno de 344.

"A Pfizer reconheceu cedo que dezenas de milhares de efeitos da miocardite em jovens", lembra Aneas, que também é especialista em questões de saúde: "Faz sentido porque a faixa etária em que aparecem as patologias é de 12 a 15 anos, que recebeu a dose adulta. De 5 a 11, a vacina tem um terço da dose. A doença pode ocorrer porque a proteína Spike que é replicada pela vacina se aloja nos receptores do tecido cardíaco e gera uma doença autoimune, que causa espessamento do miocárdio, o que é conhecido como pericardite ou arritmia".

A advogada Alexis Aneas questiona-se ainda "como será natural uma criança atleta morrer de arritmia". O porta-voz da Liberum diz que estão "fartos de administrações nos dizerem que as pessoas morrem por acaso" e aponta para o caso de Daniel. "Ele teve danos neuronais que podem ser devidos ao fato de a substância gerar príons que atravessam a barreira cerebral, como demonstra um estudo que anexamos na denúncia", uma suspeita, já que "o que queremos é que seja investigado".

Considerações

Esta é a primeira denúncia em que pais responsabilizam as autoridades pela morte de seus filhos após a vacinação contra a Covid-19. Todos os pais, em todos os lugares, deveriam se unir e fazer valer a justiça, amontoando processos contra essas autoridades e relacionados que promoveram um produto perigoso de forma enganosa e por coação e muito mais como dito acima.  

É crucial que os pais de crianças mortas pelas vacinas COVID-19 unam forças e se apoiem mutuamente no combate a grandes empresas farmacêuticas corruptas como a Pfizer e a Moderna e na responsabilização pessoal de autoridades de saúde e políticos pelos ferimentos e mortes que causaram.

Acredito que com o tempo descobriremos que muitos políticos e líderes de saúde receberam subornos ou alguma forma de "compensação" para impulsionar vacinas COVID-19 experimentais tóxicas que sabiam que feririam ou matariam muitos dos receptores, incluindo mulheres grávidas e crianças.

Este artigo está original em Global Reseach pelo Dr. William Makis - leia completo aqui
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Suplemento Multivitamínico

Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.