ALERTA GLOBAL: Parceria OMS e UE para a saúde digital é mais um passo em direção a um governo mundial

Emendas do Regulamento Sanitário Internacional (RSI), cada uma das quais reforça a autoridade e o poder da OMS por diferentes vias e apaga a soberania


O diretor da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, participa da reunião da Clinton Global Initiative em setembro de 2022, no Hilton Midtown, em Nova York, em 20 de setembro de 2022.Resumo da história:

  • 5 de junho de 2023, a Organização Mundial da Saúde e a Comissão Europeia anunciaram o lançamento de uma iniciativa de saúde digital na qual a OMS estabelecerá um sistema global de certificação de vacinação COVID-19 com base no Certificado Digital COVID já existente da União Europeia (UE)
  • Este sistema de passaporte de vacina será expandido para uma Rede Global de Certificação de Saúde Digital (GDHCN) administrada pela OMS que incluirá "uma ampla gama de produtos digitais para oferecer melhor saúde para todos". O passaporte da vacina também cobrirá, a seu tempo, todas as vacinas recomendadas
  • Os membros da OMS aprovaram um orçamento de US$ 6,83 bilhões para os próximos dois anos, o que exigirá um aumento de 20% nas taxas obrigatórias dos membros
  • O aumento do orçamento é necessário porque a OMS está sendo criada como a única tomadora de decisão sobre a saúde pública globalmente por meio do tratado pandêmico proposto e das emendas do Regulamento Sanitário Internacional (RSI), cada uma das quais reforça a autoridade e o poder da OMS por diferentes vias, enquanto apaga a soberania nacional e os direitos humanos
  • Inserido no tratado da pandemia, temos também o One Health, que se encaixa perfeitamente com a narrativa de The Great Reset. Quando você adiciona o tratado, as emendas do RSI e o One Health juntos, fica claro que a OMS está sendo criada como o centro de poder de fato do estado profundo, e este governo mundial governará tudo

(Mercola) – 5 de junho de 2023, a Organização Mundial da Saúde e a Comissão Europeia anunciaram o lançamento de uma "iniciativa de saúde digital histórica para fortalecer a segurança da saúde global".

Conforme explicado no comunicado de imprensa, a partir deste mês, a OMS estabelecerá um sistema global de certificação de vacinação COVID-19 com base no Certificado Digital COVID (DCC da UE) já existente da União Europeia (UE) para "ajudar a facilitar a mobilidade global e proteger os cidadãos em todo o mundo de ameaças à saúde contínuas e futuras".

Eventualmente, este sistema de passaporte de vacina será expandido para uma Rede Global de Certificação de Saúde Digital (GDHCN) administrada pela OMS que incluirá "uma ampla gama de produtos digitais para oferecer melhor saúde para todos". O passaporte da vacina também obrigará, a seu tempo, todas as vacinas recomendadas, não apenas a COVID-19. O comunicado de imprensa continua:

Esta parceria trabalhará para desenvolver tecnicamente o sistema da OMS com uma abordagem faseada para cobrir casos de uso adicionais, que podem incluir, por exemplo, a digitalização do Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia. Expandir essas soluções digitais será essencial para oferecer melhor saúde aos cidadãos em todo o mundo.

Esta cooperação baseia-se nos valores e princípios partilhados de transparência e abertura, inclusão, responsabilização, proteção de dados e privacidade, segurança, escalabilidade a nível global e equidade. A Comissão Europeia e a OMS trabalharão em conjunto para incentivar a máxima aceitação e participação a nível mundial.

Por que implementar o passaporte COVID quando as vacinas não funcionam?


Conforme relatado pelo The Daily Sceptic, o anúncio levanta muitas questões:

Passaportes de vacina são polêmicos, até nas Nações Unidas... 30 de junho de 2021 ... a Comissão Mundial de Ética da Ciência e Tecnologia da UNESCO e o Comitê Internacional de Bioética da UNESCO divulgaram uma declaração conjunta alertando que "qualquer certificado COVID-19 ... deve levar em conta a incerteza científica sobre o grau de proteção que vacinas específicas, infecções passadas e resultados negativos de testes COVID-19 fornecem' ...

À luz dessas preocupações, as agências da ONU propuseram que "um programa de pesquisa deveria ser desenvolvido para avaliar seu impacto na sociedade e na saúde pública, e os riscos que poderiam trazer".

