EXCLUSIVO: Governador do Tennessee Proíbe Programas de Manipulação Climática: Um Passo Histórico Contra a Geoengenharia

"Experimentos de geoengenharia" e "dispersão intencional de produtos químicos na atmosfera" agora proibidos no estado.


EXCLUSIVO: Governador do Tennessee Proíbe Programas de Manipulação Climática: Um Passo Histórico Contra a Geoengenharia

Em um movimento sem precedentes para proteger a saúde humana e o meio ambiente, o governador do Tennessee, Estados Unidos, Bill Lee (R), sancionou recentemente um projeto de lei que proíbe o governo federal de se envolver em experimentos de geoengenharia envolvendo a liberação de produtos químicos potencialmente perigosos no céu, o que alguns chamam de "chemtrails".

Nos últimos anos, o debate sobre geoengenharia alcançou novos patamares de controvérsia e preocupação global, culminando recentemente na proibição pioneira dos experimentos climáticos de geoengenharia e modificação climática intencional pelo governo do Tennessee. Chemtrails são os rastros deixados pelas aeronaves à medida que liberam produtos químicos no ar, um processo conhecido como injeção de aerossol estratosférico (SAI).

Esta legislação histórica, assinada pelo governador Bill Lee, visa conter práticas como a injeção estratosférica de aerossóis (SAI), mais conhecida como "chemtrails" ou geoengenharia. Enquanto defensores da geoengenharia argumentam que essas técnicas são essenciais para mitigar o suposto aquecimento global descontrolado, especialistas alertam para os perigos desconhecidos e como estão utilizando o potencial dessas tecnologias como armas climáticas.

A legislação (SB 2691/HB 2063) proíbe "a injeção, liberação ou dispersão, por qualquer meio, de produtos químicos, compostos químicos, substâncias ou aparelhos dentro das fronteiras deste estado na atmosfera com o propósito expresso de afetar a temperatura, o clima ou a intensidade da luz solar". A proibição é necessária porque "o risco para a saúde humana e o bem-estar ambiental da geoengenharia em larga escala não é atualmente bem compreendido".


A geoengenharia, termo que engloba métodos para manipular o clima global, tem se concentrado supostamente e principalmente em técnicas de Gestão da Radiação Solar (SRM). Essas técnicas envolvem a dispersão de nanopartículas de metais, como alumínio, dióxido de enxofre e muito outros -  na estratosfera para supostamente refletir a luz solar de volta ao espaço (que em teoria, resfriaria o planta - congelaria, afetaria certamente os padrões naturais do clima, a natureza, animais, “etc”, como já estão), reduzindo assim a temperatura média da Terra. No entanto, além do propósito declarado de combater as mudanças climáticas, surgem preocupações substanciais sobre os efeitos colaterais não intencionais e potencialmente devastadores.

Em junho de 2023, o Escritório de Política Científica e Tecnológica da Casa Branca (OSTP) divulgou um relatório encomendado pelo Congresso sugerindo que projetos globais e regionais de geoengenharia estão sendo realizados "secretamente", sem o conhecimento dos cidadãos.

A página 43 do documento confirma que o governo dos EUA "conduz ou financia pesquisas limitadas sobre modificação da radiação solar" (SRM), que envolve o uso de aviões ou balões para dispersar produtos químicos potencialmente perigosos na estratosfera para refletir a luz solar longe da Terra.

Na entrevista em vídeo, o candidato presidencial dos EUA Robert F. Kennedy Jr. entrevista Dane Wigington, fundador da GeoengineeringWatch.org, sobre a engenharia climática e seu papel oculto nas mudanças climáticas. Wigington também produziu o documentário "The Dimming".

Embora Wigington tenha tentado aumentar a conscientização sobre a realidade da engenharia climática nas últimas duas décadas, seu trabalho agora está ganhando força depois que a Casa Branca anunciou que está apoiando um plano para bloquear a luz solar em um esforço de engenharia climática.

De acordo com Wigington, há muitas evidências mostrando que projetos de geoengenharia de vários tipos já estão tendo impactos severos nos padrões climáticos, nossa capacidade de cultivar alimentos, biodiversidade e saúde humana.Os projetos de geoengenharia passaram de cerca de 300 em 2012 para mais de 1.700 em 2023.

A geoengenharia intencional – incluindo o escurecimento solar – acontece há mais de 70 anos e se expandiu exponencialmente nos anos mais recentes. Um mapa de geoengenharia,5 criado pelo Grupo ETC e pela Fundação Heinrich Boell (Que também está envolvida no Brasil ), mostra como os projetos de geoengenharia se expandiram de cerca de 300 em 2012 para mais de 1.700 em 2023.

Isso inclui captura/remoção de carbono, redução da radiação solar e uma variedade de projetos de modificação do clima em todo o mundo. Não por acaso, Bill Gates financia a geoengenharia há muito tempo. De forma ampla, os programas de geoengenharia foram inicialmente implementados após a Segunda Guerra Mundial, começando nas regiões polares.

Como observado por Wigington, as estruturas de poder globalistas que agora afirmam que precisamos usar a geoengenharia para resolver as mudanças climáticas foram as responsáveis por criar essa mudança climática em primeiro lugar com sua geoengenharia. De acordo com Wigington, o estado do nosso clima global é "ainda pior do que nos dizem", e a engenharia climática está "alimentando esse processo".

Em outras palavras, a cabala globalista está tentando nos convencer de que a causa do problema é a solução, ao mesmo tempo em que atribui a culpa das mudanças climáticas a pessoas comuns que dirigem carros para trabalhar e comem carne.

A legislação do Tennessee é um passo significativo na tentativa de regulamentar a geoengenharia dentro dos Estados Unidos, refletindo preocupações crescentes sobre a transparência e a ética por trás desses programas. A proibição visa proteger não apenas os habitantes do Tennessee, mas também enviar um claro sinal de alerta para o resto do mundo sobre os riscos potenciais e as implicações éticas da manipulação climática em larga escala.

Assista esse incrível documentário do especialista em geoengenharia Dane Wigington:




À medida que movimentos em todo o mundo se organizam para exigir maior supervisão e prestação de contas, o debate sobre geoengenharia continua a evoluir. A questão central permanece: até que ponto a humanidade está disposta a arriscar manipular o planeta em uma tentativa de controlar seu clima, e a que custo? Na minha opinião particular, a tragédia que atacou o Rio Grande Do Sul foi certamente um ataque deliberados pelos programas de modificação climática, para afetar diretamente a agricultores e o abastecimento alimentar global. Veja meu artigo sobre isso aqui.
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Uma pequena pausa antes de continuar


Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.