O Potencial Terapêutico da Romã na Prevenção e Tratamento do Câncer: Pesquisas

Fruto da romã usado para fins medicinais em culturas antigas por séculos.


O Potencial Terapêutico da Romã na Prevenção e Tratamento do Câncer

A romã (Punica granatum) tem sido usada para fins medicinais em culturas antigas por séculos. Além de ser amplamente consumida em sua forma fresca, a romã é transformada em sucos, geleias, vinhos e chás. Suas folhas são utilizadas para fazer chá, e suas sementes secas servem como especiarias.

Culturalmente, a romã aparece com destaque em várias das principais religiões mundiais, incluindo o budismo, cristianismo, islamismo, judaísmo e zoroastrismo. Ela simboliza vida, longevidade, saúde, feminilidade, fecundidade, conhecimento, moralidade, imortalidade e espiritualidade. No mito grego do rapto de Perséfone, a romã, conhecida como o "fruto dos mortos", simboliza vida e renascimento.

Artigos revisados:

  • 2021 Aug (Wong et al) – Constituintes bioativos de romã visam sinalização oncogênica e oncosupressiva múltipla para prevenção e intervenção do câncer
  • 2022 Fev (Cheshomi) – Os efeitos do ácido elágico e outros derivados da romã (Punica granatum L.) em células AGS de câncer gástrico humano
  • 2023 Jan (Teniente et al) – Efeito anticâncer dos polifenóis da casca de romã contra o câncer cervical
  • 2023 Abr (Habchi et al) – Determinação das Propriedades Antioxidantes e Antiproliferativas do Extrato da Casca de Romã Obtido por Ultrassom na Linha Celular de Câncer Colorretal HCT-116
  • Julho de 2023 (Rahman et al) – Compostos naturais específicos da romã como compostos onco-preventivos e onco-terapêuticos: Comparação com drogas convencionais que atuam nos mesmos mecanismos moleculares

Os compostos bioativos da romã, como o ácido elágico e ellagitannins, são absorvidos pelo trato gastrointestinal e metabolizados em urolitinas pela microflora intestinal. Estes metabólitos podem ser responsáveis pelos efeitos terapêuticos a longo prazo da romã.


Os estudos mostram que o consumo de suco e extratos de romã é seguro, com poucos efeitos colaterais leves, como náuseas e diarreia. A romã, reconhecida como "um reservatório fitoquímico de valor medicinal heurístico", tem sido utilizada há séculos nas medicinas tradicionais para o tratamento de uma variedade de distúrbios. Recentemente, seu papel na prevenção e terapia do câncer tem atraído considerável interesse científico, embora seus mecanismos moleculares ainda não sejam completamente compreendidos.

Os fitoquímicos presentes na romã não só atuam sinergicamente entre si, mas também potencializam os efeitos de outros fitoquímicos e até mesmo de drogas quimioterápicas já estabelecidas. Esta sinergia pode conferir uma ação anticâncer superior à de qualquer composto isolado. Entretanto, muitos estudos clínicos não relataram diferenças significativas entre os grupos tratados com romã e os grupos placebo.

No entanto, análises subsequentes de subgrupos indicaram que determinados pacientes com câncer podem se beneficiar mais da terapia com romã, sugerindo uma necessidade de estudos mais detalhados para identificar esses subgrupos específicos.

Estudos sobre Componentes da Romã


Um dos estudos mais relevantes, conduzido por Cheshomi em fevereiro de 2022, investigou os efeitos do ácido elágico e outros derivados da romã (Punica granatum L.) em células AGS de câncer gástrico humano. Os resultados indicaram que o suco de fruta de romã , devido à sua rica composição polifenólica, pode ter atividade anticancerígena contra várias neoplasias malignas, incluindo câncer de próstata, cólon, fígado e mama. Além disso, o extrato de casca de romã, também rico em compostos polifenólicos, mostrou potencial para induzir a morte celular em diferentes tipos de câncer, como mama, melanoma e cólon.

O ácido elágico, um dos principais polifenóis presentes tanto no suco de fruta de romã quanto no extrato de casca de romã, demonstrou efeitos antitumorais significativos em uma variedade de cânceres humanos, incluindo bexiga, sangue, mama, colo do útero, colorretal, fígado, pâncreas e próstata. Este composto foi especialmente eficaz em causar alterações na expressão de genes associados ao câncer. Comparado com o suco de fruta de romã e o extrato da casca de romã, o ácido elágico mostrou induzir mudanças mais drásticas na expressão gênica, de maneira dose-dependente.

Uma descoberta importante foi que o ácido elágico pode aumentar a expressão do gene p53, conhecido por seu papel na supressão de tumores. Além disso, ele também pode exibir efeitos anti-inflamatórios através da regulação negativa de iNOS, TNF-α e IL-6 via inibição do NF-κB. 

Estudos in vivo, realizados em ratos com câncer gástrico, revelaram que o ácido elágico suprimiu o crescimento tumoral e reduziu significativamente o volume final do tumor de forma dose-dependente. Notavelmente, há níveis mais elevados de ácido elágico na casca da romã em comparação ao suco, sugerindo que o extrato de casca pode ser uma fonte mais potente deste composto.

Conclusão

Os resultados do estudo de Cheshomi destacam que, no caso do câncer gástrico, o ácido elágico apresentou efeitos anticâncer mais significativos em vários aspectos, como indução de apoptose, redução da migração celular, alteração da expressão de genes associados à morte celular programada, redução da expressão de genes inflamatórios e inibição do crescimento tumoral em camundongos, quando comparado ao suco de fruta e ao extrato de casca de romã. 

Esses achados sugerem que o ácido elágico pode ser um componente chave na utilização da romã como uma terapia complementar no tratamento de cânceres específicos, embora mais estudos clínicos com amostras maiores e desenhados de forma mais robusta sejam necessários para confirmar esses benefícios.
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Uma pequena pausa antes de continuar


Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.