O novo comunicado de imprensa da OMS e da UE não menciona o progresso deste programa de investigação, nem se foi estabelecido. Não é necessário determinar a eficácia e o perfil custo-benefício de uma intervenção antes de a implementar globalmente e de a tornar permanente?

Dado o quão vazadas [fracasadas] as vacinas COVID são, e quão curta qualquer proteção oferecida por elas pode ser - alguns estudos até mostram que os vacinados sofrem taxas de infecção mais altas do que os não vacinados - é difícil imaginar que os passaportes vacinais entregaram qualquer limitação real da transmissão da doença.

Mas a OMS e a UE não parecem considerar isso como uma pergunta relevante a ser feita. Isso é porque eles assumem cegamente que são benéficos, ou porque eles têm outras razões para querer implantar essa tecnologia restritiva globalmente?

A implementação de um sistema de passaporte de vacina - que a OMS alegou não apoiar quando as preocupações foram inicialmente levantadas sobre isso em 2021 - é um sinal claro de que a OMS espera totalmente tomar as rédeas da saúde global, e que a saúde pública não é o principal incentivo por trás dessa tomada de poder.

Aquisição da OMS avança a toda velocidade


Os membros da OMS já aprovaram um orçamento de US$ 6,83 bilhões para os próximos dois anos (2024 a 2025), o que exigirá um aumento de 20% nas taxas obrigatórias dos membros. As "prioridades estratégicas" que receberão grandes fatias desse financiamento incluem:

  • Expandir a cobertura universal de saúde para pelo menos 1 bilhão de pessoas que atualmente não a têm
  • Garantir que mais 1 bilhão de pessoas estejam "mais protegidas de emergências de saúde"
  • Garantir que mais 1 bilhão de pessoas possam desfrutar de "melhor saúde e bem-estar"
  • Desenvolver um apoio mais eficaz e eficiente da OMS aos países membros
  • Erradicar a pólio (provavelmente por meio de programas de vacinação ampliados)

Esse aumento orçamentário também é necessário porque a OMS está sendo criada como a única tomadora de decisão sobre a saúde pública globalmente por meio do tratado pandêmico proposto e das emendas do Regulamento Internacional de Saúde (RSI), cada uma das quais reforça a autoridade e o poder da OMS por diferentes vias, enquanto apaga a soberania nacional e os direitos humanos.

Se a OMS seguir seu caminho, não será mais um órgão que faz recomendações que os países podem escolher seguir. Pelo contrário, o seu "conselho" será semelhante a declarações de direito internacional. Os Estados-membros serão obrigados a seguir as "recomendações" da OMS ou enfrentar consequências dispendiosas.

Assim que o tratado da pandemia e as emendas do RSI forem implementados, a OMS terá autoridade para impor tudo, desde lockdowns climáticos e fechamentos de fronteiras até vacinações obrigatórias de todos os tipos. Também alertamos que a OMS implementaria um sistema obrigatório de passaporte de vacina para fins de controle populacional e, com o anúncio acima, podemos considerar que um acordo feito.

A OMS terá até autoridade para ditar o que é verdade e o que é desinformação que deve ser censurada. A OMS essencialmente proibirá a democracia em todo o mundo porque a democracia não pode existir a menos que haja liberdade de expressão no discurso público.

Os Estados-membros não terão escolha a não ser censurar o que a OMS quer censurar, porque cada país também é obrigado a criar uma agência de aplicação para garantir que os decretos da OMS sejam seguidos em todo o país, e isso inclui atividades de censura.

Entenda para onde estamos indo


Para uma análise mais aprofundada da nova Rede Global de Certificação de Saúde Digital da OMS, consulte o vídeo do Dr. John Campbell.

Agora está além do imperativo que as pessoas entendam para onde estamos indo, e que as medidas COVID não foram apenas respostas a uma determinada pandemia, mas sim foram a base para um governo mundial totalitário, onde os direitos humanos e as liberdades não existirão mais.

