O Brasil é peça chave na agenda globalista: querem destruir para reconstruir sob uma ditadura distópica global

Globalistas estão determinados a punir os países soberanos que não obedecem a uma ordem baseada em regras sob a agenda da Grande Redefinição


O Brasil é peça chave na agenda globalista: querem destruir para reconstruir sob uma ditadura distópica global

Bem na hora, o plano globalista para uma “Grande Reinicialização” agora está se desenrolando em tempo real. E só para deixar claro, tudo isso foi planejado e planejado anos atrás – o que significa que tudo foi planejado. O que eles querem é colapsar tudo para redefinir tudo em um novo modelo de ordem global. Reconstruir em modelo tecnocrático e autoritário. 

A rejeição do governo Bolsonaro a agenda da Grande Reinicialização e de suas instituições e indústrias globais associadas, como OMS, OTAN e grande indústria farmacêutica, é um passo na direção certa e deixaram os globalistas em pânico.

É importante entender que não há uma única ideia nova ou original na chamada agenda da Grande Reinicialização do Fórum Econômico Mundial de Klaus Schwab para o mundo. Tampouco sua agenda da Quarta Revolução Industrial é sua reivindicação de ter inventado a noção de Capitalismo das Partes Interessadas um produto de Schwab.

Klaus Schwab é pouco mais que um astuto agente de relações públicas de uma agenda tecnocrática global, uma unidade corporativista do poder corporativo com o governo, incluindo a ONU, uma agenda cujas origens remontam ao início da década de 1970 e até antes. A redefinição global é apenas um projeto atualizado para uma ditadura distópica global sob o controle da ONU que está há décadas em desenvolvimento. Os principais atores foram David Rockefeller e seu protegido, Maurice Strong.

No meio de todos os chefes de Estado presentes na cúpula do G20 deste ano em Bali, o fundador do Fórum Econômico Mundial, que não tem nenhuma legitimação democrática, também está por aí: Klaus Schwab já aproveitou a oportunidade e em discurso veiculado a grande "transformação" ou a grande reinicialização. Ele descreveu seu "Grande Reinicialização" como uma inevitável "reestruturação sistêmica profunda de nosso mundo" - como se ele tivesse o poder de ditar isso.

Na verdade, apenas uma pergunta se coloca aqui: o que Klaus Schwab, a quem nenhum cidadão do mundo jamais deu qualquer forma de mandato e que, com suas ideias globalistas e muitas vezes desumanas, se afastou de qualquer compreensão democrática básica, perdeu nesta cimeira?

Reconhecidamente, o 
Fórum Econômico Mundial é bem conhecido por infiltrar seus apoiadores e “Jovens Líderes Globais” em governos ao redor do mundo e no Brasil parece ter sido eleito recentemente um que é totalmente alinhado com a agenda globalista e reuniões globais, Luiz Inácio Lula da Silva (PT)

O Brasil é essencial para essa agenda distópica global, portanto, os globalistas precisam quebrar o agronegócio brasileiro, para implantar comidas sintéticas, tributação de CO2 (agenda verde), remover propriedades privadas, frear os combustíveis fosseis e implantar comidas elaboradas a partir de laboratórios e de isentos - enquanto isso, eles controlarão o monopólio de todos os recursos do planeta.

No espectro geopolítico, os globalistas estão determinados a punir os países soberanos que não obedecem a uma ordem baseada em regras sob a agenda da Grande Redefinição: 

Eles propagam crises alimentares, crise de água e crise econômica e de energia. O  Brasil é rico em muitos recursos que os globalistas querem tomar de assalto a todo custo: portanto,  eles querem colocar seus fantoches alinhados com essa agenda globalista no poder político do país, para colapsar nossa nação, nossa democracia, nossa liberdade e nossas propriedades privadas e realizar a grande redefinição - e o presidente supostamente eleito pelo povo, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é totalmente alinhado com essa agenda.

Como sempre, o discurso de Klaus Schwab no G20 foi sobre apenas uma coisa: o "Grande Reset", a "grande transformação" ou, como ele diz aqui: a "profunda reestruturação sistêmica de nosso mundo". Quando o "processo de transformação" estiver completo, o mundo será diferente, ele profetizou.

O que ele ignora: os cidadãos do mundo não têm interesse em seu “Grande Reinício”. E os chefes de governo que estão tentando impor essa agenda em seu país também sentirão isso. Isso já pode ser percebido no Canadá, onde o “Jovem Líder Global” Trudeau enfrenta uma resistência crescente – não só da população, mas também da própria política. No Brasil, uma resistência de patriotas já começaram a resistir a essa agenda globalista distópica e maligna.

No entanto, acredito que estamos nos estágios iniciais de um grande despertar, não uma ordem baseada em regras administrada por um grupo de globalistas, apesar da propaganda interminável de como a Grande Reinicialização tornará o planeta um lugar melhor para todos nós.

Pessoas e certos governos estão despertando para o fato de que um grupo de globalistas está trabalhando contra eles em todos os níveis, e eles estão começando a revidar. Não queremos ser governados por um poder centralizado que nos diz o que fazer ou como pensar. O conceito do Grande Reinicialização falhou de várias maneiras, mas ainda há trabalho a fazer.

Vacinas mortais para redução populacional e golpe


Os globalistas estão pedindo que a população mundial seja completamente vacinada com suas injeções experimentais de Covid-19, ou seja, eles querem controle total sobre as políticas de saúde do mundo para impor o uso de máscaras faciais e esquemas de vacinação sem fim por meio de mandatos impostos pelo governo à população embora as injeções experimentais de Covid-19 estejam ferindo e até matando milhares de pessoas em todo o mundo. 

Os conspiradores globalistas começaram seu plano de ação da Grande Redefinição global para implementar seus mandatos de vacinas assim que a Emergência de Saúde Pública foi anunciada, mas houve governos que rejeitaram a ideia desde o início. Em 3 de dezembro de 2020 , o Ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araujo , rejeitou claramente o Fórum Econômico Mundial e sua Agenda da Grande Redefinição, dirigindo-se à sessão especial das Nações Unidas (ONU) sobre o COVID-19, dizendo:

As liberdades fundamentais não são uma ideologia. A dignidade humana requer liberdade tanto quanto saúde e oportunidades econômicas. Quem não gosta da liberdade sempre tenta aproveitar os momentos de crise para pregar o cerceamento da liberdade. Não vamos cair nessa armadilha. O controle social totalitário não é o remédio para nenhuma crise. Não vamos fazer da democracia e da liberdade mais uma vítima do COVID-19.
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Suplemento Multivitamínico

Fechar Menu