Estudo comprova danos a longo prazo: inflamação cardíaca não cicatrizou nem 6 meses após a vacinação

O estudo, publicado em 5 de maio, teve como principal objetivo investigar o histórico da miocardite relacionada à vacina.


Estudo comprova danos a longo prazo: inflamação cardíaca não cicatrizou nem 6 meses após a vacinação

Um estudo recente examinou os mecanismos por trás da miocardite induzida por vacinas e forneceu evidências de consequências perturbadoras a longo prazo: em 80% dos pacientes examinados, os exames de imagem ainda mostraram anormalidades seis meses após a vacinação que indicam danos cardíacos persistentes. Os médicos críticos previram isso desde o início.

O estudo, publicado em 5 de maio, teve como principal objetivo investigar o histórico da miocardite relacionada à vacina. A este respeito, os cientistas foram capazes de identificar citocinas inflamatórias como a causa:

Em conjunto, nossos resultados mostram uma suprarregulação de citocinas inflamatórias e linfócitos correspondentes com capacidade lesiva ao tecido, sugerindo patologia dependente de citocinas que também pode estar associada à fibrose cardíaca associada às células mieloides.Barmada et al., 2023

Os pesquisadores examinaram uma coorte clínica consistindo de 23 pacientes que foram hospitalizados por miocardite e/ou pericardite relacionada à vacina. A coorte consistiu de 87 por cento de indivíduos do sexo masculino com uma idade média de 16,9 mais/menos 2,2 anos (entre 13 e 21 anos). Todos eles eram geralmente saudáveis antes de sua vacinação Corona. 

Seis pacientes foram excluídos de análises adicionais devido a um teste PCR positivo, os 17 pacientes restantes não mostraram evidência de infecção por corona.

Para o médico crítico Dr. Peter McCullough, os resultados da ressonância magnética no estudo são de particular interesse: enquanto o eletrocardiograma (ECGs) e exames de sangue nos pacientes logo falham novamente sem descobertas, a imagem parece fornecer indicações de danos a longo prazo. 

Em 80% dos pacientes, estes se manifestaram na forma de "realce tardio do gadolínio" (RTG), que geralmente indica tecido fibroso, ou seja, cicatrização. A fibrose cardíaca restringe a capacidade de bombeamento do órgão e aumenta o risco de arritmias cardíacas. Para o Dr. McCullough, o estudo levanta questões:

Embora os autores mostrem claramente altos níveis de marcadores inflamatórios, chamou-me a atenção os exames de acompanhamento por RM. Como mostrado na figura, apenas 20% das anormalidades (enriquecimento tardio com gadolínio) haviam se resolvido após mais de seis meses (199 dias).

Este artigo levanta questões:
  • Há danos cardíacos persistentes e inflamação após seis meses?
  • Em 80% dos casos, o LGE representa uma "cicatriz" permanente que coloca essas crianças em risco de parada cardíaca futura? Dado o grande número de jovens potencialmente vulneráveis, esses dados requerem urgentemente pesquisas em larga escala sobre esse problema emergente.Dr. Peter McCullough

O fato de que a miocardite não é "leve", mas deixa danos a longo prazo, tem sido repetidamente alertado por médicos críticos desde que esse efeito colateral da vacinação se tornou conhecido. No entanto, o establishment não se cansa de minimizar a miocardite como uma complicação da vacina e descartá-la como inofensiva. 

Mas a própria Pfizer admitiu que sua vacina experimental contra Covid-19 BNT162b2 pode potencialmente causar inflamação do músculo cardíaco (miocardite)Quantas pessoas você acha que foram vacinadas graças a essa desinformação e sofreram danos cardíacos a longo prazo com as injeções supostamente seguras?

Referência: Report24
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Suplemento Multivitamínico

Fechar Menu