De fato, o tratado da pandemia redefine os direitos humanos como "equidade em saúde" e nada mais. As alterações do RSI também eliminam especificamente os direitos e liberdades individuais. O artigo 3.º do RSI é alterado do seguinte modo (os riscos no texto indicam que o texto deve ser suprimido e os aditamentos ou revisões são sublinhados a negrito):

A aplicação deste Regulamento será feita no pleno respeito à dignidade, aos direitos humanos e às liberdades fundamentais das pessoas, com base nos princípios da equidade, inclusão, coerência e de acordo com suas responsabilidades comuns, mas diferenciadas, dos Estados Partes, levando em consideração seu desenvolvimento social e econômico.

Por outras palavras, a autonomia corporal e a escolha pessoal estão a ser substituídas por uma medicina única que não tem em conta a dignidade humana, os direitos humanos ou as liberdades fundamentais. O direito a opiniões diferentes das da OMS também está sendo retirado em nível nacional.

O Artigo 2 do RSI também está sendo alterado de tal forma que a OMS terá autoridade para agir sobre QUALQUER coisa que tenha o "potencial de impactar a saúde pública", e isso inclui tudo, desde clima e poluição até o uso da terra agrícola e a indústria de alimentos, conforme especificado na agenda One Health, que está incluída no tratado da pandemia.

Para entender o que está em jogo, revise a compilação artigo por artigo das emendas propostas ao RSI, encontradas aqui, e depois compare com o tratado proposto. Um "Plano Zero" datado de 1º de fevereiro de 2023 pode ser encontrado aqui.

Como explicado pela OMS em 2021, o tratado é a "estrutura que reconhece o papel central do RSI". Então, esses dois instrumentos são projetados e destinados a funcionar como uma unidade, com o tratado reconhecendo o RSI, e as emendas do RSI retirando às nações sua soberania.

Mas isso não é tudo. Inserido no tratado da pandemia, temos também o One Health, que se encaixa perfeitamente com a narrativa de The Great Reset. Quando você soma essas três coisas – o tratado, as emendas do RSI e a One Health – fica claro que a OMS está sendo criada como o centro de poder de fato do estado profundo, e este governo mundial governará tudo.

Tratado amplia poder da OMS para além da pandemia


Como ilustrado no gráfico abaixo, a agenda One Health baseia-se na premissa de que uma ampla gama de aspectos da vida e do meio ambiente tem o potencial de impactar a saúde humana.

Além dos segmentos de vida listados neste gráfico, o escopo do One Health, de acordo com um documento da One Health Commission, também inclui comunicações, economia, sociedade civil, comércio global, comércio e segurança, políticas públicas e regulação, pesquisa, doenças não transmissíveis e muito mais.



De acordo com o novo tratado, a OMS terá poder unilateral para tomar decisões sobre todas essas áreas, e seus ditames substituirão e anularão toda e qualquer lei local, estadual e federal. Em suma, se o tratado da pandemia for promulgado, a OMS não terá apenas a autoridade para ditar como os países se preparam e respondem às ameaças da pandemia: ela terá a autoridade de ditar todos os aspectos de nossas vidas.

A OMS, por sua vez, está atenta e faz o que seus financiadores querem, e o maior financiador é Bill Gates (quando você soma todas as suas várias fontes de doação). Gates, é claro, está investindo em todas as necessidades primárias, incluindo alimentos falsos, medicamentos, vacinas, vigilância e tecnologias de modificação climática.

One Health é a subversão da saúde holística


Como observado por David Bell, acadêmico sênior do Brownstone Institute, médico de saúde pública e ex-oficial médico e cientista da OMS, a agenda One Health é realmente a subversão do antigo conceito holístico de saúde:

A saúde doente é uma alavanca para o medo, e a morte ainda mais, especialmente para aqueles que acreditam que somos simplesmente construções orgânicas que terminam em poeira e decadência. Uma seita alimentando-se desses medos, sustentando que toda a biosfera está nos ameaçando com doenças e morte, teria, portanto, potencial real de controle em massa.

Convença os seguidores de que os humanos são o veneno que tornou este mundo tão destrutivo, e você também terá um meio de alimentar o ódio contra os não crentes, adicionando culpa às ferramentas para o cumprimento.

Um culto baseado no medo do mundo e das pessoas que o envenenaram, travestido de filantropia e virtude, surgiu entre nós. Cooptando a terminologia One Health, ela agora é financiada pelos despojos da COVID e empoderada pela tecnologia que pode levar essa seita medieval de caça às bruxas global.

