E se uma droga pudesse tornar seu sangue mortal para os mosquitos?

Estudos realizados nos anos 2000, incluindo um em 2010, mostram que mosquitos transmissores da malária morrem após se alimentarem de sangue


E se uma droga pudesse tornar seu sangue mortal para os mosquitos?

Imagine o seguinte: um mosquito sorve um pouco do seu sangue, horas depois, o sanguessuga cai morto, envenenado pelo próprio sangue que acabou de sugar. Estudos realizados nos anos 2000, incluindo um em 2010, mostram que mosquitos transmissores da malária morrem após se alimentarem de indivíduos que ingeriram a droga.

Isso pode parecer bom demais para ser verdade, mas é uma possibilidade tentadora, de acordo com uma pesquisa publicada na revista The Lancet Infectious Diseases. O estudo aponta para uma potencial nova ferramenta de combate à malária: o medicamento ivermectina

A malária é uma infecção transmitida por mosquitos que afeta mais de 200 milhões de pessoas em todo o mundo. A doença é transmitida quando um mosquito infectado pica um indivíduo, espalhando um parasita chamado plasmódio. Em humanos, o parasita pode causar febre, dor de cabeça, calafrios e até a morte. Apesar de anos de esforços de erradicação em países em desenvolvimento, pesquisas crescentes mostram que os mosquitos transmissores da malária estão se tornando resistentes aos inseticidas destinados a eliminá-los.

"Desde 2015, o número de mortes anuais por malária se estabilizou", diz Menno Smit, MD, doutorando da Escola de Medicina Tropical de Liverpool que liderou o novo estudo. "Não estamos avançando mais. Precisamos de novas ferramentas, e a ivermectina pode ser uma delas."

A ivermectina foi desenvolvida no início da década de 1980 como uma droga para combater parasitas que causam cegueira dos rios e elefantíase. Smit e seus colegas esperam que também possa ajudar a erradicar a malária.

Em seu estudo, os pesquisadores demonstram que três altas doses de ivermectina tornam o sangue humano mortal para os mosquitos por pelo menos 28 dias após o início do tratamento. Essa alta dose de ivermectina também foi bem tolerada com poucos efeitos colaterais.

"O resultado mais emocionante foi o fato de que, mesmo um mês depois de [os indivíduos tomarem] ivermectina, seu sangue ainda estava matando mosquitos", diz Smit. "Isso é muito mais tempo do que pensávamos."

Para chegar a essas conclusões, pesquisadores do Hospital de Ensino e Referência Jaramogi Oginga Odinga, no Quênia, deram a 47 participantes 600 microgramas de ivermectina em forma de comprimido por três dias seguidos. Amostras de sangue foram obtidas desses participantes seis vezes e, em seguida, alimentadas com mosquitos em gaiolas.

"Colocamos o sangue em uma membrana artificial que os mosquitos poderiam picar e depois observamos", explica Smit. "A maioria morreu dentro de uma semana depois de [beber] o sangue."

Duas semanas após a alimentação, 97% dos mosquitos morreram.

Outro grupo de 48 pacientes recebeu uma dose de 300 microgramas, mas a taxa de mortalidade do mosquito não foi tão alta.

Qualquer dose é maior do que o habitual. Mais de 2,5 bilhões de tratamentos com ivermectina foram distribuídos desde 1987 para o tratamento de infecções parasitárias, tipicamente uma dose anual de até 200 microgramas.

Neste estudo, Smit diz que a alta dosagem de 600 microgramas por três dias foi bem tolerada. Os participantes relataram poucos efeitos colaterais, embora ele admita que todos no estudo já estavam hospitalizados e recebendo tratamento para malária.

"Os pacientes podem ter notado menos efeitos colaterais porque já estavam se sentindo doentes", explica Smit. "Ainda temos que ver se a excelente tolerância que vimos seria tão boa em indivíduos saudáveis."

Smit acrescenta que a alta dose de ivermectina ainda precisa ser testada em crianças para garantir que seja segura para todas as idades.

O Dr. Peter Hotez, que não esteve envolvido no estudo e é reitor da Escola Nacional de Medicina Tropical da Faculdade de Medicina Baylor, diz que estudos maiores precisam ser feitos antes que a ivermectina seja seriamente considerada como parte de um programa nacional de controle da malária.

Mas "acho que a ivermectina tem potencial como uma estratégia suplementar para o controle e prevenção da malária", escreveu Hotez em um e-mail à NPR. "A droga tem um excelente histórico de segurança de seu uso em campanhas de administração de medicamentos em massa na África."

Hotez alerta que, embora a ivermectina seja uma possibilidade empolgante, há o potencial de os mosquitos construírem resistência a medicamentos. É por isso que uma vacina ainda é necessária, diz ele.

A Dra. Regina Rabinovich, estudiosa da malária da Universidade Harvard que não esteve envolvida no estudo, concorda que a ivermectina vale a pena buscar para ajudar a combater a malária - como mais uma "ferramenta imperfeita" no arsenal global contra uma doença "complicada".

Em um comentário separado sobre o estudo, Rabinovich escreve que "mais de uma abordagem provavelmente será necessária para enfrentar esse desafio [da malária]". Talvez possam ser desenvolvidos novos medicamentos que tenham um efeito semelhante nos mosquitos que tenham um efeito mais duradouro, diz ela.

Em um e-mail à NPR, ela enfatiza a necessidade de testes em uma área onde a malária é galopante - e lembra às pessoas que os pesquisadores precisam se certificar de que, ao matar mosquitos, a ivermectina também pode diminuir a transmissão. Fonte: Npr
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Suplemento Multivitamínico



Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.