12 Países acabam com as restrições imposta ao povo sob pretexto do COVID - agora que vacinados disseminam doenças silenciosamente

Suécia e a Suíça, abrirão suas nações, juntando-se à Dinamarca, Noruega, Finlândia, Irlanda, Holanda, Itália, Lituânia, França e o Reino Unido


12 Países acabam com as restrições do COVID - agora que vacinados disseminam doenças silenciosamente

À medida que as restrições contra o povo para impedir a transmissão do vírus imposta por líderes tiranos e as nações perderam vidas para as injeções e para o SARS-CoV-2, a Europa está acelerando os planos para encerrar os regulamentos da sociedade imposta em pretexto do COVID.

Enquanto o maior país vacinado, Israel, é agora o número 1 em casos de Covid per capita, provando que todas as medidas draconianas e injeções infinitas são totalmente inúteis. Israel é um dos países mais vacinados do mundo chegando até quarta dose, no entanto, a disseminação de doenças dessa nação vacinada continua a lotar os hospitais do país.

A Suécia e a Suíça anunciaram que suspenderão as restrições do povo imposta supostamente para frear o COVID e, eventualmente, abrirão suas nações, juntando-se à Dinamarca, Noruega, Finlândia, Irlanda, Holanda, Itália, Lituânia, França e o Reino Unido.

As principais autoridades israelenses também declararam esta semana que o passaporte da vacina COVID do país, conhecido como “ Passe Verde ”, será retirado de restaurantes, hotéis, academias e cinemas.

O gabinete do primeiro-ministro Naftali Bennet disse que a emenda política entrará em vigor em 6 de fevereiro, aguardando a aprovação de um painel legislativo. Para ocasiões como festas ou casamentos, o regulamento de prova de vacinação de Israel permanecerá em vigor.

“Continuar o passe verde/passaporte de vacina da mesma maneira pode criar falsas garantias”, disse Nadav Davidovitch , epidemiologista e médico de saúde pública que assessora o governo do primeiro-ministro Naftali Bennet. “Não está reduzindo infecções em espaços fechados como teatros (percebi que a transmissão de doenças entre os próprios vacinados não está sendo impedida pela vacina, mas culpam o passe verde de não impedir transmissão entre os vacinados?). Ele (passe verde) precisa ser usado principalmente em locais de alto risco, como hospitais, lares de idosos ou eventos quando você está comendo, cantando e dançando. ”

O governo da Suécia anunciou recentemente que todas as restrições do COVID serão encerradas até 9 de fevereiro.

De acordo com o Politico, devido a uma maior conscientização sobre a variante Ômicron, que por si só é mais fraca e associada a menos hospitalizações, a Agência Sueca de Saúde Pública revisou o COVID como “não sendo socialmente crítico ”.

“É hora de abrir a Suécia”, disse a primeira-ministra Magdalena Andersson . “A pandemia não acabou, mas está entrando em uma nova fase.”

A resolução da Suécia vem um dia depois que a Suíça declarou que, a partir de 6 de fevereiro, os requisitos obrigatórios de trabalho em casa e isolamento serão abolidos, citando excelentes taxas de imunidade e a variante Ômicron, mais branda.

O governo também relaxaria os regulamentos de saúde nas fronteiras, removendo a exigência de que os turistas obtenham certificados suíços da COVID.

Depois de falar com 26 cantões, empregadores, sindicatos e comitês parlamentares, o governo suíço disse que pretende começar a reduzir mais limitações.

Por um comunicado oficial , o governo decidirá as medidas subsequentes para aliviar as as restrições pandêmicas em duas semanas, com base no estado de saúde.

Uma estratégia de partida gradual ou uma parada rápida de todas as restrições do COVID em 17 de fevereiro são duas opções.

Dinamarca Classificará COVID Como Doença Endêmica


Desde então, a Dinamarca se tornou a primeira nação da União Europeia a abolir todos os regulamentos COVID, rotulando o COVID como uma doença endêmica, poucos dias antes da Suécia e da Suíça fazerem suas declarações.

O COVID não era mais uma “doença socialmente crítica”, de acordo com o ministro da Saúde dinamarquês Magnus Heunicke, que apresentou uma declaração ao comitê de epidemiologia do parlamento em 1º de fevereiro.

O governo optou por remover os regulamentos do COVID com base nas sugestões do comitê.

As “regras caducam quando a doença não for mais categorizada como ‘socialmente crítica’ em 1º de fevereiro de 2022”, escreveu Heunicke .

Quando uma doença é classificada como “socialmente crítica”, o governo tem o direito de impor amplas restrições, como fechar empresas e obrigar o uso de máscaras.

A propagação de uma doença endêmica é irrestrita, mas é considerada como de menor risco para a sociedade.

“Ninguém pode saber o que acontecerá em dezembro próximo”, disse Heunicke à CNN na segunda-feira. “Mas prometemos aos cidadãos da Dinamarca que só teremos restrições se forem realmente necessárias e as retiraremos assim que pudermos. É isso que está acontecendo agora.”

Em resposta a uma pergunta sobre os requisitos da vacina, Heunicke afirmou:

“Felizmente, não precisamos disso na Dinamarca… Estou muito feliz por não precisarmos disso, porque é um caminho muito problemático para se mover dessa maneira.”