O meio ambiente, em todos os lugares, deve ser gerenciado e protegido para benefício humano – físico, mental e social. O conceito de One Health, centrado nesse senso comum, já não foi mais do que isso. É uma forma racional de expressar um princípio milenar... Saneamento e melhor nutrição salvarão mais vidas do que a próxima rodada de aproveitamentos trazida pela Pfizer.

Contudo... A One Health foi sequestrada por autoproclamados filantropos... Uma Saúde está sendo corrompida de duas maneiras, mas para os mesmos fins e pelas mesmas pessoas. Entender que um nos diz sobre as pessoas com quem estamos lidando, o outro revela seus motivos.

A ideologia da One Health é anti-humana


Como explicado por Bell, One Health é uma ideologia que coloca a vida humana e o bem-estar em pé de igualdade com todas as outras vidas, incluindo plantas e animais. Isso significa que sua vida, e a vida de seus filhos, não são mais importantes do que a vida de ursos polares, árvores, cursos d'água e solo.

Se suas ações causam danos ecológicos, e o urso polar não, então você é quem deve ser eliminado da equação. Esse é realmente o ponto crucial dessa ideologia. Não é pró-meio ambiente, mas, sim, anti-humano em sua essência.

"Dentro dessa visão de mundo 'equitativa', os humanos se tornam um poluente", escreve Bell.

"Populações humanas cada vez maiores levaram outras espécies à extinção por meio das mudanças ambientais, desde a megafauna da antiga Australásia até as populações de insetos em queda da Europa moderna.

Os seres humanos tornam-se uma praga sobre a terra, e sua restrição, empobrecimento e morte podem, portanto, ser justificados para um bem maior.

É difícil para as pessoas entenderem que esta é uma ideologia orientadora de figuras públicas, pois contraria a maioria dos sistemas morais humanos ou o Direito Natural... Precisamos entender a ideologia que impulsiona esse movimento, pois eles pretendem que sigamos seus ditames e pretendem doutrinar nossos filhos".

Expor a ideologia estéril da One Health


A One Health também é projetada para controlar as massas através do medo. Somos constantemente bombardeados com previsões de desgraça e dizem-nos que devemos ser protegidos para o nosso próprio bem.

"Expandir essa abordagem de um único vírus para qualquer aspecto da biosfera que impacte o bem-estar humano, como o clima, oferece uma oportunidade de usar essa ferramenta totalitária de controle populacional para remodelar a sociedade para o modelo que os fornecedores do medo desejam", observa Bell, acrescentando:

Por meio de emendas ao Regulamento Sanitário Internacional (RSI) e um novo "tratado sobre a pandemia", a OMS está acoplando essa definição ampla de One Health com uma definição de "emergência" que simplesmente requer o reconhecimento de uma ameaça em vez de um dano real.

Quando aplicada à ampla definição de saúde, "bem-estar físico, mental e social" da OMS, quase todos os aspectos da vida normal poderiam ser incluídos em seu escopo. Abordado através de um paradigma de saúde pública proscritivo que engloba mandatos globais, restrições e censura, e aqueles que executam esta agenda têm uma oportunidade de poder sem precedentes ...

[Em] 2019, a OMS afirmou em suas recomendações para a pandemia de gripe que fechamentos de fronteiras, quarentena e fechamentos prolongados de negócios nunca deveriam ser realizados em resposta a uma pandemia. Essas medidas impulsionariam a desigualdade e prejudicariam desproporcionalmente as pessoas de baixa renda, destruindo as economias e o capital social.

Em 2020, reorientando as prioridades para um novo eleitorado, a OMS promoveu essas mesmas políticas desiguais. As evidências não mudaram, mas o eleitorado mudou. Pessoas ricas e corporações tornaram-se importantes financiadores diretivos dos programas da OMS. Aqueles que se beneficiam de uma melhor nutrição e saneamento não podem financiar a crescente equipe da OMS, mas aqueles que lucram com a amplitude da resposta COVID podem ...

O mal não é derrotado escondendo-se dele. Combate-se expondo a ideologia que o move, a ganância, a mentira e o engano... No final, ideólogos loucos desmoronam sob o peso de seu próprio engano e da superficialidade de seus dogmas.

A religião terra-mãe de uma Saúde Única corrompida e as ambições feudalistas de seus sacerdotes não serão diferentes. Não devemos temer a saúde pública ou uma visão holística do mundo. Eles são nossos e podem ser uma força para o bem. Em vez disso, devemos expor o vazio das pessoas que as subvertem, movidas por sua própria ganância e ideologias estéreis.

