Criminalizando o livre pensamento: Canadá lança declaração global da ONU contra "desinformação" online

A ministra das Relações Exteriores, Melanie Joly, lançou uma declaração das ONU que pede ação contra a "desinformação".




A ministra das Relações Exteriores, Melanie Joly, lançou uma declaração das Nações Unidas que pede ação para proteger o que chama de "integridade da informação" e combater a "desinformação". [Não se deixe enganar por todas as conversas sobre "lutar contra falsas notícias" ou "desinformação", é realmente tudo sobre uma única coisa: censurar a verdade, e destruir/ criminalizar a liberdade de expressão / e construir falsa realidade mental. (grifo nosso)]

Joly lançou a Declaração Global sobre Integridade da Informação Online em conjunto com o ministro holandês das Relações Exteriores, Hanke Bruins Slot, durante a Assembleia Geral da ONU em Nova York em 20 de setembro.

"A integridade da informação é essencial para ajudar a garantir a força dos processos democráticos e proteger os direitos fundamentais", diz uma declaração conjunta do Canadá e da Holanda.

"A erosão da integridade da informação, incluindo a propagação de desinformação, enfraquece a força do engajamento democrático."

Em um discurso em 20 de setembro, Joly disse que a declaração é um "passo concreto para estabelecer normas globais sobre desinformação, desinformação e integridade da informação", informou o National Post.

Falando à ONU no mesmo dia, Bruins Slot disse que o ambiente online emergente torna difícil determinar o que é e o que não é verdadeiro.

"Todos os dias, o mundo é inundado de desinformação e desinformação. Os rápidos avanços na tecnologia – particularmente a IA generativa – tornam cada vez mais difícil distinguir fatos de ficção", disse ela.

Canadá, Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, Austrália, Japão e Coreia do Sul estão entre os 30 países que assinaram a declaração.

A declaração promove conceitos como o respeito ao "direito à liberdade de opinião e expressão e a liberdade de buscar, receber e transmitir informações".[No entanto, parece que a opinião do público dissidente das loucuras das agências globais são consideradas desinformação/ crime / anti-democrático. Grifo nosso]

O texto diz que os signatários precisam "tomar medidas ativas para combater a desinformação e a desinformação direcionada a mulheres, pessoas LGBTIQ+, pessoas com deficiência e povos indígenas".

Também pede aos signatários que "se abstenham de restringir indevidamente os direitos humanos online, especialmente a liberdade de opinião e expressão, sob o pretexto de combater a desinformação", e que "promovam e respeitem a mídia e o jornalismo pluralistas e protejam o acesso ao conteúdo da mídia como uma medida para combater a desinformação".

Múltiplas Estratégias


Nos últimos anos, os governos federais em todo o mundo iniciou uma série de projetos para combater a "desinformação", a "desinformação" e o que considera ideologias extremistas.

Algumas iniciativas são o resultado de esforços colaborativos internacionais para moldar o fluxo de informações, e outras foram concebidas mais no processo.

A participação do Canadá no Mecanismo de Resposta Rápida, estabelecido pelos líderes do G7 na Cúpula do G20 18 de 7 em Charlevoix, Quebec, monitora o ambiente de informação digital. Seu objetivo é incentivar a cooperação entre os países membros para fornecer uma resposta coordenada à "desinformação patrocinada pelo Estado estrangeiro" e às "ameaças estrangeiras em evolução à democracia".

O governo liberal promulgou legislação para moldar o espaço da informação, com os projetos de lei C-18 e C-11 sendo aprovados nos últimos meses.

O Projeto de Lei de Notícias Online, o Projeto de Lei C-18, aprovado em junho, foi enquadrado como uma tentativa de defender a democracia, reforçando os cofres da mídia tradicional com dinheiro das Big Tech.

Em reação à nova legislação, a Meta restringiu o acesso dos canadenses ao conteúdo de notícias em seus feeds, para evitar compartilhar receita com veículos de comunicação. O Google ameaçou tomar medidas, mas ainda não o fez.

O governo liberal também aprovou o Projeto de Lei C-11, a Lei de Streaming Online, a fim de impulsionar o conteúdo canadense e regular alguns aspectos do streaming online e das mídias sociais.

Um novo projeto de lei para tratar dos "danos online" também está em andamento, mas não parece ser uma prioridade legislativa para o governo neste momento. Referência: The Epoch Times
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Suplemento Multivitamínico



Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.