Teste PCR para Gripe Aviária Aumentará Falsos Positivos, Podendo Afetar o Abastecimento Alimentar

Críticas Crescem em Relação ao Uso de Testes PCR para Gripe Aviária: Lições da Pandemia de Covid-19


Teste PCR para Gripe Aviária Aumentará Falsos Positivos, Podendo Afetar o Abastecimento Alimentar

As agências governamentais têm aumentado o uso de testes PCR para detectar casos de gripe aviária, uma estratégia que está gerando críticas e preocupações. Especialistas apontam que, assim como na pandemia de Covid-19, os testes PCR podem levar a falsos positivos e não são ideais como ferramenta de diagnóstico precisa - isso pode levar a falsos positivos e o abate de milhões de animais, podendo afetar o abastecimento alimentar, o que resultaria em uma pandemia da fome.

A Dra. Deborah Birx, ex-coordenadora de resposta ao coronavírus do governo Trump, destacou em uma entrevista à CNN que os Estados Unidos estão repetindo os "mesmos erros" cometidos durante a pandemia de Covid-19. Birx argumenta que a falta de testes para infecções assintomáticas contribuiu para a disseminação da Covid-19 e sugere uma abordagem agressiva similar para a gripe aviária.

Birx defende a testagem semanal de todas as vacas para gripe aviária e testes regulares dos trabalhadores de laticínios. Ela acredita que casos não detectados da gripe aviária já possam estar circulando entre humanos. "Temos a tecnologia", afirmou Birx, referindo-se aos testes PCR.

Os testes PCR, utilizados extensivamente durante a pandemia de Covid-19, são criticados por produzirem resultados imprecisos, incluindo falsos positivos. Simon Goddek, Ph.D., acusou Birx nas redes sociais de "usar deliberadamente a mesma estratégia para fabricar outra falsa emergência de saúde".

O teste de PCR amplifica pequenos fragmentos de DNA ou RNA até que se tornem grandes o suficiente para identificação. No entanto, um alto número de ciclos de amplificação pode levar a resultados falso-positivos. A Organização Mundial da Saúde (OMS) já havia alertado sobre essa questão durante a pandemia de Covid-19.

Kary Mullis, inventor do teste PCR e vencedor do Prêmio Nobel, afirmou que o teste não foi projetado para uso como ferramenta de diagnóstico para detectar infecções virais. O Dr. Anthony Fauci também reconheceu que um ciclo de amplificação alto detecta apenas "nucleotídeos mortos", não uma infecção viral ativa.

Testagem em massa "só servirá para levantar uma falsa contagem de casos"


Até terça-feira, o último vírus circulante da gripe aviária infectou 81 rebanhos de gado leiteiro em nove estados e granjas avícolas em 48 estados. O vírus pode ser fatal para aves de capoeira, mas geralmente não causa doenças graves em bovinos. A gripe aviária é rara entre os seres humanos. Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) afirmam que ela representa apenas um baixo risco para a saúde pública.

Na última onda de gripe aviária, apenas três pessoas nos EUA. Teria testado positivo para o vírus após exposição próxima a uma vaca infectada. Todos os três apresentaram sintomas leves - dois tiveram irritação nos olhos e um também teve tosse e dor de garganta. Todos se recuperaram sem incidentes.

A OMS informou na quarta-feira que um residente do México morreu de uma infecção por gripe aviária, mas as autoridades da OMS também afirmam que a ameaça do vírus para a população em geral é baixa.

A gripe aviária não pode ser transmitida entre humanos, mas isso não impediu que autoridades de saúde, como o cientista-chefe da OMS, Jeremy Farrar, e o comissário da Food and Drug Administration (FDA), Robert Califf, alimentassem publicamente temores de que o vírus pudesse sofrer mutações repentinas, se tornar mais infeccioso e transmissível entre humanos e causar uma pandemia.

Meios de comunicação tradicionais como a Scientific American alertaram que a gripe aviária não é uma pandemia "ainda", mas pode evoluir para se tornar uma se as pessoas fizerem coisas como continuar a beber leite cru. E o The New York Times alertou ontem que o vírus "pode não ser feito" adaptando-se.

