Coletividade Evolutiva , Dois corredores tiveram paradas cardíacas. Um cardiologista corria atrás deles. , Ciência , Ivermectina , Mundo , Notícias alternativas , saúde , Últimas-notícias ,

Dois corredores tiveram paradas cardíacas. Um cardiologista corria atrás deles.

Steven Lome, cardiologista e corredor de longa distância, nunca havia testemunhado uma parada cardíaca durante uma corrida


Dois corredores tiveram paradas cardíacas. Um cardiologista corria atrás deles.

Steven Lome, cardiologista e corredor de longa distância, nunca havia testemunhado uma parada cardíaca durante uma corrida. Ele também não esperava usar suas habilidades profissionais fora do trabalho. O interessante disso tudo é que: desde 2021 e março de 2022, milhares de atletas que eram saudáveis foram “totalmente vacinados”, desmaiaram em campo, muitos deles devido à parada cardíaca e outros problemas graves induzidos ​​por injeções de mRNA (Covid-19)( o que chamam hoje de mal súbito). Isso nos faz pensar, será que isso foi o que aconteceu nessa história?

Os dois corredores, homens na faixa dos 50 e 60 anos, sobreviveram e devem se recuperar totalmente, Lome relatou em um tópico no Twitter. "Eu apenas pensei que era um evento tão louco, louco e aleatório que houve duas paradas cardíacas, e ambas aconteceram bem na minha frente", disse ele em entrevista por telefone. Ambos os homens disseram que se sentiam saudáveis ​​indo para a corrida. 

Os incidentes, que receberam atenção nacional, oferecem lições e lembretes para corredores de todas as habilidades. Embora as paradas cardíacas súbitas sejam incomuns entre os participantes de corridas de rua - de acordo com um estudo de 2012 publicado no New England Journal of Medicine, a taxa de incidência é de 0,54 por 100.000 participantes, com uma taxa significativamente maior durante as maratonas em comparação com as meias maratonas. A maioria desses casos de parada cardíaca (71%) foi fatal. Havia cerca de 5.000 finalistas na Meia Maratona de Monterey Bay.

Quando Lome viu o primeiro corredor, Greg Gonzales, de 67 anos, de Vancouver, Washington, desmaiar cerca de 30 pés à sua frente por volta da terceira milha da corrida, ele avaliou que "não foi apenas um simples desmaio ou viajem."

Lomé iniciou as compressões torácicas "dentro de um minuto" após o colapso de Gonzales e disse que alguém ligou para o 911. Ele acrescentou que, em poucos minutos, os paramédicos chegaram com um desfibrilador. A American Heart Association recomenda a RCP apenas com as mãos, que instrui a pessoa que aplica as compressões torácicas a empurrar com força e rapidez no centro do tórax do paciente. Empurre para a batida da música "Stayin 'Alive" dos Bee Gees, disse Lome. "Isso é porque essa é a batida adequada."

Gonzales acordou dois ou três minutos depois de receber o choque do DEA (Desfibrilador 
), disse Lome.

Gonzales disse em uma entrevista por telefone que a última coisa de que se lembrava sobre a corrida era acelerar uma inclinação por volta da terceira milha. Quando recuperou a consciência, estava na parte de trás de uma ambulância.

"Eu me senti bem, além de uma dor terrível no peito, e eles indicaram que a dor no peito era causada por fraturas nas costelas devido às compressões no peito", disse Gonzales.

Lome continuou sua corrida depois de ajudar Gonzales e terminou a meia maratona em 2 horas 30 minutos 32 segundos. Então ele viu o segundo corredor, Michael Heilemann, de 56 anos, de San Anselmo, Califórnia, desmaiar logo após a linha de chegada. Lomé iniciou as compressões torácicas. Um voluntário da corrida trouxe um AED "dentro de um a dois minutos", disse ele.

Heilemann acordou após um choque, disse Lome.