O Diretor-Geral da Autoridade de Saúde Dinamarquesa, Søren Brostrøm, concordou:

“Não acredito em mandatos de vacinas impostos. É uma intervenção farmacêutica com possíveis efeitos colaterais. Você precisa, como autoridade, reconhecer isso. Acho que se você forçar demais, terá uma reação – ação gera reação, especialmente com vacinas.”

Ao lidar com grandes segmentos da população, as autoridades dinamarquesas continuarão a incentivar testes em casa e, portanto, tornarão os testes de PCR acessíveis ao público em geral. Os visitantes que entrarem no país ainda serão submetidos a uma avaliação médica.

Outros Países Europeus Abandonam Restrições À COVID


De acordo com a Bloomberg , as limitações também foram atenuadas na Itália, França, Noruega, Lituânia, Inglaterra e Finlândia.

“Devemos discutir se é hora de ter um ponto de vista diferente e começar a diminuir as restrições, mesmo com um alto número de infecções”, disse a primeira-ministra finlandesa Sanna Marin a repórteres.

“Espero que possamos nos livrar das restrições em fevereiro.”

A administração resolveu abolir todas as limitações nas reuniões e suavizar as limitações em restaurantes e bares em 14 de fevereiro durante uma reunião em Helsinque para examinar a velocidade de levantamento das restrições. Até 1º de março, as casas noturnas estarão fechadas. Não haverá limites para espaços culturais, atividades ou esportes.

O governo do primeiro-ministro italiano Mario Draghi se reuniu na quarta-feira para considerar maneiras de reduzir as limitações. A administração se concentrará primeiro nas restrições de quarentena infantil, com a intenção de reduzir o mandato de isolamento de 10 dias para cinco dias.

As autoridades lituanas também deixarão de forçar os funcionários não vacinados a realizar exames semanais e não precisarão mais que eles forneçam uma certificação de imunização em locais públicos, como restaurantes e atividades esportivas.

Na quarta-feira, as novas leis da França entraram em vigor, abolindo as diretrizes de trabalho forçado em casa, removendo os requisitos de máscara facial do lado de fora e relaxando as limitações de capacidade em estádios e teatros.

A Noruega entrou a bordo, removendo as proibições de festas privadas, pubs e restaurantes, além de eliminar a necessidade de testes de fronteira.

Na última quinta-feira, a Inglaterra declarou o relaxamento das limitações do COVID. Os véus faciais não eram mais necessários por lei em nenhum lugar da Inglaterra a partir de 27 de janeiro, e as licenças COVID não eram mais necessárias para acessar grandes shows e clubes.

Além disso, a administração removeu as diretrizes para cobrir o rosto nas escolas, aconselhar aqueles que trabalham em casa e limitar os visitantes aos lares de idosos.

Como parte de um relaxamento mais amplo dos regulamentos, a Holanda reabriu restaurantes, pubs, museus e teatros em 26 de janeiro.
Os Bloqueios Tiveram Pouco Ou Nenhum Benefício Na Saúde Pública, Mostra Análise

Poucas, se houver, pesquisas foram realizadas para verificar se os passaportes de vacinas e as limitações do COVID reduziram a incidência, hospitalizações e mortes do COVID.

Os procedimentos de bloqueio da COVID impostos nos Estados Unidos e na Europa, por outro lado, tiveram quase pouca influência na saúde pública, de acordo com um novo estudo divulgado por acadêmicos de John Hopkins .

“Encontramos pouca ou nenhuma evidência de que os bloqueios obrigatórios na Europa e nos Estados Unidos tiveram um efeito perceptível nas taxas de mortalidade por COVID-19 ”, escreveram os pesquisadores.

Os pedidos de abrigo no local reduziram a mortalidade por COVID em apenas 2,9%, de acordo com o estudo.

Os pedidos de abrigo no local reduziram as mortes por COVID em 5,1% em estudos que os analisaram sozinhos, mas quando combinados com outras táticas de bloqueio, eles aumentaram a mortalidade por COVID em 2,8%.

Os pesquisadores descobriram que limitar as reuniões pode ter elevado a mortalidade por COVID. Eles declararam:

“[Ordens de abrigo no local] podem isolar uma pessoa infectada em casa com sua família, onde ela corre o risco de infectar membros da família com uma carga viral mais alta, causando doenças mais graves. Mas, muitas vezes, os bloqueios limitam o acesso das pessoas a locais seguros (ao ar livre), como praias, parques e zoológicos, ou incluem mandatos de máscaras ao ar livre ou restrições estritas de reunião ao ar livre, levando as pessoas a se encontrarem em locais menos seguros (dentro de casa). ”

Os protocolos de bloqueio da COVID também desempenharam um papel na “redução da atividade econômica, aumento do desemprego, redução da escolaridade, causando agitação política, contribuindo para a violência doméstica e minando a democracia liberal”, disse o relatório. Referência: GreatGameIndia.com
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Uma pequena pausa antes de continuar


Este site usa cookies e outros serviços para melhorar sua experiência. Ao usar nosso site, você concorda com nossa Política de Privacidade e Termos.