Estamos ficando sem tempo


É importante ressaltar que, como observado pelo comediante Jimmy Dore no vídeo, o tratado da pandemia não é algo que os países membros devem optar. É uma proposta de opt-out. Se uma nação não optar por sair antes do prazo, ela automaticamente aceita o tratado.

Com base no cronograma atual, a Assembleia Mundial da Saúde (AMS) votará o tratado sobre a pandemia em maio de 2024, e entrará em vigor 30 dias depois. Isso nos dá pouco menos de um ano e meio para que os EUA optem por sair, ou melhor ainda, saiam completamente da OMS.

As emendas do RSI também serão votadas em maio de 2024. O prazo de 10 meses para os Estados-membros rejeitarem as emendas expirará em março de 2025, e as emendas entrarão em vigor para qualquer nação que não as rejeitou em maio de 2025. Para qualquer membro que rejeite as alterações, aplicar-se-á o RSI de 2005.

Curiosamente, algumas das alterações ao RSI já foram aprovadas. Conforme relatado pelo autor e pesquisador James Roguski, eles foram adotados durante a 75ª Assembleia Mundial da Saúde, em 27 de maio de 2022, embora nada tenha sido assinado. Este é mais um testemunho da ilegalidade desenfreada e das táticas subversivas com as quais estamos lidando.

Perturbadoramente, muitos americanos nem estão cientes de que o governo dos EUA está prestes a abrir mão de nossa soberania nacional e da autonomia corporal pessoal de todos para a OMS porque a grande mídia não está falando sobre isso.

Então, por favor, compartilhe este e quaisquer outros artigos que você encontrar sobre este assunto com todos que você conhece, e continue a se educar. De longe, essas são as maiores ameaças à liberdade que o mundo já viu, e os riscos se aplicam igualmente a todos, não importa onde você viva.

Verificadores de fatos se aproveitam da confusão


Tenha em mente que, embora as emendas e o tratado do RSI abordem diferentes áreas da nova estrutura de poder da OMS, eles trabalharão juntos para capacitar maciçamente a OMS assim que ambos entrarem em vigor. Também esteja ciente de que, como a aquisição global está acontecendo em várias frentes ao mesmo tempo, é fácil se confundir nos detalhes, e essa confusão pode facilmente se tornar alimento para os verificadores de fatos. Conforme relatado pelo Defensor:

A AP recentemente "verificou fatos" alegando que o tratado pandêmico põe em risco a soberania nacional. De acordo com a AP, "não anula a capacidade de nenhuma nação de aprovar políticas individuais relacionadas à pandemia" e "não anula as políticas individuais de saúde ou domésticas de nenhuma nação". Não haveria "efetivamente nenhuma consequência jurídica para os signatários que não aderirem a ela ou violarem seus termos".

A "verificação de factos" da AP não menciona as alterações propostas ao RSI. [Autor e pesquisador James] Roguski citou isso como um exemplo da frequente fusão do tratado da pandemia com as emendas do RSI. Ele disse que a erosão da soberania nacional não é encontrada no tratado da pandemia - mas é encontrada nas emendas do RSI.

"Todos estão prestando atenção ao tratado", disse Roguski. "Eles estão polinizando completa e totalmente os detalhes que estão nas emendas, atribuindo-os ao tratado e sendo 'checados' para o alto céu.

Apelo ao Congresso para se retirar da OMS


Embora a Câmara e o Senado dos EUA tenham apresentado projetos de lei idênticos para impedir a tomada de poder da OMS por meio do tratado pandêmico proposto, isso ainda pode não nos proteger, porque o tratado foi escrito especificamente para contornar o processo de aprovação do Senado.

Uma estratégia muito mais eficaz seria o Congresso reter suas contribuições anuais para a OMS e, em seguida, retirar os EUA da OMS completamente. Acredito que talvez valha a pena apoiar todas essas estratégias. Então, por favor, entre em contato com seus representantes e exorte-os a:


Também precisamos proteger nossa nação contra as emendas do RSI. Para isso, o Conselho Mundial de Saúde lançou uma campanha global de #StopTheWHO. Veja como você pode participar:



Reproduzido com permissão da Mercola.
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Suplemento Multivitamínico



Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.