Mães destacam os danos causados pelo movimento juvenil transgênero

Transformação de gênero: as realidades não contadas


Uma menina passa por uma cirurgia transgênero em foto do documentário “Gender Transformation”. (Samira Bouaou/Epoch Times)


O movimento transgênero ganhou recentemente uma atenção nacional significativa por uma série de razões, incluindo a controvérsia em torno de grandes corporações como a Budweiser e o apoio da Target ao movimento, bem como a oposição pública generalizada a atletas transgênero que competem em esportes femininos.

Para aumentar a conscientização sobre os danos causados pelo movimento, Moms For America,(Mães Para America) um grupo de defesa dos direitos da família, organizou uma exibição virtual e um painel de discussão do documentário dramático do Epoch Times, “Gender Transformation: The Untold Realities” (Transformação de gênero: as realidades não contadas) em 5 de outubro na Heritage Foundation em Washington.

O evento explorou as questões complexas que envolvem a confusão de gênero, o transgenerismo e o seu efeito sobre os jovens. Também informou os pais sobre o crescente comportamento extremista nas escolas em todo o país.

Depois de assistir ao filme pela primeira vez, a fundadora e presidente do Moms For America, Kimberly Fletcher, sentiu-se comovida e decidiu realizar uma exibição.

“Penso que quando as pessoas virem isto, perceberão que este é realmente um negócio de milhares de milhões de dólares criado para mutilar os nossos filhos”, disse ela numa entrevista à NTD TV, um meio de comunicação irmão do Epoch Times.

Ao acompanhar as jornadas de vários ex-jovens transgêneros, o filme do Epoch Times desvenda as complexidades por trás da ascensão do movimento transgênero e o papel desempenhado pelas instituições, desde escolas até empresas médicas e farmacêuticas.

Como destaca o documentário, os pais são frequentemente confrontados com um dilema desafiador durante as crises de identidade de gênero dos seus filhos: “Prefere ter uma filha morta ou um filho vivo?”

Os pais, porém, reconhecem que a resposta a esta pergunta dolorosa está longe de ser simples.

Jan Jekielek, editor sênior do Epoch Times e apresentador do programa da EpochTV “American Thought Leaders”, afirmou que o filme e o painel de discussão “servem como um recurso valioso, oferecendo até soluções possíveis para pais e seus filhos quando eles são confrontados com confusão de gênero.”

Kimberly Fletcher, fundadora e presidente da Moms for America, posa para uma foto antes da exibição do documentário “Gender Transformation: The Untold Realities” do Epoch Times em Washington em 5 de outubro de 2023 (Madalina Vasiliu/The Epoch Times)


O painel de discussão ao vivo após a exibição do filme contou com a presença da Sra. Fletcher, Mercedes Schlapp, pesquisadora sênior da American Conservative Union Foundation, January Littlejohn, conselheiro licenciado de saúde mental, Mark Trammell, diretora executiva e conselheira geral do Center for American Liberty, Katherine Welch, médica e clínica colaboradora da Society for Evidence-Based Gender Medicine, e Laura Perry Smalts, autora de “Transgendered to Transformed”.

O painel de discussão ao vivo centrou-se em algumas histórias sobre o que as famílias vivenciaram e o que podem fazer para proteger os seus filhos.


“Esta questão da ideologia de gênero, penso eu, tem sido muito tóxica para a cultura americana. E está se espalhando”, disse Schlapp à NTD TV durante o evento.

“Se perdermos os nossos filhos, se nos tornarmos uma sociedade sem gênero, se continuarmos a criar confusão aqui na América, será a queda deste grande país”, acrescentou.
Mercedes Schlapp, pesquisadora sênior da American Conservative Union Foundation, fala durante um painel de discussão ao vivo após a exibição do documentário “Gender Transformation: The Untold Realities” do Epoch Times em Washington em 5 de outubro de 2023 (Madalina Vasiliu/The Epoch Times)


A Moms for America oferece vários recursos para os pais resolverem esse problema, incluindo um livro chamado “Gender Confusion.” O livro explica o que os pais precisam saber para proteger seus filhos do movimento transgênero.

“Queremos que todos saibam que isso não é normal”, disse Fletcher sobre o movimento transgênero durante o painel.

“O que está acontecendo é que eles estão criando o problema, porque depois são pagos pela solução. Portanto, é muito importante que ajudemos todos a entender de onde vem isso.”

