Adquira agora o e-book CULTIVANDO HORTA ORGÂNICA e  apenda tudo sobre o cultivo de hortas, do básico ao avançado,  desde o plantio até a colheita.
Vacinação

Revelado! Plano das Nações Unidas para vacinar crianças sem o consentimento dos pais

Vacinação: Revelado! Plano das Nações Unidas para vacinar crianças sem o consentimento dos pais... “Se o consentimento dos pais é necessário, os profissionais de saúde devem permitir que as crianças deem parecer favorável à vacinação”...

Coletividade Evolutiva
Compartilhe:
Revelado! Plano das Nações Unidas para vacinar crianças sem o consentimento dos pais

Documentos publicados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) da ONU em 2014 detalham uma abordagem sorrateira para contornar o consentimento dos pais quando se trata de vacinar crianças de 6 a 17 anos.

O documento, intitulado “Considerações sobre o consentimento para vacinar crianças e adolescentes entre 6 e 17 anos”, explica como lidar com aquele grupo populacional que “pode se apresentar para vacinação sem o acompanhamento dos pais ou responsável legal”.

O artigo fornece uma descrição normal de “consentimento” antes de descrever “assentimento” como “o processo de participação de crianças e adolescentes na tomada de decisão sobre a vacinação”.

De acordo com a descrição de consentimento da ONU, “o direito internacional oferece forte apoio aos direitos das crianças de participarem nas decisões sobre sua saúde e cuidados de saúde, e também no planejamento e prestação de serviços de saúde relevantes para elas e com base em sua capacidade em evolução”.



Em seguida, a organização globalista observa que a idade média da idade adulta em todo o mundo é de 18 anos, e que "na faixa etária de 6 a 17 anos não pode fornecer consentimento para a vacinação e, portanto, o consentimento é ' normalmente' exigido de seus pais ou guardião legal."

No entanto, o jornal continua a insinuar que permitir que os adolescentes escolham por si próprias está em alta.

“Em um número crescente de países, a idade de consentimento para intervenções médicas é definida abaixo da maioridade. Isso permite que os adolescentes dêem consentimento para intervenções específicas, como acesso a anticoncepcionais ou teste de HIV. Alguns países fixaram a idade de consentimento especificamente para permitir a vacinação contra o HPV aos 12 anos. ”

A próxima parte do documento discute o que fazer “quando as crianças presentes para a vacinação [não] acompanhadas pelos pais”, admitindo que “é um desafio determinar se os pais de fato deram consentimento”.

A seção mais nefasta dos documentos globalistas da ONU está na parte 3 de uma página intitulada, “Abordagens comuns para obter consentimento para vacinação”.

Lá, os profissionais de saúde são informados de que “consentimento implícito” é uma situação em que “a presença física da criança ou adolescente, com ou sem um dos pais acompanhantes na sessão de vacinação, é considerada como implicando consentimento”.

O grupo globalista afirma que enviar avisos aos pais anunciando que as clínicas de vacinação aparecerão nas escolas é suficiente para implicar consentimento se a criança comparecer na clínica de vacinação sem os pais.

Na verdade, o jornal afirma que é responsabilidade dos pais fazer o possível para garantir que seus filhos não sejam vacinados sem seu conhecimento ou aprovação.



“Os países que usam consentimento implícito para vacinação infantil consideram o pai que traz a criança para vacinação como uma expressão de consentimento informado”, diz o documento.

Em uma seção que aborda as leis de vacinação obrigatória e consentimento informado, o documento afirma: "Quando a vacinação obrigatória é estabelecida em disposições relevantes da lei, o consentimento pode não ser exigido."

Esta seção é especialmente aplicável considerando a pandemia Covid-19 e as leis de vacinas obrigatórias relacionadas sendo estabelecidas por nações em todo o mundo.

Perto do final do aviso de 8 páginas, a OMS diz categoricamente aos profissionais de saúde que permitam que crianças de 6 a 17 anos decidam se querem ou não ser vacinadas, independentemente do consentimento dos pais.

“Quando o consentimento dos pais for necessário, os profissionais de saúde devem permitir que crianças e adolescentes mais velhos deem parecer favorável à vacinação”, afirma.



Sob a administração Biden, os Estados Unidos seguiram repetidamente os procedimentos recomendados pela ONU, inclusive o Brasil para a vacinação Covid-19.

Com a vacina Pfizer para Covid sendo aprovada para crianças americanas de 5 a 11 anos na terça-feira, podemos esperar aqui no Brasil, que as agências de saúde e autoridades do governo permitirão também ou irão impor mandatos de vacinas perigosas para injetar essas substâncias experimentais em nossas crianças em idade escolar sem o conhecimento dos pais?

Veja o relatório completo da OMS abaixo:

Leia mais em: InfoWars.com
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Veja mais sobre: , , , , , , ,
Compartilhe:
RELATAR ERROS:

: Ao reproduzir este artigo: Uso não comercial OK, cite | coletividade-evolutiva.com.br | com um link clicável. Siga Coletividade Evolutiva nas | REDES SOCIAIS | Apoie o nosso trabalho com uma | DOAÇÃO |
Coletividade Evolutiva

Autor: Coletividade Evolutiva

Visa informar a sociedade de forma que possa ajudar no despertar, enxergar através das cortinas que limitam o pensamento, quebrando assim, as velhas formas de pensar. Examina o que percebe como os problemas mais importantes da sociedade atual, publica possíveis soluções e alternativas que podem ajudar a reconstruir a sociedade por meio do despertar e pensamento. Publica informações que desafia o pensamento e os preconceitos sem descuidar das principais regras que regem.

MAIS RECENTES