Números chocantes também na Itália: duas vezes mais mortes do que nascimentos

Redução populacional silenciosa por meio de vacinas? A Itália está cada vez mais diminuindo sua população de bebês


Números chocantes também na Itália: duas vezes mais mortes do que nascimentos

As estatísticas populacionais durante a pandemia de vacinação também estão se desenvolvendo de forma extremamente negativa na Itália - pelo menos do ponto de vista das pessoas. 393.000 nascimentos agora enfrentam 713.000 mortes na Itália. O número de mortes parece indicar um ligeiro excesso de mortalidade, mas a taxa de natalidade é dramaticamente baixa.

A Itália tem uma taxa de natalidade tradicionalmente baixa. Na Europa, o país é o penúltimo. Dependendo da fonte, a taxa de natalidade por mulher é de cerca de 1,3 a 1,2. A cada ano, a taxa de natalidade diminui cerca de 0,5%. Historicamente, no entanto, a taxa de natalidade foi pior uma vez antes, ou seja, em 1995, com 1,18 filhos por mulher. O pico dos últimos anos foi em 2010 com 1,46 filhos por mulher. O desenvolvimento provavelmente também será dramático porque a Itália é o lar de milhões de imigrantes de países em desenvolvimento com alta taxa de natalidade.
Excesso de mortalidade na Itália segundo Euromomo


A taxa de natalidade na Itália caiu para menos de 2 filhos por mulher em 1977 e não se recuperou desde então. A população vem caindo desde 1993, embora os migrantes da pobreza sejam constantemente naturalizados. Os números são particularmente dramáticos desde 2020, quando houve uma redução de mais de 300.000 pessoas por ano. 

O número de estrangeiros, por outro lado, está explodindo sem levar em conta as naturalizações. Enquanto 1,3 milhão de pessoas na Itália eram estrangeiras em 2002, esse número subiu para 5,2 milhões de pessoas em 2021. Uma pesquisa em 2018 mostrou que 71% dos italianos eram a favor de menos migração – o que, é claro, não preocupava e não preocupa os políticos. Em 2021, 77% da população rejeitou a migração em massa.

De qualquer forma, na Itália é possível observar claramente uma tendência, que não se deve apenas às campanhas de vacinação, que se suspeita em todo o mundo terem um impacto extremamente negativo nas taxas de natalidade. As taxas de natalidade na Itália estão entre as mais baixas do mundo, o que significa que as pessoas não veem futuro para si mesmas e para seus filhos. Em 2020, a Itália foi a sexta da última. Aliás, Níger, Somália e Chade vieram primeiro.

Estranhos neste contexto são reportagens de revistas de negócios que reclamam do declínio da população global. Outros grupos globalistas, por outro lado, querem que o número de pessoas neste planeta seja reduzido, sobretudo a desumana seita climática que propaga abortos e esterilidade para minimizar as emissões de CO2. As revistas de negócios mencionadas temem uma recessão econômica porque não haveria gente suficiente.

"O iminente declínio populacional é um alerta", diz Dettmers. “O combustível mais importante do crescimento econômico nos últimos séculos tem sido as pessoas. E com menos pessoas, menos trabalho pode ser feito.”Mecânica Popular

Por outro lado, deve-se notar que o crescimento eterno na natureza também é chamado de câncer. Não há como negar o fato de que as pessoas nas nações industrializadas altamente desenvolvidas tendem a ser menos numerosas, enquanto nos países em desenvolvimento a reprodução funciona completamente sem impedimentos. - Reportagem do: Report24
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Suplemento Multivitamínico

Fechar Menu