Trauma emocional


A ex-transgênero Laura Perry Smalts foi uma das palestrantes do evento. Smalts decidiu fazer a transição aos 25 anos e suportou anos de terapia hormonal entre sexos cruzados, bem como duas cirurgias significativas de “afirmação de gênero”. No entanto, ela se arrepende de ter passado por isso e deseja alertar outras pessoas.

“Ninguém nunca me disse que isso não era real, que tudo isso era apenas uma aparência estética. Eu não tinha ideia do efeito profundo que isso teria no meu corpo”, disse ela.

“Eu estava tão deprimida e me tornei suicida. E eu não sabia o que fazer. Eu não queria ser mulher, mas sabia que nunca seria homem. Fui pega em algum lugar no meio.”

Ela finalmente percebeu que um trauma emocional que experimentou quando criança foi a força motriz por trás de sua decisão de fazer a transição para um homem.

“Mas, felizmente, pela graça de Deus, o Senhor começou a me resgatar. Eu tinha tantas pessoas orando por mim. Sei que é somente pela graça de Deus que estou aqui.”

January Littlejohn foi uma das palestrantes do evento. Littlejohn chamou a atenção nacional depois de processar uma escola da Flórida por ajudar secretamente sua filha a mudar de gênero.

A luta da Sra. Littlejohn contra a escola levou o governador da Flórida, Ron DeSantis, a aprovar uma legislação que proíbe as escolas de tomar decisões relativas à saúde e ao bem-estar de um aluno sem consultar os pais.

“A única coisa que digo aos pais é que vocês são os especialistas em seus filhos, não a escola, nem o terapeuta”, disse ela durante o painel de discussão.

“É extremamente importante manter um relacionamento apegado e saudável com seu filho durante a adolescência.”

O Center for American Liberty é uma organização que representa os pais que se opõem às políticas de sigilo escolar.

“Nunca cobramos um centavo de nossos clientes”, disse Mark Trammell, diretor executivo e conselheiro geral do Center for American Liberty, durante o painel.

“Somos capazes de existir porque temos doadores em todo o país que apoiam a nossa organização e tornam possível a apresentação destas ações judiciais de interesse público.”




Sobre o documentário


O documentário do Epoch Times examina as questões complexas que envolvem o transgenerismo e explica os papéis desempenhados pelo sistema educacional, pelas indústrias médica e farmacêutica, pelos interesses financeiros por trás do movimento transgênero e pelos mecanismos sociais e políticos em ação.

O documentário conta histórias da vida real de vários ex-jovens transgêneros que iniciaram o processo de transição de gênero e suas experiências em vários estágios da jornada por meio de entrevistas e reconstituições.

Os especialistas entrevistados no filme revelam os impactos médicos e psicológicos da medicação experimental utilizada, que alteram a vida, incluindo os efeitos secundários irreversíveis dos bloqueadores da puberdade, das terapias hormonais e das cirurgias que são frequentemente ignoradas pelos meios de comunicação social.

No documentário, o premiado diretor Tobias Elvhage traz à luz as realidades e implicações incalculáveis do movimento transgênero nas crianças e jovens americanos. Seus prêmios mais recentes incluem Melhor Curta-Metragem no LA Documentary Film Festival de 2023 e Vencedor do European Cinematography Awards de 2023.

“Esta é uma grande noite e um filme muito importante sobre a confusão de gênero”, disse a deputada Marjorie Taylor Greene (R-Ga.) Em uma mensagem de vídeo durante o painel de discussão. “Estou muito grato às pessoas que criaram este filme para espalhar a consciência sobre este mal inacreditável que se espalhou por toda a América e tem como alvo as nossas crianças.”

A congressista apresentou um projeto de lei que torna crime o cuidado de afirmação de gênero para qualquer criança menor de 18 anos.

“Esta não é uma batalha contra os direitos de qualquer adulto de se identificar ou mudar a sua sexualidade. Esta não é uma situação de nós contra eles”, disse Vanessa Faura, diretora executiva da Moms For America, durante uma coletiva de imprensa antes do evento.

“Minha mensagem hoje é simples: todas as crianças são sagradas. E não deve haver espaço para qualquer agenda que os prejudique de qualquer forma ou forma. Eles não serão doutrinados. Eles não serão aliciados.” Artigo originalmente em: Epoch Times Brasil
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Uma pequena pausa antes de continuar


Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.