20 mil veículos familiares e caminhões israelenses participaram do comboio da liberdade global

O Freedom Convoy tornou-se conhecido em todo o mundo – não apenas no Canadá. Israel também aderiu. É hora de mudar!




Apesar do quase apagão de grande parte da imprensa israelense, cerca de 20.000 veículos participaram de um “Comboio da Liberdade” para Jerusalém na segunda-feira, culminando com grandes protestos do lado de fora do parlamento e da Suprema Corte de Israel. Muitos países estão começando a aderir o mesmo, e nós brasileiros, não podemos deixar também de lutar pela nossa constituição e pela liberdade de nós e nossos filhos.

Protestos semelhantes estão ocorrendo na Nova Zelândia, Austrália, França e Holanda. Um comboio semelhante está planejado nos Estados Unidos no início de março.

Veículos partiram na manhã de segunda-feira de quarenta cidades em Israel, pedindo ao governo que remova o estado de emergência declarado devido à pandemia de coronavírus, segundo os organizadores do evento. O comboio, que incluía caminhões, tratores, carros e motocicletas, viajou pelas principais rodovias de Israel com apoiadores nas pontes e grandes entroncamentos ao longo do dia. O comboio causou grandes atrasos no trânsito em grande parte do país.

O comboio, inspirado por protestos semelhantes no Canadá e em outros países ao redor do mundo, foi organizado em torno de uma mensagem central: “Retome o volante” – significando desfazer o estado de emergência e revogar a chamada “lei da coroa maior” que concede ao governo poderes especiais para lidar com a propagação do vírus, disseram os organizadores em um comunicado.

O projeto, foi organizado por leigos e financiado através de uma campanha de crowdfunding.

O comboio segue meses de protestos contra restrições impostas pelo governo e medidas de vigilância, que não foram cobertas pelos principais meios de comunicação. O apagão dos protestos contrasta fortemente com a cobertura da mídia hiperfocada dos protestos anti-Netanyahu no período que antecedeu as recentes campanhas eleitorais de Israel, mesmo quando esses protestos eram em pequeno número.

O comboio tinha cinco objetivos adicionais além de revogar a principal lei da coroa, de acordo com o comunicado: devolver as crianças às suas rotinas normais, incluindo o fim do mandato da máscara; uma abertura completa da economia, incluindo a eliminação de testes e outros requisitos de segurança COVID-19; divulgação completa de contratos e protocolos que foram retidos da revisão e consumo público, como o contrato completo entre o Ministério da Saúde de Israel e a gigante farmacêutica Pfizer; acabar com a violação da privacidade individual por meio de câmeras de rua ou outra vigilância ilegal; e respeitando os direitos humanos individuais incondicionalmente pelo governo, independentemente do estado de vacinação.

“A recente onda de morbidade expôs as deficiências do governo e a má gestão da crise, o que por sua vez criou uma crise de confiança”, segundo os organizadores. “Muitas previsões do governo não se confirmaram; muitas promessas não foram cumpridas e os cidadãos estão percebendo que seus membros eleitos no Knesset são distantes, improvisando com regulamentos ilógicos, movidos por interesses pessoais e não pelo bem-estar do público. O papel do governo não é governar, mas servir seus cidadãos”.

Os canadenses estão apenas defendendo seus direitos. Esses caminhoneiros são cidadãos cumpridores da lei. Todos aqueles que saíram para apoiá-los estão se unindo com o objetivo de obter suas liberdades pessoais devolvidas pelo governo canadense.

Trudeau tornou-se um ditador. Ele perdeu a cabeça, e é aterrorizante ver o que ele disse, fez e ameaçou. Ele não pode ser confiável como o líder do povo canadense.

*Publicado originalmente em JNS.org .
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Suplemento Multivitamínico

Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.