Mais engano: O ensaio clínico falho da substância COVID da Pfizer contradiz a narrativa segura e eficaz da empresa

O ensaio clínico da injeção de mRNA da farmacêutica falhou em mostrar que a injeção era eficaz e segura.


Mais engano: O ensaio clínico falho da substância COVID da Pfizer contradiz a narrativa segura e eficaz da empresa

Em um avanço deliberado por ganância e lucro, não por saúde, em 2022, quase 450.000 estudos clínicos foram formalmente registrados globalmente (ou seja, mais rápido do que nunca, estudos provavelmente forjados). No entanto, quando voltamos para o ano 2000, o número de ensaios clínicos era de apenas 2.119. Mas, há uma estatística ainda mais alarmante que a maioria das pessoas não conhece.

Relatórios recentes do Dailyclout.io, indicam que as gigantes farmacêuticas reforçaram fortemente as campanhas e narrativas de suas vacinas COVID por meio de ensaios clínicos, forçando uma injeção experimental insegura nas massas. Vamos dar uma olhada mais de perto no teste clínico da substância atualizada da COVID da Pfizer, profundamente falho, que contradiz a afirmação da empresa, autoridades de saúde e grande mídia/ TV de que a injeção é segura.

DEFEITO: 90% do grupo placebo original no ensaio clínico da Pfizer recebeu pelo menos uma injeção de mRNA


Embora a verborragia usada em estudos científicos e ensaios clínicos seja bastante complexa, aqueles dispostos a percorrer a semântica complicada são generosamente recompensados ​​no final do labirinto da linguagem. Os cães de guarda que investiram seu tempo e esforço analisando o ensaio clínico de vacina de mRNA de coronavírus da Pfizer descobriram alguns fatos perturbadores. Exatamente 90% do grupo placebo original do estudo recebeu pelo menos uma injeção de mRNA até a primavera de 2021.

O ensaio clínico da injeção de mRNA da farmacêutica falhou em mostrar que a injeção era eficaz e segura. No entanto, a Pfizer afirmou o contrário.

A Pfizer interrompeu a coleta de dados úteis antes do término planejado do ensaio clínico. Os executivos da empresa farmacêutica realizaram testes de diagnóstico imprecisos que confirmaram o vírus em uma pequena porcentagem dos pacientes envolvidos na análise. Em outras palavras, o ensaio clínico foi em vão, usado apenas para promover a agenda das gigantes farmacêuticas e aumentar o preço das ações da empresa.

A equipe de pesquisa da Pfizer errou ao confiar em uma reação em cadeia da polimerase (PCR) defeituosa para o diagnóstico de COVID. O teste foi altamente impreciso, fornecendo leituras falsas positivas e negativas. No entanto, a agência reguladora americana, equivalente a Anvisa, o  FDA deu luz verde ao uso de PCR para o ensaio clínico. A Pfizer determinou injustamente que as injeções de mRNA eram eficazes em impedir o vírus simplesmente porque os supostos casos de COVID estavam, na verdade, em receptores do grupo placebo.

Aprofunde-se ainda mais no teste de tiro falho da Pfizer e você descobrirá que a equipe de pesquisa da empresa revelou o grupo de controle do teste, injetando neles a substâncias de mRNA. Esses são apenas alguns exemplos de erros, omissões e descuidos que acabam tornando o julgamento inútil. Em resumo, absolutamente nenhuma conclusão legítima pode ser derivada sobre a eficácia ou segurança da substância mRNA COVID da Pfizer como resultado de seu estudo ineficaz.

Apesar do estudo clínico altamente questionável, a empresa farmacêutica insiste que as injeções de mRNA são seguras e eficazes


Como se costuma dizer, toda história tem pelo menos dois lados. A equipe de pesquisa da Pfizer desenvolveu originalmente o estudo usando o que a indústria considerava a abordagem ideal para a análise de medicamentos: um estudo controlado, totalmente randomizado e duplo-cego. Nesse ensaio, os pacientes e pesquisadores não sabiam quem receberia o medicamento nem quem receberia o placebo.

A equipe de pesquisa selecionou os participantes aleatoriamente para receber o placebo ou o medicamento. Os pesquisadores então compararam os resultados do estudo para ter uma noção de qual grupo teve o melhor resultado de saúde.

Um estudo randomizado controlado de Fase 3 é a metodologia padrão da indústria para avaliar o potencial impacto positivo da medicação ou outra modalidade de tratamento. O objetivo de randomizar um estudo de controle é avaliar se existe uma relação de causa e efeito no contexto da vacina e dos resultados de saúde.

O FDA aprovou a substância experimental da empresa para uso emergencial em dezembro de 2020. Para piorar as coisas, o FDA e a Pfizer estavam cientes de que os participantes do ensaio clínico notaram efeitos colaterais severos da substância experimental, mas ainda permitiram seu uso generalizado.

Pode-se dizer, sem a menor dúvida, que a Pfizer e o FDA não cumpriram seu dever de cuidado. Em termos legais, essa falta de cuidado é chamada de negligência. Ambos os grupos têm o dever de cuidar de seus clientes e dos contribuintes dos Estados Unidos da América. A Pfizer e o FDA falharam em cumprir esse dever, tornando-os criminalmente negligentes.

As fontes para este artigo incluem:
Dailyclout.io
Statista.com
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Suplemento Multivitamínico

Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.