Ex-Diretor do CDC Admite Corrupção na Gestão da Pandemia COVID-19

A Crise da Corrupção nas Agências de Saúde e o Impacto das Medidas Autoritárias Durante a Pandemia de COVID-19


Ex-Diretor do CDC Revela Corrupção na Gestão da Pandemia COVID-19

A pandemia de COVID-19 trouxe à tona uma série de questões que desafiam a confiança pública nas agências de saúde, na grande mídia e nos políticos. O ex-diretor do CDC, Dr. Robert Redfield, ao ser questionado sobre uma possível conspiração entre governos e a indústria farmacêutica para a criação das vacinas contra a COVID-19, admitiu que houve um "excesso de alcance" por parte dos governos, sugerindo uma ingerência indevida que pode ter se intensificado. 

Redfield afirmou categoricamente que "o governo nunca deveria ter exigido vacinas. Essas vacinas não previnem a infecção". Esta declaração é apenas a ponta do iceberg de uma série de eventos que questionam a integridade e os motivos das políticas de saúde pública implementadas em todo o mundo na pandemia COVID.

As declarações de Redfield revelou que houve uma conspiração direta para criar uma arma biológica, como detalhado pelo Dr. Rand Paul, que identificou mais de 15 agências governamentais envolvidas em enganar a população. O CDC, juntamente com o Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas (NIAID) do Dr. Anthony Fauci e o Instituto Nacional de Saúde (NIH), são acusados de criar um cenário de medo e manipulação.

O CDC tentou, em diversas ocasiões, corrigir o número total de mortes atribuídas às vacinas COVID-19, alegando erros de codificação que resultaram em contagens errôneas. Um dos casos mais notáveis foi a alegação de uma contagem errônea de mais de 72.000 mortes por COVID. Dados do Sistema de Notificação de Eventos Adversos de Vacinas (VAERS) indicam que o CDC tem distorcido informações, com mais mortes atribuídas às vacinas COVID em um ano do que todas as outras vacinas combinadas nos últimos 33 anos.

Redfield também destacou que a pressão para obrigar a vacinação resultou em "mais hesitação vacinal". As pessoas começaram a questionar as narrativas das agências de saúde, despertando para as mentiras que lhes foram contadas. 

O ex-diretor do CDC, Dr. Tom Frieden, e a atual diretora, Dra. Mandy Cohen, continuam a promover vacinas, mesmo com a crescente desconfiança pública. A insistência em campanhas de vacinação massivas, sem levar em conta os dados adversos emergentes, reforça a percepção de que as políticas são impulsionadas por interesses financeiros e políticos, e não pela saúde pública.

Histórico de Corrupção do CDC


Uma coisa seria se os burocratas do CDC não tivessem emitido orientações falsas de saúde pública, promovido o fechamento de escolas, o distanciamento social e o uso de máscaras sem ciência para apoiar qualquer uma dessas alegações, mas há mais.

O histórico do CDC em relação a políticas de saúde pública é preocupante. A agência recebe mais de 50% de seu financiamento de empresas farmacêuticas, o que representa um enorme conflito de interesses. 

Para aqueles que desconhecem o histórico de envenenamento de pessoas pelo CDC, na década de 1960, David Judson Sencer, comissário de Saúde da cidade de Nova York e ex-diretor do CDC há mais tempo, não fez nada para impedir o estudo Tuskegee Syphilis, orquestrado pelo CDC. Esse mesmo homem também foi responsável pelo programa de imunização contra a gripe suína em 1976. No Estudo Tuskegee, centenas de participantes do estudo, principalmente homens negros, sofreram cegueira, problemas de saúde mental e até morte. Se você olhar para esse precedente, é óbvio que o CDC envenena pessoas há pelo menos 40 anos.

A colaboração do CDC com a OMS levanta mais preocupações. A OMS, juntamente com 194 países, planeja medidas draconianas para obrigar ou mesmo prende para quem se opor a vacinação contra a gripe aviária, seguindo um modelo semelhante ao da COVID-19. A imposição de tais medidas, sem consideração pela soberania dos cidadãos e pela autonomia pessoal, reforça a narrativa de um controle autoritário global.

Não é à toa que Oklahoma tem algumas palavras de escolha para a OMS. O governador do estado acaba de assinar um projeto de lei que exclui Oklahoma dos mandatos da OMS e da Organização das Nações Unidas (ONU). Irã apenas disse que recusaria mandatos da OMS enquanto outros países deliberam um tratado de pandemia A OMS acaba de atualizar seus padrões internacionais de saúde com base no que eles "aprenderam" sobre a COVID-19, ostensivamente que, mesmo depois de mentir, enganar e coagir as pessoas a cumprir a condição médica, eles têm que tomar medidas ainda mais draconianas para continuar a envenenar a população do mundo.

O primeiro homem que eles alegaram ter tido gripe aviária no México acabou se tornando uma farsa. Ele não morreu de gripe aviária. Ele tinha diabetes tipo 2 e seus rins falharam. Essa é a mesma farsa que eles cometeram com a Covid. O chamado paciente zero que "pegou COVID" estava morrendo de Alzheimer.

A OMS planeja prender aqueles que até falam sobre evidências falsas de gripe aviária que não estão de acordo com suas histórias forjadas, com emendas no controverso Regulamento Sanitário Internacional que concedem poderes abrangentes às nações enquanto abolem a soberania para seus cidadãos.

Como o deputado Rand Paul detalhou, quase tudo o que o CDC disse sobre a Covid nos últimos três anos é uma mentira absoluta. Aqui estão apenas algumas alegações do CDC que provaram ser patentemente falsas:

  • As máscaras evitam a propagação da Covid. Eles nos disseram em 2021 que "as evidências são claras. As máscaras podem ajudar a prevenir a propagação da COVID-19, reduzindo a chance de infecção em mais de 80%." Esta mentira descarada provou-se totalmente falsa.
  • A Covid fica no músculo. Embora todos os vírus semelhantes à gripe possam afetar os músculos enquanto o corpo luta para livrar o corpo da doença, a vacina em si é muito mais prejudicial. A vacina tem como alvo células musculares cardíacas saudáveis.
  • A vacina não entra na corrente sanguínea. Eles tentaram nos dizer que, quando você recebe a vacina, ela fica apenas no músculo deltoide. Isso também é mentira.
  • O mRNA é degradado em poucos dias e descartado do organismo. As proteínas spike podem permanecer no corpo por meses, e os pesquisadores ainda estão descobrindo os danos que as proteínas causam ao corpo enquanto estão ativas. Pelo menos dois meses após uma vacina de mRNA, o sistema imunológico ainda está comprometido.

Conclusão

As políticas de saúde pública durante a pandemia de COVID-19, incluindo os lockdowns, o uso obrigatório de máscaras, o distanciamento social e a vacinação compulsória, têm sido marcadas por uma série de enganos e manipulações. A admissão de excessos por parte do governo e a revelação de dados inconsistentes pelo CDC é um despertar e um alerta para ficarmos atentos as manipulações. O histórico de corrupção e o conflito de interesses entre agências de saúde e a indústria farmacêutica ressaltam a necessidade urgente de transparência e responsabilidade.

Os cidadãos devem estar vigilantes e exigir respostas claras e verdadeiras de suas instituições de saúde. A hora de se levantar contra medidas autoritárias e em defesa da autonomia pessoal e da verdade é agora. A integridade das políticas de saúde pública e a confiança da população dependem disso.
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Uma pequena pausa antes de continuar


Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.