O CDC informou na terça-feira que monitora as alterações genéticas no vírus e "poucas alterações genéticas de preocupação de saúde pública foram identificadas".

No entanto, o governo dos EUA está aumentando seu estoque nacional de vacinas existentes produzidas pela CSL Seqirus e está se aproximando de contratos com a Moderna e possivelmente a Pfizer para financiar o desenvolvimento de uma vacina de mRNA para o vírus.

Na terça-feira, a Finlândia anunciou que começará a oferecer a vacina a grupos selecionados de pessoas. Outros especialistas em saúde pública descartaram o alarmismo como "exagerado", com alguns sugerindo que o "medo" é motivado pelo lucro.

O Dr. David Bell, médico de saúde pública e consultor de biotecnologia, disse ao The Defender no mês passado que o medo da gripe aviária era "farsesco".

"Não tivemos um surto ruim por mais de um século, e há toda a probabilidade de que não voltaremos a ter", disse Bell. "Estamos usando a tecnologia para fingir que novas ameaças estão ocorrendo, porque agora podemos detectá-las."

O cardiologista Peter McCullough disse no mês passado que a testagem em massa de animais saudáveis - como Birx está sugerindo - servirá apenas para "aumentar uma contagem de casos falsos".

Aumento da Vigilância e Testagem em Massa


O governo dos EUA está intensificando a vigilância e a testagem para a gripe aviária, destinando milhões de dólares para expandir a testagem de animais, trabalhadores rurais e até mesmo águas residuais. A FDA também está testando o fornecimento comercial de leite e carne para o vírus.

A testagem em massa de vacas e trabalhadores rurais, como sugerida por Birx, pode resultar em uma contagem inflacionada de casos devido aos falsos positivos. O Dr. David Bell, especialista em saúde pública, descreveu o medo da gripe aviária como "farsesco" e acusou as autoridades de exagerarem os riscos para obter lucro.

Preocupações com a Indústria Agropecuária


As medidas de testagem em massa têm implicações significativas para a indústria agropecuária. O abate de animais saudáveis devido a falsos positivos poderia causar enormes perdas econômicas. A testagem em águas residuais e carne também gera preocupações sobre a precisão dos resultados e o impacto nas práticas de segurança alimentar.

O Serviço de Inspeção de Saúde Animal e Vegetal (APHIS) do USDA está incentivando os produtores a testarem voluntariamente bovinos e rebanhos suspeitos de infecção. No entanto, testes PCR positivos devem ser relatados semanalmente, colocando fazendas com casos positivos em quarentena.

Os laboratórios aprovados realizam testes PCR para várias cepas diferentes de gripe que podem ser marcadores da gripe aviária, incluindo "matriz FluA, H5 e, opcionalmente, H5N1 2.3.4.4b", para determinar se os bovinos estão infectados.

Todos os laboratórios, estejam ou não na lista de aprovados do USDA, devem relatar todos os resultados positivos do teste de influenza A ao USDA semanalmente até as 17h de segunda-feira. As fazendas com casos positivos estão em quarentena.

O KFF Health News informou que testes adicionais de trabalhadores agrícolas possibilitariam que os pesquisadores "rastreassem infecções". O problema é que "as pessoas geralmente são testadas quando procuram tratamento para doenças", mas os trabalhadores rurais não tendem a ir aos médicos, a menos que estejam muito doentes.

À medida que os governos aumentam a vigilância para a gripe aviária utilizando testes PCR, é crucial aprender com os erros da pandemia de Covid-19. A precisão dos testes e a metodologia de diagnóstico precisam ser rigorosamente avaliadas para evitar falsas emergências de saúde pública. A abordagem deve ser equilibrada, baseando-se em evidências científicas sólidas e transparência, para proteger a saúde pública sem causar pânico ou prejuízos desnecessários.
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Uma pequena pausa antes de continuar


Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.