"A linha de chegada é uma área relativamente comum para eventos cardíacos", disse John Ellison, diretor médico da Meia Maratona de Monterey Bay e da Maratona Internacional de Big Sur.

Ellison deu crédito às pessoas ao redor por salvarem as vidas dos corredores. "O tratamento definitivo para a parada cardíaca não é a RCP (RCP nada mais é que uma sequência de manobras e procedimentos realizados em pacientes com parada cardíaca
), é a desfibrilação, é colocar eletricidade no peito para reiniciar o coração", disse ele. "E a RCP é importante para preservar a função cerebral e manter o sangue fluindo enquanto isso."


- Ouça o seu corpo

Cerca de 1 ano e meio atrás, Gonzales sentiu uma "pequena pontada de dor" nos lados esquerdo e direito do peito. A dor veio e foi. "Cinco segundos aqui, 20 segundos aqui, 30 segundos aqui, talvez um minuto de vez em quando", disse ele. "Não mais do que provavelmente cinco a 10 vezes." Então, cerca de oito meses atrás, Gonzales teve uma "pequena polegada" de dor no bíceps esquerdo.

Ele ignorou a dor e a atribuiu a outras coisas, como indigestão ou dor por levantar pesos. Gonzales disse que, olhando para trás, deveria ter ido ao médico.

Esses sinais não devem ser ignorados. "Mesmo que você esteja correndo como eu, tentando malhar como eu, se houver algum problema como esse, entre em contato com seu internista ou médico imediatamente", disse Gonzales.

Estudos demonstraram que o exercício pode reduzir o risco de doenças cardíacas, mas é importante que você converse com seu médico antes de participar de um evento de resistência, principalmente se você tiver fatores de risco.

"Muitas pessoas correm maratonas e se saem bem", disse Kim. "Mas se você nunca fez isso antes, você quer pensar sobre quais podem ser seus fatores de risco e garantir que tudo isso tenha sido tratado e controlado."

- Não treine quando tiver uma doença respiratória

Embora o tweet de Lome sobre os dois corredores com parada cardíaca tenha gerado especulações nas redes sociais de que os incidentes podem estar relacionados à covid, especialistas disseram que não há evidências para apoiar isso.

Kim, que é o diretor de cardiologia esportiva da Emory University, diz que o fato de dois corredores terem sofrido parada cardíaca durante a mesma corrida é "provavelmente mais uma coincidência" do que uma indicação de que houve um aumento na frequência cardíaca. eventos por causa da pandemia.

“Não observamos pessoalmente um aumento nos casos de miocardite, ou casos de parada cardíaca súbita em atletas como consequência da covid”, afirmou.

Ele desaconselhou o treinamento quando você tem uma infecção viral respiratória.

"Respeite o vírus, seja cobiçoso ou apenas um resfriado ou gripe forte, você não deve treinar com uma síndrome viral", disse Kim. “Isso é algo que pregamos em meu campo antes da covid, e certamente continuamos a pregar pós-covid.”

Heilemann disse que não testou positivo para o coronavírus, e Gonzales disse que testou positivo em janeiro e teve sintomas de fadiga até julho, mas conseguiu treinar normalmente desde então.

"Acredito que esta meia maratona foi a mais difícil que já treinei para uma meia maratona", disse Gonzales. "Eu me senti ótimo."

Ambos os corredores disseram que planejam correr e terminar a Meia Maratona de Monterey Bay no próximo ano. Leia mais em: yahoo

Obtenha o Extrato de Própolis Verde, Vitamina C, D e Zinco para melhor Imunidade e Proteção contra doenças oportunistas - Clique aqui


Siga-nos: | | e | Inscreva-se na nossa | Nos Apoie: Doar
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Fechar Menu
Entre em nosso Telegram

Entre para nosso canal do Telegram

ENTRAR

Nos siga no X (Twitter)

Compartilhamos nossos artigos e outras informações

SEGUIR

Apoie Coletividade Evolutiva - Doação

Apoie nosso projeto com uma contribuição.

DOAR