Cuidado Com a Agenda One Health: Um Ataque Totalitário à Saúde, Alimentos e Liberdades Individuais

Desvendando One Health: O Perigo para a Liberdade Individual e a Saúde Pública


Cuidado Com a Agenda One Health: Um Ataque Totalitário à Saúde, Alimentos e Liberdades Individuais

Nos bastidores da crise global de saúde, uma agenda insidiosa está se desenrolando, promovida por poderosos agentes mundiais sob o disfarce do "One Health" ou "Saúde Unificada". Este movimento, aparentemente benevolente, pretende integrar os sistemas alimentares com os campos da medicina e dos seguros de saúde. No entanto, o que se esconde por trás dessa fachada é uma ameaça à autonomia individual e à liberdade de escolha.

Definida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) dos Estados Unidos, a One Health propõe um futuro onde os alimentos serão categorizados como medicamentos, sujeitos ao estilo de prescrições médicas e a severas penalidades por desvios. Esta abordagem, descrita por críticos como uma "reviravolta doentia" no ditado de que "sua comida deve ser seu remédio", coloca o controle sobre o que comemos nas mãos de poucos globalistas.

Tracy Thurman, do Instituto Brownstone, destaca que a One Health representa um ataque coordenado à liberdade alimentar e à saúde pública. Ao integrar alimentos prescritos e refeições adaptadas medicamente, essa agenda busca não apenas ditar nossa dieta, mas também influenciar decisões sobre cuidados médicos essenciais.

Os suspeitos de sempre estão por trás da trama One Health. O bilionário eugenista Bill Gates está apoiando o esquema, assim como a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Banco Mundial, a Fundação Rockefeller, o CDC, a FDA, o NIH, o USDA, "e todos os outros culpados da Covid que você possa imaginar", diz Thurman.

Há um risco muito real no One Health de os cuidados de saúde serem racionados ou mesmo retidos com base na determinação das "autoridades" quanto à sua necessidade de cuidados. Há também dogmas destrutivos das mudanças climáticas embutidos na trama que são explicitamente anti-humanos.

"Os gestores da sociedade acreditam claramente que os ecossistemas do planeta se beneficiariam de uma redução no número de camponeses, e esse novo paradigma de saúde permite que eles considerem esse dogma na decisão de se você merece cuidados que salvam vidas, o direito de optar por não se vacinar, o direito à alimentação real e natural ou a vida."

As Consequências para a Sociedade e para a Saúde


A implementação da One Health poderia resultar no racionamento de cuidados de saúde com base em decisões centralizadas, comprometendo direitos fundamentais como a escolha de tratamentos e a recusa a vacinas. A influência de eugenistas globais, como Bill Gates e instituições poderosas como o Banco Mundial e a Fundação Rockefeller, levanta sérias preocupações sobre o futuro da autonomia individual e da saúde pública.

O Canadá serve como um modelo antecipado do que a One Health poderia significar para os Estados Unidos. A normalização da Assistência Médica na Morte (MAiD), ou eutanásia, sob essa estrutura, sugere uma expansão de políticas que poderiam reduzir a população global, legitimando práticas que limitam a vida humana.

A conexão com moedas digitais de bancos centrais (CBDCs) também é alarmante, pois um sistema financeiro controlado centralmente poderia restringir ainda mais a liberdade de escolha, condicionando o uso do dinheiro digital a produtos e serviços aprovados pelo governo.

No atual panorama global, as preocupações sobre a liberdade individual estão atingindo novos patamares, conforme tecnologias digitais avançam e se entrelaçam com aspectos fundamentais da vida cotidiana. Corey Lynn, renomado jornalista investigativo, ressalta um perigo iminente: o controle sobre alimentação e finanças como ferramentas de escravidão moderna.

"Como você faz as pessoas de escravos? Controle sua comida e dinheiro", explica Lynn. Esta afirmação ecoa não apenas como um alerta, mas como um chamado à reflexão sobre o poder crescente das tecnologias digitais. Desde smartphones até identidades digitais, biometria, inteligência artificial e até mesmo chips, essas ferramentas são cada vez mais utilizadas para restringir e monitorar a liberdade humana.

A alusão ao Livro do Apocalipse, capítulo 13, versículo 17, ressoa de maneira arrepiante. O cenário descrito - onde uma marca é necessária para transações financeiras básicas - está se tornando uma realidade cada vez mais palpável. A combinação de tecnologias digitais avançadas com um controle centralizado pode facilmente se transformar em um sistema onde a liberdade de compra e venda é condicionada à conformidade com normas estabelecidas por poucos poderosos.

A questão não se limita apenas ao controle econômico. 


É uma questão de autonomia pessoal e coletiva. A capacidade de determinar o próprio destino, de escolher como e com quem interagir, de decidir sobre questões fundamentais da vida cotidiana - tudo isso está sendo cada vez mais influenciado por sistemas digitais que, se não forem cuidadosamente monitorados e regulados, podem minar as liberdades individuais.

No entanto, resistência e conscientização são essenciais. Compreender os riscos envolvidos na implementação indiscriminada de tecnologias de controle é o primeiro passo para proteger nossas liberdades. É necessário um debate informado e uma ação coletiva para garantir que as tecnologias avançadas sirvam aos interesses da humanidade, e não aos de uma elite controladora.

À medida que avançamos neste novo paradigma digital, devemos permanecer vigilantes e comprometidos com valores de liberdade, privacidade e autonomia. Somente assim podemos evitar cair nas armadilhas preditas pelo passado e moldar um futuro onde a tecnologia sirva como uma ferramenta de progresso humano, não como um instrumento de opressão.

Conclusão: Resistindo à Agenda Totalitária da One Health


A resistência a essa agenda totalitária requer uma compreensão clara de suas ramificações para a liberdade individual e a saúde pública. Enquanto a One Health é apresentada como uma solução integrada para melhorar a saúde global, seu potencial impacto na liberdade de escolha e na autonomia pessoal não pode ser subestimado.

À medida que a sociedade enfrenta desafios complexos, é crucial manter um diálogo aberto e crítico sobre o futuro das políticas de saúde e alimentação. Somente através da vigilância e da participação informada podemos proteger nossas liberdades fundamentais e preservar um futuro onde a saúde e o bem-estar sejam verdadeiramente universais e respeitem a diversidade individual.

Enquanto isso, a vigilância continua sobre os desenvolvimentos da One Health e suas implicações para as liberdades individuais e a saúde global.
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Uma pequena pausa antes de continuar


Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.