Renomada cientista climática revela o ecofacismo sobre mudanças climáticas

A climatologista Judith Curry alertou para uma "indústria de mudanças climáticas criada para recompensar o alarmismo" e esmagar as empresas


Renomada cientista climática revela o ecofacismo, anticapitalismo e o consenso "fabricado"

Em entrevista ao jornalista e comentarista libertário John Stossel, a climatologista Judith Curry disse que o "consenso fabricado" existe porque um cientista alcançaria "fama e fortuna" por exagerar os riscos associados às "mudanças climáticas". A climatologista Judith Curry alertou para uma "indústria de mudanças climáticas criada para recompensar o alarmismo" e esmagar as empresas petrolíferas.

Os ilusionistas da chamada "mudança climática" tentam com todos os meios pintar novos cenários de terror na mente das massas, a fim de forçar sua agenda verde destrutiva de dominação do clima, impostos climáticos, controle sobre o carbono e dominação de todas as propriedades privadas. 

A renomada climatologista alerta que o suposto consenso científico sobre "mudanças climáticas" é um "consenso fabricado" perpetuado pela Organização das Nações Unidas (ONU). Curry, que já atuou como presidente da Escola de Ciências Atmosféricas da Terra no Instituto de Tecnologia da Geórgia, admitiu que costumava espalhar alarmismo sobre as "mudanças climáticas".

"Descobrimos que a porcentagem de furacões de categoria 4 e 5 dobrou", diz Curry. "E assim, isso foi captado pela mídia. Os alarmistas disseram: 'Oh, aqui está a maneira de fazer isso: vincule eventos climáticos extremos ao aquecimento global!'"

"Então, essa histeria é culpa sua!" Stossel disse a Curry.

"Bem, mais ou menos. Na verdade, não. Eles teriam pego de qualquer jeito", respondeu.

Curry disse que se tornou uma queridinha da grande mídia devido ao seu estudo relacionando o suposto aumento de furacões intensos ao aquecimento global. Ela foi "levada para todos os lugares para se encontrar com políticos, e dar essas conversas e [recebeu] muita atenção da mídia".

"Fui adotado pelos grupos de defesa do meio ambiente e pelos alarmistas, e fui tratado como um rockstar", lembrou Curry.

Quando os pesquisadores apontaram incongruências em sua pesquisa, ou seja, anos com menos furacões, Curry investigou essas alegações e percebeu que seus críticos tinham razão.

"Parte disso eram dados ruins. Parte disso é a variabilidade climática natural", disse ela a Stossel.

O jornalista pareceu agradavelmente surpreso com a integridade e a vontade de Curry de ser corrigida. "Então você é uma pesquisadora incomum que olha para as críticas ao seu artigo e realmente concluiu que eles tinham razão."

Curry disse que o escândalo "Climategate" de 2009, no qual e-mails internos de centros de pesquisa mostraram que os cientistas estavam tentando esconder dados controversos, mostrou "muitas coisas realmente feias", como "evitar pedidos da Lei de Liberdade de Informação" e "tentar fazer com que editores de revistas fossem demitidos de seu trabalho" se discordassem do paradigma dominante de "mudança climática".

Stossel disse que o escândalo Climategate fez Curry perceber que há "uma indústria de mudanças climáticas criada para recompensar o alarmismo".

"As origens remontam à... Programa ambiental da ONU", lembrou.

Curry disse que as autoridades da ONU foram motivadas pelo "anticapitalismo". Eles odiavam as empresas de petróleo e aproveitaram a questão das mudanças climáticas para levar adiante suas políticas."

Segundo o climatologista, esse foi o motivo pelo qual a ONU criou o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC).

"O IPCC não deveria se concentrar em nenhum benefício do aquecimento", em vez disso, "o mandato do IPCC era procurar mudanças climáticas perigosas causadas por fatores perigosos", disse ela.

"Então as agências nacionais de financiamento direcionaram todo o financiamento... supondo que haja impactos perigosos."

Curry explicou que, para receber financiamento público, os cientistas devem seguir a narrativa do alarmismo climático.

"Os anúncios de oportunidade de financiamento estão realmente ligados a assumir que há impactos perigosos [das mudanças climáticas]", afirmou Curry.

"Portanto, os pesquisadores não são estúpidos; eles sabem o que precisam dizer para conseguir financiamento?" perguntou Stossel.

"Exatamente", respondeu Curry.

A ex-diretora da faculdade lembrou que "há cerca de dez anos", a editora da prestigiada revista acadêmica Science, Dra. Marcia McNutt, "escreveu esse discurso político sobre 'precisamos parar as emissões agora'", no qual afirmou que "o tempo do debate acabou".

McNutt agora serve como presidente da Academia Nacional de Ciências.

"Que tipo de mensagem isso dá?" perguntou Curry. "'Promovam os jornais alarmantes! Nem mande os outros para revisão'. Se você quisesse avançar na carreira, como estar em uma universidade de prestígio e receber um grande salário, ter um grande espaço de laboratório, receber muitos financiamentos, ser diretor de um instituto, havia claramente um caminho a seguir."

"É o que temos agora: um enorme complexo de alarmismo climático financiado pelo governo", disse Stossel.

"Por que outros cientistas que reconhecem o absurdo não recuam?", perguntou o jornalista a Curry.

"Se eles trabalham em uma universidade, vai ser muito desconfortável para eles", respondeu.

Curry disse que não conseguiu mais um emprego em uma universidade após sua passagem pelo Instituto de Tecnologia da Geórgia porque foi rotulada de "negacionista do clima".

É por isso que a climatologista criou sua própria empresa de previsão de tempo e clima chamada Climate Forecast Applications Network. Curry também publica artigos em seu blog e escreveu vários livros, incluindo seu último trabalho, "Climate Uncertainty and Risk: Rethinking Our Response". Referência: Life site


Anúncio
Anúncio
Anúncio
Suplemento Multivitamínico



Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.